A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
BANCO P1 AMC(1)

Pré-visualização | Página 1 de 3

P1 – Anatomia Médico-Cirúrgica 
 
1. A incapacidade realizar a mirada lateral com o olho esquerdo permite o 
diagnóstico de uma disfunção de qual nervo? 
N. abducente 
 
2. Paciente com queixa de diplopia e estrabismo divergente. Se trata de lesão 
de qual nervo? Que outros achados encontramos? 
N. óculomotor. Esse nervo é responsável pela inervação de grande parte da 
musculatura extrínseca do olho, pálpebra superior e esfíncter da pupila. Logo, uma 
lesão desse nervo ainda podemos observar ptose palpebral, midríase e incapacidade 
de acomodação. 
 
3. Paciente relata que “pálpebra caiu” e se queixa de fotofobia. Qual nervo 
lesado? 
N. óculomotor. 
 
4. Explique a formação da imagem por meio da ultrarassonografia sob a 
óptica da Fisica, comente sobre as limitações deste método diagnóstico, citando 
3 órgãos cavitários para quais o método não é adequeado. 
A USG consiste na emissão de ondas sonoras com frequência conhecida, 
normalmente de 2- 14MHz emitido por um cristal pizoelétrico em um transdutor, esse 
mesmo transdutor capta os ecos transmitidos por essas ondas em contato com o órgão, 
que gera a imagem por captação gráfica, em tempo real do órgão a ser observado. É 
um exame limitado, pois, não atravessa bem o ar, e estruturas sólidas, não sendo 
indicado para órgãos ocos ou muito profundos, como aqueles revestidos por ossos. 
Exemplos de órgãos cavitários: esôfago, estômago e cólon. 
 
5. Cite 3 órgãos para os quais a ultrassonografia se constitui um exame de 
imagem ideal. 
Útero, bexiga, coração, mama... 
 
6. O que é o Efeito Doppler? Dê 3 aplicações clínicas 
O efeito doppler é uma mudança aparente de percepção de uma frequência de onda 
entre a fonte emissora e o observador. Quando as ondas estão se movendo no mesmo 
sentido do transdutor, a cor é vermelha, e quando as ondas estão em sentido oposto, a 
cor é azul. Com isso é possível criar mapas de fluxo sangúineo e avaliar, por exemplo, 
alterações de fluxo sanguíneo cardíaco, como por exemplo: Comunicação 
interventricular, estenose aórtica, regurgitação cardíaca... 
 
7. Cite as estruturas da silhueta cardíaca a esquerda. 
Arco aórtico, tronco pulmonar, aurícula esquerda e ventriculo esquerdo. 
 
8. Um paciente sofre acidente automobilístico com fratura supracondiliana do 
úmero direito, tratada cirurgicamente. Evolui no pós-operatório tardio com 
déficit motor e sensitivo. Explique e justifique o que você esperaria encontrar ao 
exame neurológico. 
O nervo mediano recebe contribuição de todas as raízes do plexo braquial. Uma fratura 
supracondiliana poderia causar lesão do N. Mediano. Ele inerva a loja anterior do 
antebraço e músculos intrínsecos na metade tenar da mão, além de ser responsável pela 
sensibilidade geral da superfície palmar do polegar, 2º e 3º dedos, porção lateral do 4º 
dedo e pontas dorsais desses mesmos dedos. Uma lesão do N. Mediano causaria danos 
em grande parte da musculatura anterior do antebraço e região tenar da mão, flexores 
superficiais dos dedos e flexor profundo de 2º e 3º dedos, perda da flexão das articulações 
interfalângicas do 1º ao 3º dedos e enfraquecimento da flexão dos 4º e 5º dedos. 
Promovendo um sinal da mão em benção quando o paciente tenta cerrar o punho. 
 
9. Ao sofrer um traumatismo que produz o movimento de abdução do joelho 
esquerdo, qual é a estrutura ligamentar mais provavelmente lesionada? 
Ligamento colateral medial. 
 
10. Jovem skatista, ao cair, sofre uma fratura transepicondiliana de úmero, que 
exames físicos podem ser feitos para análise lesional. 
Poderíamos fazer o teste de Fromment, testando o músculo adutor do polegar, inervado 
pelo N. Ulnar. Realizar a extensão da mão contra resistência para testar o N. Radial, e 
por fim, solicitação para fechar a mão para avaliação do N. Mediano. 
 
11. Diferencie angioplastia de endarterectomia 
Endarterectomia é a remoção cirúrgica do trombo juntamente com o endotélio, suturando 
a artéria para liberar o fluxo, ou seja, eliminar a placa de aterosclerose, por exemplo. Já 
a Angioplastia insere-se um fio guia no interior do vaso, passa-se um stent de metal auto-
expansível por ele e implanta o stent na área estenosada, para aumentar o fluxo naquele 
local, normalmente obstruído. 
Obs.: Catéter de Fogarty: Usa-se para retirada do trombo. O catéter entra na artéria que 
contem o trombo, ultrapassa esse tromo e a parte inflável do catéter é inflada e ao puxar 
o catéter, essa parte inflada puxa junto a ela o trombo, e este é retirado. 
 
12. Durante uma festa, um jovem escondeu uma taça de vidro dentro do bolso 
direito da sua calça social. Ao dançar em piso escorregadio. sofre uma queda, 
quebrando a taça e produzindo uma lesão produzida por ação cortoco-
contundente na região inguinal, com volumosa hemorragia. É levado 
rapidamente a um Hospital, onde é submetido a uma cirurgia de emergência para 
rafia da A. femoral. No pós-operatório, evolui com déficit neurológico, motor e 
sensitivo. Explique e justifique o que você esperaria encontrar ao exame 
neurológico. 
A artéria femoral passa na região inguinal, juntamente com o N. E V. Femoral. Durante 
o acidente ou a cirurgia, pode ter sido lesionado o N. Femoral, que inerva toda a loja 
anterior da coxa e tem importante relação com a movimentação da perna, sendo 
responsável pela adução do quadril, flexão da perna e extensão da coxa. Logo, o 
paciente com lesão do Femoral não consegue realizar esses movimentos. A marcha de 
um paciente com lesão de nervo femoral acontece com a rotação do quadril, O paciente 
realiza a marcha sustentando a articulação do joelho com a mão, pois não consegue 
estender a perna, nem flexionar a coxa, assim, precisa do apoio da mão para evitar a flexão 
da perna devido a astenia do quadríceps. A lesão ocorre com lesão direta, geralmente ao 
nível do ligamento inguinal. 
 
13. Um paciente de 28 anos, vitima de acidente automobilístico, é levado à Sala de 
Trauma e, entre outras fraturas, tem diagnosticada uma fratura de terço 
proximal da tíbia direita. Lúcido e orientado, é internado na UTI e no dia 
seguinte, a equipe da rotina observa que o paciente refere intensa dor na região. 
Ao exame, notam palidez da perna e pé e ausência do pulso tibial posterior, 
além de observarem parestesia e paralisia da musculatura distal ao 
traumatismo. Dê o diagnóstico mais provável c proponha o tratamento adequado 
de urgência. 
Síndrome compartimental aguda. O tratamento é a fasciotomia, para diminuir a pressão 
do membro. Obs.: Lembrar dos 5P’s: Pain (dor), Paresia, Paralisia, Palidez e Pulso 
(ausente) + tensão dentro do compartimento de fáscia. 
 
14. Conceitue a Síndrome do Túnel do Carpo. explicando os sintomas e achados 
ao exame físico relacionados. 
É uma síndrome causada pela compressão do nervo mediano ao nível do Túnel do 
Carpo, causada pelo aumento das estruturas que passam pelo túnel ou pelo seu 
espessamento. É comum em pessoas que realizam trabalho manual com movimentos 
repetidos e tem maior frequência em mulheres na faixa de 35 a 60 anos. Os sintomas 
mais frequentes são: dor (pior a noite, após uso exagerado das mãos durante o dia), 
choque, dormência, formigamento (todas restritas à área de inervação do mediano 
polegar, indicador e metade radial do anelar) e perda da destreza nas mãos, 
causando dificuldade de amarrar os sapatos, abotoar uma camisa e pegar objetos. O 
tratamento pode ser conservador, através de uso de antiinflamatórios, imobilização, 
fisioterapia e terapia com corticoides, ou cirúrgico, em casos mais graves ou 
refratários ao tratamento conservador, onde faz-se a incisão do ligamento carpal 
transverso palmar para aumentar o espaço para o N. Mediano. 
 
15. Explique o que é e dê a localização do ictus cordis – IC – em um paciente 
com coração normal. Qual foco de ausculta cardíaca está relacionado a esta 
localização? Qual modificação da localização do IC você esperaria encontrar em 
um paciente