NUTRIÇÃO BÁSICA- CARBOIDRATOS-AULA 3- FIBRAS
23 pág.

NUTRIÇÃO BÁSICA- CARBOIDRATOS-AULA 3- FIBRAS


DisciplinaNutrição Básica I17 materiais97 seguidores
Pré-visualização2 páginas
NUTRIÇÃO BÁSICA
CARBOIDRATOS- AULA 3- METABOLISMO E FIBRAS
Profa. Dra. Mariana Gonçalves
Ciclo do ácido cítrico
\u2022 As moléculas de piruvato resultantes da degradação da glicose penetram no 
interior das mitocôndrias, onde ocorrerá a respiração propriamente dita. 
Cada piruvato reage com uma molécula de coenzima A, originando três tipos 
de produtos: acetil-coenzima A, gás carbônico e hidrogênios. 
\u2022 Em seguida, cada molécula de acetil-CoA reage com uma molécula de 
oxalacetato (ácido oxalacético), resultando em citrato (ácido cítrico) e 
coenzima A (CoA). 
\u2022 A CoA (2C) contribui para anexar um grupo acetil ao oxalacetato (4C), 
sintetizando o ácido cítrico (6C). \u2028
Cada ácido cítrico passará, em seguida, por uma via metabólica cíclica, 
denominada ciclo do ácido cítrico ou ciclo de Krebs, durante o qual se 
transforma sucessivamente em outros compostos. 
\u2022 Os oito hidrogênios liberados no ciclo de Krebs reagem com duas substâncias 
aceptoras de hidrogênio, o NAD e o FAD, que os conduzirão até as cadeias 
respiratórias, onde fornecerão energia para a síntese de ATP. No próprio ciclo 
ocorre, para cada acetil que reage, a formação de uma molécula de ATP.
PIRUVATO
Composta por um nucleótido (o 
difosfato de adenosina - ADP), uma 
vitamina (a B5- ácido pantotênico) e um 
aminoácido (cisteína)
Nas reações de oxalato a citrato, de cetoglutarato a succinil-coA, de fumarato a 
malato há necessidade de ÁGUA!!
Niacina 
Riboflavina 
Cadeia respiratória
\u2022 As moléculas de NAD, FAD e dos citocromos que participam da cadeia 
respiratória captam hidrogênios e os transferem, através de reações que 
liberam energia, para um aceptor seguinte. Os aceptores de hidrogênio 
que fazem parte da cadeia respiratória estão dispostos em sequência na 
parede interna da mitocôndria. 
\u2022 Se os hidrogênios liberados na degradação das moléculas orgânicas se 
combinassem direta e imediatamente com o O2, haveria perda de 
enorme quantidade de energia em forma de calor, impossível de ser 
utilizada. A transferência gradual de energia via citocromos permite a 
liberação gradual de energia. Liberada em pequenas quantidades, a 
energia pode ser, então, utilizada na síntese de moléculas de ATP, a 
partir de ADP e fosfatos.
Os citocromos contém FERRO
FIBRAS\u2028
Definições de fibra alimentar
\u2022 \u201cÉ a parte comestível das plantas ou carboidratos análogos 
que são resistentes à digestão e absorção no intestino 
delgado de humanos com fermentação completa ou parcial 
no intestino grosso.\u201d 
Associação Americana de Químicos de Cereais
» Fibras dietéticas: CHO não digeríveis 
» Fibras funcionais: CHO não digeríveis (isolados), que 
exercem efeitos fisiológicos importantes 
» Fibras totais: somatório das fibras dietéticas e funcionais
\u2022 As fibras alimentares derivam-se principalmente de 
parede celular e de estruturas intercelulares dos 
vegetais, frutos e sementes, estando associadas a 
outras substâncias como proteínas, compostos 
inorgânicos (oxalatos, fitatos, lignina e substâncias 
fenólicas de baixo peso molecular). 
\u2022 Alimento in natura,integral, cru X processamento, 
cozimento.
Efeitos benéficos observados: 
\u2022 Laxação 
\u2022 Atenuação de colesterol plasmático 
\u2022 Atenuação de glicose sanguínea Alimento Funcional !
Alimento funcional: \u201cTodo aquele alimento ou ingrediente que, além das funções 
nutricionais básicas, quando consumido como parte da dieta usual, produz efeitos metabólicos 
e/ou fisiológicos e/ou efeitos benéficos à saúde, devendo ser seguro para consumo sem 
supervisão médica\u201d. 
Anvisa
Prebióticos
\u2022 Prebióticos são ingredientes alimentares que não são 
digeridos mas que são fermentados no cólon e afetam de 
maneira benéfica, estimulando, seletivamente, o crescimento 
e/ou atividade de bactérias do cólon. 
\u2022 Determinadas frações de fibras ( amido resistente, inulina, 
oligofrutose), estimulam o crescimento de bactérias benéficas, 
especialmente bifidobactérias e lactobacilos.
PROBIÓTICOS: são microrganismos vivos, administrados em 
quantidades adequadas, que conferem benefícios à saúde do 
hospedeiro
12
AGCC
\u2022 Ácidos graxos de cadeia curta (AGCC) são ácidos graxos orgânicos, contendo de um a seis 
átomos de carbono. São produzidos por meio da fermentação de fibras realizada por bactérias 
anaeróbicas, principalmente dos gêneros Bifidobacterium e Lactobacillus, presentes no intestino 
grosso. 
\u2022 O crescimento dessas bactérias é, portanto, benéfico para a saúde intestinal e, ao mesmo 
tempo, inibe o crescimento de bactérias patogênicas. Dessa maneira, a composição da dieta 
influencia diretamente a produção dos AGCC. Os AGCC produzidos em maior abundância são o 
acetato, o propionato e o butirato. 
\u2022 O aumento da concentração de AGCC também pode trazer efeitos benéficos para os sintomas 
da constipação. Isso porque esses ácidos graxos são capazes de aumentar o volume fecal e 
reduzir o tempo de trânsito intestinal. 
\u2022 Além disso, os AGCC são rapidamente absorvidos e oxidados pelos colonócitos (células do 
cólon), suprindo em aproximadamente 60% a 70% das necessidades energéticas destas células. 
Assim, a disponibilidade de AGCC preserva, por exemplo, os estoques de glutamina, aminoácido 
considerado como combustível para os enterócitos. 
\u2022 Outra vantagem é o estímulo à proliferação celular do epitélio, do fluxo sangüíneo visceral e 
aumento da absorção de água e sódio.
13
Benefícios dos prebióticos
Os prebióticos podem apresentar funções importantes no 
trato gastrointestinal como: 
- estimular crescimento flora saudável \u2028
- favorecer a imunidade\u2028
- atuar na prevenção da diarréia patogênica e constipação\u2028
- diminuir metabólitos tóxicos no cólon\u2028
- reduzir o colesterol sérico \u2028
- favorecer a absorção e produção de nutrientes\u2028
- melhorar a tolerância à lactose
14
Classificação das fibras
 São classificadas pela capacidade de dissolução em 
água. Podem ser: 
\u2022 Solúveis (frutas, aveia, cevada, as leguminosas - 
lentilha, feijão, grão-de-bico, ervilha) e as hortaliças 
\u2022 Insolúveis (camadas externas de grãos de cereais 
integrais: trigo, milho e vegetais folhosos como as 
hortaliças)
As pectinas, gomas, mucilagens, e algumas hemiceluloses dissolvem-se em água e por isso 
são denominadas de fibras solúveis. 
A celulose, maior parte das hemiceluloses e a lignina (não se dissolvem em água): fibras 
insolúveis.
Obtenção de Fibras industrialmente
Fibras no trato gastrointestinal
\u2022 Atuam ao longo do TGI desde a ingestão até a excreção 
\u2022 O do tempo da mastigação induz do fluxo do suco gástrico. 
\u2022 A Fibra hidratada pela saliva resulta em do volume do 
conteúdo estomacal, acelerando e mantendo por mais tempo a 
sensação de saciedade. 
\u2022 Polissacarídeos que produzem géis (pectinas e goma-guar) 
além de a viscosidade do conteúdo estomacal provocam 
retardo no esvaziamento gástrico, aumentando a saciedade.
\u2022 Fibras estimulam o trânsito do quimo ao longo do intestino 
delgado 
\u2022 Relação direta entre o conteúdo de fibras na dieta e a 
velocidade na qual os nutrientes são deslocados ao longo do 
TGI 
\u2022 Celulose acelera a velocidade do quimo pelo tubo digestivo ! 
solução para constipação?
\u2022 Fibras estimulam proliferação celular na mucosa intestinal 
\u2022 CHO não digeridos no intestino delgado são fermentados pelas 
b a c t é r i a s d o c ó l o n , p r o d u z i n d o g a s e s , á c i d o s 
orgânicos( fumarato, lactato, succinato) e ácidos graxos de 
cadeia curta (AGCC-acetato, propionato e butirato) 
\u2022 Velocidade do trânsito intestinal: volume tempo 
\u2022 Elevada massa fecal provoca estímulo da motilidade da parede 
do cólon
Colesterol e Fibras
\u2022 Efeito benéfico pode ser atribuído a reabsorção de ácidos 
biliares (após sua desconjugação pelas bactérias intestinais) 
sendo excretado