A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
131 pág.
Manual Contabilidade de Gestão II

Pré-visualização | Página 26 de 26

119 
 
processo e misto. Caso haja produção por fases, devera se definir as fases 
em que se irão apurar os custos e, havendo produção conjunta, devera se 
indicar os critérios aplicáveis a estes casos para a repartição dos gastos 
conjuntos pelos produtos. 
 
 Mapas Para a Gestão 
Sabendo-se que os utilizadores da informação sobre o 
funcionamento interno da empresa são diversos responsáveis e a 
vários níveis de decisão, devem se elaborar mapas para responder 
as necessidades da gestão no que tange a informação para o 
planeamento, controle e tomada de decisão. A informação deve ser 
devidamente estruturada em jeito de pirâmides de informações, 
para atender as solicitações de cada gestor. 
 
Observadas estas etapas, se estará em condições de elaborar uma 
proposta para submeter a apreciação da Administração da 
organização, a qual decidira quais opções a seguir. Para tal, tornase 
desejável que os responsáveis das áreas mais importantes 
apresentem sugestões, por escrito ou em reuniões convocadas para 
esse efeito. 
É necessário ter presente que a Contabilidade Interna reflecte o 
funcionamento da empresa e, por essa razão, a sua implementação 
será sempre objecto de aperfeiçoamentos sucessivos para que se 
adeqúe cada vez mais ao cenário real e aos novos imperativos da 
conjuntura económica. 
 
 
 
Sumário 
Nesta unidade temática tratamos essencialmente das etapas a ser 
observadas na implantação de um sistema de contabilidade que atende as 
ISCED 
CURSO: CONTABILIDADE E AUDITORIA; 30 Ano Disciplina/Módulo: Contabilidade de Gestão II 
 
 120 
 
necessidades dos gestores no que tange a informação para efeito de 
planificação, controle e tomada de decisão. Note-se que cada etapa deve ser 
atendida rigorosamente como forma de garantir a eficiência e eficácia do 
sistema, sob pena de comprometer todo o sistema por falhas cometidas ou 
então por aspectos não considerados no acto da planificação ou na sua fase 
piloto, tendo em conta que o mesmo pode ser aprimorado aquando da sua 
implementação. 
 
 
Exercícios de Auto-Avaliação 
 
 
1. Como se designa o sistema cuja responsabilidade é processar 
informações de gastos, tendo em consideração as características da 
organização, e fornecer dados para auxiliar no planeamento, execução e 
controle dos custos de um produto ou serviço? 
2. Quais são as etapas da definição e implantação de um sistema de 
informação? 
3. Explique a segunda etapa da definição e implantação de um sistema de 
informação. 
 
Solução: 
1. Este sistema designa-se por sistema de custos. 
2. As etapas da definição e implementação de um sistema de 
informação são as seguintes: Conseguir apoio e 
envolvimento do Conselho de Administração; Preparar o 
Estudo; Arrancar o Estudo; Definir as Entidades 
Conceptuais; Definir os Processos da Organização; Definir as Classes 
de Dados 
ISCED 
CURSO: CONTABILIDADE E AUDITORIA; 30 Ano Disciplina/Módulo: Contabilidade de Gestão II 
 
 121 
 
3. A segunda etapa da definição e implantação de um sistema 
de informação tem a ver com recolha de toda a informação 
e documentação, para que se elabore de um diagnóstico de 
funcionamento da organização com base no sistema a ser 
concebido. 
 
 
 
 
UNIDADE Temática 6.3. Exercícios Deste Tema 
 
1. Qual é o problema mais grave na implantação de um sistema de custos? 
2. Utilizar de sistemas de custos pré-fabricados, que já se tenham 
submetidos a testes e em funcionamento noutras empresas, pode dar 
bons resultados, excepto quando as necessidades de informação pelos 
gestores forem diferentes. Comente a afirmação. 
3. Se as informações iniciais num sistema de custos forem de fraca 
qualidade poderão ser melhoradas aquando do seu processamento para 
a obtenção da informação final. Discuta. 
4. Quais são os aspectos essenciais em cada etapa de implantação da 
contabilidade analítica numa organização? 
5. Em que consiste a ultima etapa da implantação da contabilidade 
analítica? 
 
 
 
 
 
 
 
 
ISCED 
CURSO: CONTABILIDADE E AUDITORIA; 30 Ano Disciplina/Módulo: Contabilidade de Gestão II 
 
 122 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Referências Bibliográficas 
a) BENTO, José; José Fernandes Machado (2001) - Plano Oficial de 
Contabilidade, 24ª Edição, Porto Editora 
b) CAIADO, A.C.P., Contabilidade Analítica – Um instrumento para a 
Gestão, Rei dos Livros, 3ª edição, 1994; 
c) CAIADO, António C. Pires, Contabilidade Analítica e de Gestão, Áreas 
editora, 7ª edição, 2012; 
d) CASHIN, Joel L.; A. James (2001) – Contabilidade (1ª tradução para 
Português), McGraw-Hill 
DO NASCIMENTO, Jonilton Mendes, Custos, Planejamento, Controle e 
Gestão na Economia Globalizada, Atlas, 2ª edição, 2001. 
Garrison, Ray H. e Noreen, Eric W. (2000), Contabilidade Gerencial, 
(tradução da 9ª Edição), LTC Editora, Rio de Janeiro; 
LEONE,Maher, Contabilidade de Custos e Seus Conceitos Basicos, ILESE 
Editora, Lisboa, 2001. 
Garrison, Ray H.,Noreen, Eric W. e Brewer, Peter C. (2006),Managerial 
Accounting, 13thEdition, McGraw-Hill, Nova Iorque. 
HANSSEN, D. R., Mowen, M.M., Gestão de Custos, Contabilidade de 
Custos, Contabilidade e Controle, Pioneira, 2001; 
ROGERIO, De Moraes Silva, Contabilidade de Custos, AVM Instituto , São 
Paulo, 2007. 
ISCED 
CURSO: CONTABILIDADE E AUDITORIA; 30 Ano Disciplina/Módulo: Contabilidade de Gestão II 
 
 123 
 
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 7ª edição, São Paulo: Atlas, 
2000; 
MENDES, Júlio, Contabilidade Analítica e de Gestão – Gestão 
Orçamental, Plano de Contas, Plátano Editora, 1ª edição, 1996. 
PEREIRA, Carlos Caiano e Franco, Victor Seabra (2001), Contabilidade 
Analítica, 6ª Edição, Lisboa. 
NETO, Oscar Guimarães, Introdução e Conceitos de custos, Saraiva, 
2010. 
PEREIRA, Carlos Caiano; Victor Seabra Franco (1994)- Contabilidade 
Analítica, 6ª Edição, Editora Rei dos Livros, Lisboa . 
MARTINS, Eliseu, Contabilidade de Custos, Atlas SA. Lisboa, 2003. 
RAPIN, A. E J. Poly: Contabilidade Analítica e de Exploração .