A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
PCC Educação Especial

Pré-visualização | Página 1 de 2

EDUCAÇÃO ESPECIAL 
PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (PCC) 
PESQUISA E ANÁLISE DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA ESCOLA 
INCLUSIVA 
 
 
ACADÊMICO: Giovanna Martins Boteri 
MATRÍCULA: 201907352971 
CURSO: Pedagogia 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
BELO HORIZONTE /MG 
NOVEMBRO/2019 
 
 
 INTRODUÇÃO 
 
 
 Este trabalho tem por finalidade a proposta de Pratica como Componente Curricular, 
realizado na Escola de Educação Infantil Criativa Idade, situada na Cidade de Belo 
Horizonte/MG, nos dias 13 e 14 de Novembro de 2019. 
 
 A escola atende Educação Infantil de 0 (zero) meses a 6 (seis) anos, possui acessibilidade 
em seu espaço físico e uma brinquedoteca multifuncional. 
 
 A professora observada/entrevistada chama-se Luciana Leite, possui nível superior 
completo (Pedagogia) e sua auxiliar chama-se Débora (estagiária), possui o curso de 
Capacitação de Apoio a Educação Infantil e cursa atualmente o 7º período de Pedagogia. 
 
 Foi observado uma turma de maternal III, um aluno sobrevivente de trigêmeos, como 
nasceu prematuro, ficou com algumas sequelas, se chama Apraxia, uma desordem 
neurológica que afeta sua locomoção, a sua área motora, possui dificuldades como por 
exemplo, na pega do lápis e na fala. 
 
 
 OBJETIVOS 
 
 
 A observação teve como objetivo analisar a rotina de um aluno com deficiência, como as 
atividades eram realizadas, a formação dos profissionais disponibilizados para trabalhar com a 
criança, como era a locomoção do mesmo nas dependências da escola e como eram adaptadas 
as atividades para que a criança pudesse acompanhar sua turma. 
 
 
 ROTEIRO DA ENTREVISTA 
 
 
01. Qual a formação da Professora? 
A professora possui nível superior completo em Pedagogia. 
 
02. Qual a formação da sua auxiliar de turma? 
 Sua auxiliar é estagiária na escola, possui o curso de Capacitação de Apoio a Educação 
Infantil, cursa atualmente o 7º período de Pedagogia. 
 
03. Quais são as características e necessidades que o aluno incluído na turma 
apresenta? 
 O aluno é sobrevivente de trigêmeos, como nasceu prematuro, ficou com algumas 
sequelas, se chama Apraxia, uma desordem neurológica que afeta sua locomoção, a sua 
área motora, possui dificuldades como por exemplo, na pega do lápis e na fala. Ele 
apresenta problemas de concentração, não consegue ficar por muito tempo sentado em 
lugar algum e consegue exercer poucas atividades. 
 
04. Como é feitas as atividades no planejamento de aula? 
 O planejamento das atividades é feito de acordo com a necessidade do aluno, 
conforme suas habilidades vão evoluindo ao longo do tempo na escola, encaixando os 
demais alunos em atividades que geram desafios tanto para eles e para o aluno necessitado 
de mais atenção. 
 
 
05. Quanto as necessidades pedagógicas do aluno, a escola atende aos recursos 
pedagógicos? 
 Embora a escola não tenha muitos alunos com algum tipo de deficiência, toda ela foi 
planejada de uma forma que permite a acessibilidade de todos, todos os ambientes são 
acessados por rampas, os corredores são largos e em todos os banheiros possuem os 
padrões necessários. O aluno é avaliado por meio de um relatório semestral e uma ficha, 
assim como os outros alunos. As atividades que são propostas, são adaptadas de forma 
cuidadosa ao aluno. A escola possui um vasto acervo pedagógico de jogos coloridos, 
alfabetos móveis, jogos lógicos de montar e biblioteca adaptável para a idade dos alunos. 
 
06. A escola possui e disponibiliza os recursos para que a professora possa adaptar as 
atividades? 
 A escola possui diversos recursos e disponibiliza para que a professora possa trabalhar 
em conjunto com a turma e o aluno incluído. 
 
07. Consegue realizar todas as atividades com a participação de toda a turma? 
 Em alguns momentos não, pois o aluno tem problemas na coordenação motora, 
dificuldade na fala e de movimentar, porém a professora com a ajuda de sua estagiária 
tenta encaixar sempre o aluno a todas as atividades, mesmo com todas as dificuldades e 
desafio para adaptação. 
 
08. Ocorrem às parcerias entre a família, professor, aluno e escola? 
 Sim, a escola se mostra muito perceptiva e entende que deve ter uma harmonia e 
parceria entre escola, professor, família e aluno para que haja uma educação efetiva para a 
criança, tratando a família como base de aprendizado e educação infantil. A escola propõe 
vários eventos onde os pais e familiares participam e interagem no ambiente escolar. 
 
09. Qual o maior desafio do professor quanto a inclusão nas escolas? 
 Acredito que o maior desafio é a adaptação e a adequação dos professores com o aluno 
necessitado, tanto em incluir o aluno no ambiente dentro de sala de aula e em planejar um 
plano curricular pedagógico onde o aluno necessitado se adeque e não atrapalhe os demais 
companheiros de turma. 
 
 
 RELATÓRIO DA ATIVIDADE E CONCLUSÃO 
 
 Os conselhos escolares têm como função, analisar as questões político-pedagógicas, 
financeiras e administrativas dentro de um ambiente escolar, cabe ao conselho averiguar se a 
escola cumpre com suas finalidades e cumpre com seu papel de educar e assegurar um 
processo de aprendizagem significativo valorizando também a democracia e cidadania. 
 A observação teve como objetivo analisar a rotina de um aluno com deficiência, como as 
atividades eram realizadas, a formação dos profissionais disponibilizados para trabalhar com a 
criança, como era a locomoção do mesmo nas dependências da escola e como eram adaptadas 
as atividades para que a criança pudesse acompanhar sua turma. 
 Foi observado uma turma de maternal III, um aluno sobrevivente de trigêmeos, como 
nasceu prematuro, ficou com algumas sequelas, se chama Apraxia, uma desordem 
neurológica que afeta sua locomoção, a sua área motora, possui dificuldades como por 
exemplo, na pega do lápis e na fala. A professora se mostra muito atenta e disposta a 
compreender as necessidades do seu aluno, propondo sempre atividades que o inclui. O 
mesmo possui uma auxiliar que também mostra muito interesse pelo desenvolvimento, 
procurando sempre aprimorar seus conhecimentos sobre as dificuldades e necessidades que 
vão surgindo no decorrer do dia. Os profissionais sempre trabalham juntos, uma 
psicopedagoga acompanha semanalmente cada aluno e a mesma faz a ligação escola/ família. 
O aluno é avaliado por meio de um relatório semestral e uma ficha, assim como os outros 
alunos. As atividades que são propostas, são adaptadas de forma cuidadosa ao aluno. Embora 
a escola não tenha muitos alunos com algum tipo de deficiência, toda ela foi planejada de uma 
forma que permite a acessibilidade de todos, todos os ambientes são acessados por rampas, os 
corredores são largos e em todos os banheiros possuem os padrões necessários. 
 A escola, os professores e alunos se mostraram bem atentos e todos os pontos acima 
citados corresponderam e surpreenderam de forma positiva. 
 
 
 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 
 
FELIPE, Ferreira. Educação inclusiva: quais os pilares e o que a escola precisa fazer?. 
Disponível em: www.proesc.com/blog/educacao-inclusiva-o-que-a-escola-precisa-fazer. 
Acessado em 18/11/2019. 
LEANDRO, Rodrigues. O que é Educação Inclusiva? Um Passo a Passo para a Inclusão 
Escolar. Disponível em: institutoitard.com.br/o-que-e-educacao-inclusiva-um-passo-a-passo-
para-a-inclusao-escolar. Acessado em 18/11/2019. 
PORTAL, Educação. Educação especial e educação inclusiva: Qual a diferença?. Disponível