gestao_financeira_-_etapa_2
26 pág.

gestao_financeira_-_etapa_2


DisciplinaMatemática Financeira47.247 materiais1.346.412 seguidores
Pré-visualização5 páginas
TEMA: MODELOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE
INVESTIMENTOS
GESTÃO
FINANCEIRA
GESTÃO
FINANCEIRA
Todos os direitos reservados à Editora Grupo UNIASSELVI - Uma empresa do Grupo UNIASSELVI
Fone/Fax: (47) 3281-9000/ 3281-9090
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2011.
Proibida a reprodução total ou parcial da obra de acordo com a Lei 9.610/98.
Rodovia BR 470, km 71, n° 1.040, Bairro Benedito
Caixa postal n° 191 - CEP: 89.130-000. lndaial-SC
Fone: (0xx47) 3281-9000/3281-9090
Home-page: www.uniasselvi.com.br
GESTÃO FINANCEIRA
Centro Universitário Leonardo da Vinci
Conteudista
Adrian Dambrowski
Conteudista
Reitor da UNIASSELVI
Prof. Hermínio Kloch
Pró-Reitora de Graduação a Distância
Prof.ª Francieli Stano Torres
Pró-Reitor Operacional de Ensino Graduação a Distância
Prof. Hermínio Kloch
Diagramação e Capa
Eloisa Amanda Rodrigues
Revisão:
Nélson Dellagiustina
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
1Modelos de Avaliação de Projetos de Investimentos
1 INTRODUÇÃO
O principal objetivo da gestão empresarial é aumentar a riqueza dos 
proprietários do capital por meio da elevação do valor da empresa. Uma das 
atividades mais complicadas para se atingir este objetivo é a avaliação de 
novos projetos de investimento. Os gestores responsáveis pelas tomadas 
de decisões, no que tange à escolha da oportunidade de investimento de 
capital que melhor atenda a esse objetivo, frequentemente encontram 
inúmeras di\ufb01 culdades para escolher o melhor projeto, pois grande parte 
das alternativas de investimento difere no tempo, o que torna mais difícil a 
comparação entre elas.
Para auxiliar a melhor escolha, a ciência da gestão \ufb01 nanceira desenvolveu 
técnicas e ferramentas para auxiliar e fundamentar as tomadas de decisões 
tais como: o VPL (Valor Presente Líquido), o Payback (tempo de retorno do 
investimento) e a TIR (Taxa Interna de Retorno) que veremos mais adiante. Porém 
ainda existem problemas que envolvem os cálculos destas técnicas, pois se sabe 
que existem outros fatores que afetam os resultados no decorrer do prazo do 
projeto, trazendo assim alto grau de incerteza em relação à escolha.
2 INVESTIMENTO
O termo investimento, no contexto das \ufb01 nanças, pode ser de\ufb01 nido como 
um sacrifício no tempo presente com o objetivo de se obter benefícios \ufb01 nanceiros 
no futuro. No enfoque das \ufb01 nanças, podemos dizer que tanto os sacrifícios quanto 
os benefícios futuros dizem respeito a \ufb02 uxos de caixa, sejam eles negativos 
(investimentos e demais gastos e despesas) ou positivos (receitas) gerados pelo 
investimento.
Os investimentos podem ser classi\ufb01 cados em duas naturezas distintas:
\u2022 Investimento financeiro refere-se a compras de títulos \ufb01 nanceiros e valores 
mobiliários. A gestão \ufb01 nanceira prevê que dinheiro parado perde o seu valor. Para 
rentabilizar um capital disponível, uma das opções é realizar um investimento 
\ufb01 nanceiro, ou seja, aplicar o recurso em um investimento \ufb01 nanceiro, que pode ter 
uma expectativa de rendimento de curto, médio ou de longo prazo, conforme o 
grau de risco que o investidor pretende correr.
\u2022 Investimento de capital diz respeito à aplicação de recursos em ativos vinculados 
a um processo produtivo. A análise das opções de investimento de capital pode ser 
denominada de projetos de investimentos. Para Menezes (2001), investimento diz 
respeito à aplicação de capital em meios de produção, com o objetivo de aumentar 
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
2 Gestão Financeira
a capacidade produtiva isto é, em bens de capital, tais como instalações, máquinas, 
veículos, infraestrutura, entre outros. O investimento produtivo ocorre quando a 
taxa de retorno sobre o capital se apresenta maior ou igual à taxa de algum outro 
investimento comparado (normalmente investimentos \ufb01 nanceiros), ou que os lucros 
sejam maiores ou iguais ao capital investido.
Para que possamos realizar uma análise de estimativas futuras de \ufb02 uxo de 
caixa, precisamos \ufb01 car atentos a dois fatores:
\u2022 A de\ufb01 nição do horizonte de análise a ser utilizado.
\u2022 A projeção dos \ufb02 uxos de caixa futuros.
Para Casarotto e Koppitke (2000), são três os elementos principais para a 
realização dessa tarefa:
\u2022 Investimento inicial, que compreende todos os gastos necessários para a 
instalação do empreendimento. O investimento inicial é valor monetário necessário 
para começar as operações do empreendimento, tais como investimentos em 
máquinas, equipamentos, móveis e utensílios. Além desses gastos, também será 
preciso projetar os recursos disponíveis, que o empreendimento vai precisar para 
suprir as necessidades de \ufb02 uxo de caixa. Estamos tratando de recursos \ufb01 nanceiros 
necessários mensalmente para que se cumpram os compromissos.
\u2022 Fluxos de caixa incrementais ao longo da vida do projeto, que se resumem em 
uma escala horizontal com os períodos de tempo onde são representadas com 
setas para cima (\ufb02 uxo positivo) as entradas e com setas para baixo (\ufb02 uxo negativo) 
as saídas de caixa. Trata-se da diferença apurada entre os \ufb02 uxos de caixa (positivos 
e negativos) associados ao empreendimento.
\u2022 Taxa mínima de atratividade representada por uma taxa mínima de retorno que o 
investidor pretende ganhar ao realizar um investimento, formada a partir do custo 
de oportunidade (remuneração obtida em outras alternativas, tais como caderneta 
de poupança, fundos de investimentos ou outras formas de depósitos a prazo); do 
risco do negócio e da liquidez (capacidade em transformar o empreendimento em 
capital monetário).
Desta forma, normalmente esses parâmetros são medidos pelo Payback 
(prazo de retorno do investimento inicial), pela TIR (Taxa Interna de Retorno) e/ou 
pelo VPL (Valor Presente Líquido). (CASAROTTO; KOPPITKE, 2000).
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
3Modelos de Avaliação de Projetos de Investimentos
3 ANÁLISE DE INVESTIMENTOS
Geralmente as pessoas desejam ganhar dinheiro para gastá-lo em seu benefício, 
e se elas economizam esse dinheiro ganho, normalmente o fazem para gastar no 
futuro. O desejo pelo consumo no presente é mais corriqueiro que o consumo futuro, 
e isso ocorre porque o futuro é muito incerto. Por isso para que alguém abra mão 
do seu valor presente, para gastá-lo apenas no futuro, se faz necessário que este 
obtenha alguma recompensa por isso, tal como juros de rendimentos de caderneta 
de poupança, ou de qualquer outro tipo de ativo \ufb01 nanceiro.
Mas existem consumidores que realmente necessitam desse capital no 
presente, e que estão dispostos a reembolsar no futuro mais do que o valor que 
tomaram. Estes podem investir o capital na geração de negócios para criar lucros 
que esperam ser su\ufb01 ciente para reembolsar àqueles que os emprestou acrescido dos 
juros. Podem tomar capital emprestado por diversos motivos, mas sempre esperam 
que renda su\ufb01 ciente no futuro para reembolsar o principal e os juros. Isto é chamado 
de valor do dinheiro no tempo. Saber aplicar o conceito de valor do dinheiro no 
tempo é essencial, pois é ele quem vai determinar a análise das alternativas de 
investimentos.
A di\ufb01 culdade principal encontrada na análise de investimentos trata da 
obtenção de dados e informações con\ufb01 áveis, principalmente no que tange às 
projeções de entradas de caixa, que ocorrem basicamente das estimativas de vendas. 
Se as estimativas dos dados do investimento forem imprecisas, recomenda-se que 
a tarefa utilize as ferramentas que anteriormente foram elaboradas para auxiliar a 
decisão.
Então, para analisar os investimentos utilizaremos os seguintes indicadores:
\u2022 Taxa Mínima de Atratividade.
\u2022 Valor Presente Líquido.
\u2022 Payback Simples.
\u2022 Payback Descontado.
3.1 TAXA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE (TMA)
O valor do dinheiro no tempo para cada empreendimento é 
representado