A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
27 pág.
Aula 03 - Problemas Relacionados a Medicamentos (PRM)

Pré-visualização | Página 1 de 1

Universidade Federal do Ceará
Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem
Departamento de Farmácia
Disciplina: Atenção Farmacêutica
LIANA SILVEIRA ADRIANO
Especialista em Atenção Hospitalar à Saúde
Mestre em Ciências Farmacêuticas
Fortaleza, 14 de março de 2019
Problemas Relacionados a 
Medicamentos
Farmácia clínica
• “Área da farmácia voltada à ciência e prática do uso racional de 
medicamentos, na qual os farmacêuticos prestam cuidado ao 
paciente, de forma a otimizar a farmacoterapia, promover saúde e 
bem-estar, e prevenir doenças”
(Conselho Federal de Farmácia. 
Resolução nº 585, de 29 de agosto de 2013.
Regulamenta as atribuições clínicas 
do farmacêutico e dá outras providências)
Práticas em Farmácia clínica
• Para alcançar os objetivos da farmácia clínica, o farmacêutico:
(CFF. Resolução nº 585/ 2013)
Participa das discussões de casos clínicos de forma integrada à equipe de saúde;
Elabora lista conciliada dos medicamentos em uso pelo paciente durante os processos de 
admissão, transferência e alta
Realiza a análise da prescrição de medicamentos
Realiza intervenções farmacêuticas junto à equipe de saúde
Avalia resultados de exames clínico-laboratoriais
Analisa e intervêm nas interações medicamentosas clinicamente significantes;
Registra a evolução farmacêutica no prontuário do paciente, entre outras atividades.
Análise dos Problemas Relacionados a Medicamentos 
(PRM) e Intervenções farmacêuticas (IF)
• As atividades da farmácia clínica permitem ao farmacêutico identificar,
prevenir e solucionar Problemas Relacionados com Medicamentos,
associados com o risco ou a ocorrência de Resultados Negativos Associados
à Medicação, realizando as Intervenções Farmacêuticas necessárias e
avaliando os desfechos clínicos alcançados.
• Todos esses aspectos devem ser registrados e avaliados, de forma a
produzir indicadores que quantificam e qualificam as atividades de farmácia
clínica realizadas.
PROBLEMAS RELACIONADOS COM 
MEDICAMENTOS (PRM)
• Problemas Relacionados com Medicamentos (PRM) são problemas de
saúde, entendidos como resultados clínicos negativos, devidos à
farmacoterapia que, produzidos por diversas causas, conduzem ao não
alcance do objetivo terapêutico ou ao aparecimento de efeitos não
desejados.
Fonte: Segundo Consenso de Granada -2002
• O PRM é real, quando manifestado, ou potencial na possibilidade de sua
ocorrência. A identificação de PRM segue os princípios de necessidade,
efetividade e segurança, próprios da farmacoterapia (IVAMA et al., 2002).
• A partir da identificação dos PRM é possível planejar o cuidado ao paciente,
que deverá ser elaborado em conjunto com a equipe de saúde. Esse
planejamento deve selecionar intervenções, tendo como objetivo a
obtenção dos resultados de saúde esperados (PROVIN et al., 2010).
Fonte: Segundo Consenso de Granada -2002 -Machuca, Fernández-Llimós e Faus (2004).
PROBLEMAS RELACIONADOS COM 
MEDICAMENTOS (PRM)
PROBLEMAS RELACIONADOS COM 
MEDICAMENTOS (PRM)
PROBLEMAS RELACIONADOS COM 
MEDICAMENTOS (PRM)
PROBLEMAS RELACIONADOS COM 
MEDICAMENTOS (PRM)
INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA
É um ato planejado, documentado e realizado junto ao 
usuário e aos profissionais de saúde, que visa resolver 
ou prevenir problemas que interferem ou podem 
interferir na farmacoterapia, sendo parte integrante do 
processo de acompanhamento/seguimento 
farmacoterapêutico.
Fonte: CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE, 2004
Análise dos Problemas Relacionados a Medicamentos 
(PRM) e Intervenções farmacêuticas (IF)
Análise farmacêutica da farmacoterapia
➢ Identificação do paciente e prescritor
➢ Indicação do medicamento
➢Dose
➢ Intervalo de administração
➢Via de administração
➢Apresentação e/ou forma farmacêutica
➢Reconstituição/Diluição
➢Estabilidade
➢Tempo de infusão
➢ Interações e incompatibilidades medicamentosas
➢Medicamentos prescritos por sonda
Interação fármaco-fármaco
Interação fármaco-fármaco
Interação fármaco-nutriente
Incompatibilidade medicamentosa
Casos Clínicos:
Caso Clínico
Uma mulher, com dislipidemia, grávida de 6 semanas 
apresenta uma prescrição de Atorvastatina 20mg 
diariamente. Sabe-se que as estatinas são contraindicadas 
na gravidez.
Caso Clínico
Uma mulher, com dislipidemia, grávida de 6 semanas 
apresenta uma prescrição de Atorvastatina 20mg 
diariamente. Sabe-se que as estatinas são contraindicadas 
na gravidez.
Trata-se de um PRM 5, pois o medicamento prescrito é 
necessário e efetivo para dislipidemia, entretanto 
apresenta uma insegurança não quantitativa na gravidez.
Caso Clínico
Uma criança com asma crônica persistente está sendo 
tratada com Nebulizador de Fenoterol. Você como 
farmacêutico sabe que o tratamento da asma crônica 
requer o uso de mais prevenção (por exemplo um 
corticosteróide).
Caso Clínico
Uma criança com asma crônica persistente está sendo 
tratada com Nebulizador de Fenoterol. Você como 
farmacêutico sabe que o tratamento da asma crônica 
requer o uso de mais prevenção (por exemplo um 
corticosteróide).
Trata-se de um PRM 1, pois o paciente não utiliza um 
medicamento que necessita.
Caso Clínico
Uma paciente que viaja para trabalhar mantém sua 
insulina no porta luvas do carro. Você sabe que a insulina 
não é estável em alta temperatura, havendo perda de 
efetividade.
Caso Clínico
Uma paciente que viaja para trabalhar mantém sua 
insulina no porta luvas do carro. Você sabe que a insulina 
não é estável em alta temperatura, havendo perda de 
efetividade.
Trata-se de um PRM 4, pois o medicamento é necessário, 
mas o mal armazenamento provoca uma degradação do 
princípio ativo, sendo responsável pela inefetividade 
quantitativa.
Caso Clínico
Um paciente com dislipidemia toma sinvastatina 80mg 
(dose máxima) por dia e permanece com colesterol 
elevado. Uma contagem dos comprimidos sugere que ele 
toma o medicamento de acordo com a prescrição, mas é 
ineficaz.
Caso Clínico
Um paciente com dislipidemia toma sinvastatina 80mg 
(dose máxima) por dia e permanece com colesterol 
elevado. Uma contagem dos comprimidos sugere que ele 
toma o medicamento de acordo com a prescrição, mas é 
ineficaz.
O medicamento é necessário e está sendo utilizado 
corretamente na dose máxima, trata-se portanto de um 
PRM 3, pois está ocorrendo um inefetividade não 
quantitativa do medicamento.
Casos Clínicos
1. Paciente com prescrição de Metoclopramida, medicamento não
padronizado na instituição, portanto, apresentando o risco de não utilização
de um medicamento necessário. PRM1
2. Paciente, em hemodiálise, com prescrição de Levofloxacino sem ajuste de
dose para função renal. PRM 6
3. Paciente com prescrição de Pantoprazol endovenoso e por via oral,
caracterizando uma duplicidade terapêutica. O paciente chegou a fazer uso
dos dois medicamentos no mesmo dia PRM 2; PRM 6
4. Paciente em uso de Quetiapina e Escitalopram. Foram checadas as
interações entre os medicamentos em uso e verificado o risco de interação
grave, com prolongamento do intervalo QT, entre esses medicamentos.
PRM 5
5. Paciente em uso de Valproato de Sódio para controle de crises convulsivas,
sem apresentar melhora. Foram checadas as interações entre os
medicamentos em uso e verificado o risco de interação moderada entre
Meropenem e Valproato de Sódio com diminuição do nível sérico do
Valproato de Sódio. PRM 4
OBRIGADA!

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.