A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
53 pág.
Manual de Teologia   FINAL 1

Pré-visualização | Página 14 de 14

o qual possui diversos bens e fins, todos 
eles da máxima importância, quer para a propagação do género humano, quer para o proveito 
pessoal e sorte eterna de cada um dos membros da família, quer mesmo, finalmente, para a 
dignidade, estabilidade, paz e prosperidade de toda a família humana. Por sua própria índole, a 
instituição matrimonial e o amor conjugal estão ordenados para a procriação e educação da prole, 
que constituem como que a sua coroa. O homem e a mulher, que, pela aliança conjugal «já não 
são dois, mas uma só carne» (Mt. 19, 6), prestam-se recíproca ajuda e serviço com a íntima união 
das suas pessoas e actividades, tomam consciência da própria unidade e cada vez mais a realizam. 
Esta união íntima, já que é o dom recíproco de duas pessoas, exige, do mesmo modo que o bem 
dos filhos, a inteira fidelidade dos cônjuges e a indissolubilidade da sua união (GS, 48). 
 
51 
 
Referências Bibliográficas 
Magistério pontifício 
Bento XVI (2009). Exortação Apostólica pós-sinodal Sacramentum caritatis, S. Paulo: Ed. 
Paulinas. 
Bento XVI (2011). Exortação apostólica pós-sinodal Africae Munus. Vaticano: Libreria 
Editrice Vaticana. 
Francisco (2013). Exortação apostólica Evangelii Gaudium. Maputo: Ed Paulinas. 
João XXIII (1963). Carta encíclica Pacem in Terris. Acedido a 23 de Janeiro de 2015 de 
http://w2.vatican.va/content/john-xxiii/pt/encyclicals/documents/hf_j-
xxiii_enc_11041963_pacem.html. 
João Paulo II (1979). Carta encíclica Redemptor Hominis. Braga: A.O. Braga. 
João Paulo II (1984). Exortação Reconciliatio et Paenitencia. Acedido a 23 de Janeiro de 2015 de 
http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/apost_exhortations/documents/hf_jp-
ii_exh_02121984_reconciliatio-et-paenitentia_po.html. 
João Paulo II (1981). Exortação apostólica Familiaris Consortio. Acedido a 23 de Janeiro de 2015 de 
http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/apost_exhortations/documents/hf_jp-
ii_exh_19811122_familiaris-consortio_po.html. 
João Paulo II (1995). Exortação apostólica pós-sinodal Ecclesia in Africa. Braga: Editorial A.O. 
Braga. 
João Paulo II (1995). Carta apostólica Rosarium Virginis Mariae. Vaticano: Libreria Editrece 
Vaticana. 
Paulo VI (1967). Carta encíclica Populorum Progressio. Acedido a 23 de Janeiro de 2015 de 
http://www.vatican.va/holy_father/paul_vi/encyclicals/documents/hf_p-
vi_enc_26031967_populorum_po.html 
 
 
52 
 
Magistério eclesiástico 
João Paulo II (1992). Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Editora Loyola. 
Concílio Vaticano II (2002). Constituições, Decretos e Declarações. Coimbra: Gráfica de 
Coimbra. 
Conferência Episcopal de Moçambique (1991). Carta pastoral Momento Novo. Maputo. 
Conferência Episcopal de Moçambique (1984). Cartas pastorais. Porto: Humbertipo - Artes 
Gráficas. 
Conferência Episcopal de Moçambique. Comunicados e Notas. 
Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (CCDDS) (1994). A Liturgia 
romana e a Inculturação. 4ª Instrução para uma correcta aplicação da Constituição 
conciliar sobre a sagrada Liturgia. Milão: Ed. Paulinas. 
Gaudium et Spes (2002). Concílio Vaticano II. Constituições, Decretos e Declarações. 
Coimbra: Gráfica de Coimbra. 
Pontifício Conselho ‘Justiça e Paz’ (2002). Compêndio da Doutrina Social da Igreja. Vaticano: 
Libreria Editrice Vaticana. 
Obras 
Archer. L. (2001). Dicionário de Bioética. Porto: Ed. Perpétuo Socorro. 
Autores Cristianos. MCMLXIX.. Madrid: Biblioteca de Autores Cristãos. 
Barros, P.C. (2009). As fontes patrísticas: importância e actualidade para a Igreja. Vida Pastoral. 
Revista Bimestral para Sacerdotes e Agentes de Pastoral, Novembro-Dezembro. 
Bisinoto, E. (1980). O Culto de Maria hoje. São Paulo: Ed. Paulinas. 
CEE (1998). Dios Padre. Plan de formación sistemática. Madrid: Instituto Internacional de 
Teologia a Distancia. 
Conte, F. (1994). CONTE F. Os heróis míticos e o homem de hoje. São Paulo: Ed. Loyola. 
53 
 
Coyle, K. (2000). Maria na Tradição cristã. A partir de uma perspectiva contemporânea. São 
Paulo: Ed. Paulus. 
De La Peña, J.L. (1989). Teologia da Criação. São Paulo: Edições Loyola. 
Eicher. P. (1984). Dicionário de Conceitos fundamentais de Teologia. São Paulo: Ed. Paulus. 
Giordano, F. (2001). A Teologia Hoje, síntese do pensamento teológico. Porto: Ed. Perpétuo 
Socorro, Porto. 
Irineu (1969). Adv. Haer. II 30,9. In A. Orbe, Antropologia de San Irineo. Madrid: Biblioteca 
de Autores Cristianos. 
Johannes, B. (1988). Dicionário de teologia bíblica (4ª Ed.). São Paulo: Edições Loyola. 
Ladaria, L. (1998). Introdução à Antropologia Teológica II. São Paulo: Edições Loyola. 
Libânio, J. & Meirad, A. (1998). Introdução à teologia. São Paulo: Edições Loyola. 
Perale, M. (1985). Maria no Novo Testamento. São Paulo: Ed. Paulinas. 
Peschke, K. (1986). Ética Cristiana I. Roma: Urbaniana University Press. 
Roberti, F. (1960). Diccionário de Teologia Moral. Barcelona: ELESA. 
Rubio, G. (2003). Superação do dualismo entre Criação e Salvação. In: I. Müller, Perspectivas 
para uma Nova Teologia da Criação. São Paulo: Ed. Vozes. 
Sgreccia, E. (2002). Manual de Bioética I - Fundamentos e Ética Biomética (2ª Ed.). São Paulo: 
Ed. Loyola. 
Spagnolo, A. (1969). Bioetica nella ricerca e nella prassi medica. Roma: Ed. Camilliane. 
Tettamanzi, D. (2002). Dizionario di Bioetica. Roma: Ed. Piemme. 
Vidal. M. (2003). Nova moral fundamental. O Lar teológico da ética. Lisboa: Ed Paulinas. 
Vieira, D. (2012). Doutrina Social da Igreja: Introdução à Ética social. Lisboa: Ed. Paulus.