Resumo de Endocrinologia A2 - FCMSJF
26 pág.

Resumo de Endocrinologia A2 - FCMSJF


DisciplinaEndocrinologia1.117 materiais3.557 seguidores
Pré-visualização6 páginas
1 
 
1 
Resumo de Endocrinologia \u2013 A2 
Lucas Silva \u2013 FCMSJF 1/2019 
 
Aula 1 \u2013 Obesidade, Dislipidemia e Síndrome Metabólica 
 
Obesidade 
1.0 Introdução -- Obesidade 
- A obesidade é uma epidemia mundial: 
o 603 milhões de adultos obesos \u2013 prevalência dobrou entre 1980 \u2013 2015 
o 2/3 dos obesos morrem por doenças cardiovasculares 
o Em 2015, havia 107 milhões de crianças obesas; 
- Doença Crônica e Grave 
- Alta taxa de Morbimortalidade 
- Etiologia Multifatorial 
- Excesso de tecido adiposo \u2013 classificada pelo IMC 
- Participa da gênese e/ou agravamento de várias comorbidades 
- Definição: 
o Excesso de tecido adiposo corporal = descontrole entre a ingesta 
alimentar e o gasto energético (80% metabolismo basal + 20% de 
atividades físicas diárias). 
o Diagnóstico \uf0e0 Feito pelo Índice de massa corporal (IMC ou BMI) e 
medida da cintura 
o IMC = Peso (kg)/(altura (m))2 
o Circunferência da cintura: maior relação com DCV (Doença 
cardiovascular) 
\uf0a7 \u2640 = 80 - 88 cm 
\uf0a7 \u2642 = 94 - 102 cm 
o IMC está relacionado com a mortalidade; 
2.0 Etiologia 
- Sociocultural; 
- Susceptibilidade genética (30%); 
- Regulação metabólica; 
- Ambiente; 
- Comportamento 
Obeso Saudável x Não-saudável 
- Saudável (metabolicamente) \uf0e0 sem diabetes, sem DCV; sem dislipidemia; 
o O acúmulo de gordura é mais subcutâneo 
o De 30-40% torna-se não saudável em 6 anos 
- Não-saudável\uf0e0acúmulo de gordura visceral e presença de comorbidades; 
3.0 IMC 
- Abaixo de 18,5 \uf0e0 baixo peso, mas abaixo de 16,5 está associado a patologias 
graves; 
- Entre 30 e 39,9 caracteriza obesidade e acima de 40, obesidade mórbida; 
 
2 
 
2 
4.0 Comorbidades 
- Hipertensão arterial sistêmica, doenças cardiovasculares; 
- Câncer, depressão, artralgia, doenças do TGI, apneia do sono, diabetes, 
dislipidemias; 
5.0 Tratamento 
- É um tratamento complexo e multidisciplinar; 
- Envolve dieta, exercícios, terapia cognitiva comportamental, tratamento 
medicamentoso, tratamento cirúrgico \uf0e0 nenhum tratamento para a obesidade 
deixa de envolver mudanças no estilo de vida; 
- Mudança no estilo de vida é difícil e difícil de manter a longo prazo. É 
necessário fazer seguimentos a longo prazo \uf0e0 2 a 3 anos 
- Diferença entre Atividade Física e Exercício físico: 
o Atividade física\uf0e0 é o que é feito ao longo do dia como caminhar, subir 
escadas (acima de 10 minutos); 
o Exercício físico \uf0e0é programado. O indivíduo sai para caminhar, malhar, 
etc (150 minutos por semana se for leve/moderado e 75 minutos por 
semana se for intenso); 
- 56% dos bebês tomam refrigerante frequentemente antes do primeiro ano de 
vida; 
- Dieta*Importante* 
o 20-30% gordura; 
o 45-55% carboidratos; 
o 15-20% proteína; 
\uf0a7 Totalizando de 1000 a 1500 kcal/dia para mulheres e de 1200 a 
1800 kcal/dia para homens; 
- Valor Energético Total (VET) 
o É o que mede o gasto metabólico; 
o VET = ((Alt(cm) \u2013 100) \u2013 biotipo%) x AF 
\uf0a7 Biotipo: longilíneo (5%); normolíneo (10%); brevilíneo (15%); 
\uf0a7 AF \uf0e0 grau de atividade física (sedentário, leve/moderado, 
intenso); 
\uf0a7 Indivíduos magros tem auto-regulação de apetite boa; 
5.1 Dieta 
- Dieta do Mediterrâneo \uf0e0Demonstrou capacidade de reduzir peso e incidência de 
DCV; 
- Jejum intermitente\uf0e0 não pode compensar no momento da refeição. É contraindicada 
em casos de transtornos alimentares. Provoca acidose; 
5.2 Intervenção medicamentosa 
- Critérios: 
o 1) IMC \u2265 30 kg/m2ou2) >25 ou 27 kg/m2 na presença de comorbidades 
o 3) Falha em perder peso com o tratamento não farmacológico 
- Critérios de sucesso terapêutico: 
o Habilidade de atingir e manter uma perda de peso clinicamente ÚTIL 
o Meta inicial: Perda de 5 a 10 % nos primeiros 6 meses\uf0e0 a partir de 10% já 
melhora muito a condição metabólica 
 
3 
 
3 
Tipos de Fármacos 
- Análogos de GLP1 
o Liraglutida (Saxenda®): 
\uf0a7 Tem atividade periférica e central (diminuindo o apetite) 
\uf0a7 Diminuindo a carga de trabalho das células \u3b2 e melhorando a 
resposta das células \u3b2, o GLP-1 é um importante regulador da 
hemóstase da glicose. 
\uf0a7 Após a ingestão de alimentos, o GLP-1 é secretado na circulação. 
\uf0a7 O GLP-1 aumenta a resposta das células \u3b2 intensificando a 
secreção de insulina dependente da glicose. 
\uf0a7 Dose: 03 mg/dia - Subcutâneo 
\uf0a7 Efeitos colaterais: 
\uf0b7 Nauseas 
\uf0b7 Azia 
\uf0b7 Refluxo gastroesofágico 
- Anorexígenos 
o Tem efeito central 
o São inibidores da recaptação da serotonina e/ou noradrenalina 
o Noradrenérgicos:Dietilpropiona, Fenproporex, Mazindol 
o Noradrenérgicos e serotoninérgicos:sibutramina \uf0e0 contraindicada em 
pacientes com alto risco de DCV, diabetes (mais um fator de risco) ou 
doenças cerebrovasculares; 
o Serotoninérgicos: locarserina; 
- Fármacos que afetam a absorção 
o Orlistate 
- Medicamentos Off-label (não são aprovados para tratar obesidade) 
o Fluoxetina: ajuda na compulsão (perda de peso nos 3 primeiros meses 
apenas) 
o Topiramato: aumenta a sensibiliadde a lectina 
o Bupropiona +naltrexona: não tem no brasil \uf0e0 perda de peso 
o Lisdexanfetamina: transtornos alimentares, ajuda na compulsão. Não 
deve ser usado em paciente em mania; 
Tratamento farmacológico 
- Indicações: 
o Resposta inadequada ao tratamento clínico por no mínimo de 2 anos. 
o IMC: 35 a 40 kg/m2 associado a comorbidades 
o IMC: > 40 kg/m2 
- Restritivos: 
o Balão gástrico \u2013 EDA 
o Gastrectomia Vertical (Sleeve ou Cirugia Metabólica) 
- Restritivos-disabsortivos: 
o Gastroplastia com derivação intestinal em Y de Roux 
o Duodenal Switch 
 
 
4 
 
4 
- Cirurgia metabólica: 
o É a mais utilizada \uf0e0 indicada para pacientes com DM2 de difícil 
controle com sobrepeso ou obesidade 
o BRASIL: indicações tradicionais 
\uf0a7 IMC \u2265 40 kg / M2 / sc 
\uf0a7 IMC \u2265 35 kg / M2 / sc com comorbidades de difícil controle 
Considerações importantes 
- Verificar sempre as comorbidades mais frequentes como: 
o DM: glicemia 
o Dislipidemia (DLP): lípedes, transaminases 
o HAS 
o Outras doenças de acordo com os achados clínicos: TSH, cortisol... 
 
Dislipidemias 
1.0 Introdução \u2013 Dislipidemias 
- O excesso de lípides é resultado do acúmulo de uma ou mais classes de 
lipoproteínas em razão da menor remoção do plasma, da maior produção ou da 
associação de ambas; 
- Lipoproteínas são agregados de moléculas com conteúdo hidrofóbico no seu 
interior (colesterol esterificado e triglicérides, vitaminas lipossolúveis) e com 
moléculas periféricas menos hidrofóbicas (fosfolípides e colesterol não 
esterificado) \uf0e0 servem para carregar moléculas hidrofóbicas (como lipídios no 
sangue); 
o As liproteínas tem proteínas chamadas Apolipoproteínas em meio aos 
lipídeos, que são importantes no transporte dessas lipoproteínas. Por isso, 
são também importantes na patogênese das dislipidemias; 
2.0 Tipos de Dislipidemia 
a) Hipercolesterolemia (Aumento do LDL): 
1. Primárias: A familiar é a mais comum, relacionada com a 
Apolipoproteina B 
2. Secundárias:Hipotireoidismo, síndrome nefrótica; 
b) Mistas (Aumento do LDL e Triglicérides): 
1. Primárias: Hiperlipidemia familiar combinada; 
2. Secundárias: Hipotireoidismo 
c) Hipertrigliceridemia: 
1. Primária: Familiar: 
2. Secundária: Diabetes, estrogênio (anticoncepcional), 
d) Relacionadas ao HDL 
1. Primária \uf0e0Mutações em APOA1 ou ACA1; 
 
 
 
 
 
5 
 
5 
3.0 Diretriz Brasileira atualizada em 2017 
 
 
4.0 Categorias de Risco 
- Risco Muito alto: 
o Doença aterosclerótica significativa com ou sem evento clínico ou 
obstrução \u2265 50% em qualquer território arterial 
\uf0a7 Coronária 
\uf0a7 Cerebrovascular 
\uf0a7 Vascular periférica 
- Risco Alto 
o Portador de aterosclerose na forma subclínica documentada: 
\uf0a7 USG de carótida com placa; 
\uf0a7 Índice tornozelo-braquial < 0,9 
\uf0a7 angioCT de coronárias 
o Aneurisma de aorta abdominal 
o DRC (TFG<60