A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Farmacologia - Anticoagulantes

Pré-visualização | Página 1 de 1

Farmacologia Clínica 
ANTICOAGULANTES E ANTI PLAQUETÁRIOS 
RESUMO 
Hemostasia – processo altamente regulado que mantém o sangue em um 
estado líquido nos vasos normais, mas permite a formação rápida de um 
tampão hemostático no local de uma lesão vascular. 
Trombose – envolve a formação de um coágulo sanguíneo (trombo) dentro 
dos vasos linfáticos 
3 componentes: 
a) Parede vascular – endotélio 
b) Plaquetas 
c) Cascata de coagulação 
 
1. Tampão primário – fase inicial com a formação do tempão 
plaquetário, instável e imediato. 
2. A cascata da coagulação é ativada para formação da rede de fibrina 
3. Anticoagulante – impede a cascata o funcionamento normal da 
cascata de coagulação 
 
AÇÃO DOS FÁRMACOS NA HEMOSTASIA/TROMBOSE 
 Coagulação sanguínea – formação da fibrina 
 Função plaquetária 
 Remoção da fibrina – fibrinólise 
 
EXAMES COMPLEMENTARES 
Plaquetograma – quantidade de plaquetas (quadros: trombocitopenia e 
trombocitose) 
Coagulograma 
TS – funcionamento/qualidade das plaquetas (o AS altera) 
TP – via extrínseca (anticoagulante mais utilizado: varfarina, atua no fator 
VII e inibe a vitamina K) 
Razão Normatizada Internacional – normal tem que ser maior que 1, até 2,5 
os procedimentos odontológicos podem ser realizados com segurança, se 
associado a medidas hemostáticas locais. 
TTPA – via intrínseca (heparina atua nessa via, nos fatores XII, XI, IX e 
VIII) 
Valor de referência – 11 a 25 segundos 
 
IMPORTANTE 
➢ Nunca deve ser suspendido a utilização de AS para procedimentos 
odontológicos 
➢ A alteração na agregação plaquetária é muito suave 
➢ Se for feita uma boa homeostase e sutura, não haverá problemas na 
formação de tampão primário e cascata 
 
HEPARINA 
o Inibe a cascata da coagulação pela antitromina III, afetando a 
trombina (via intrínseca) 
o Baixo e alto peso molecular – administração subcutânea 
o Fragmentos de heparina HBPMs ou sintético são cada vez mais 
usadas 
o Meia vida curta (12 horas), utilizada em urgências ou na 
impossibilidade de utilizar a varfarina 
o Em IRC, usar heparina não fracionada 
 
VARFARINA 
• Antagonista da vitamina K 
• AC oral mais importante 
• Atua nos fatores II, VII, IX e X da coagulação 
• Absorção rápida por via oral e pico farmacológico de 48h 
• Ação no TP em 12-16h com duração de 4-5 dias 
• Atravessa a placenta – teratogênica (administração de heparina) 
• Encontrado no leite, mas não associado a problemas 
• Metabolização hepática (CYP2C9) polimórfico meia vida de 40 
horas 
• Monitoramento por TP (INR) 
 
FATORES QUE POTENCIALIZAM A AÇÃO DA VARFARINA 
1. Doença hepática 
2. Fármacos que inibem o metabolismo hepático de drogas 
(metronidazol, amiodarona, AZÓIS) 
3. Fármacos que inibem a ação plaquetária (AAS, AINES) 
4. Fármacos que deslocam a varfarina do sítio de ligação de proteínas 
plasmáticas 
5. Fármacos que interagem com a vitamina K 
 
FATORES QUE DIMINUEM A AÇÃO DOS AC ORAIS 
▪ Gravidez 
▪ Vitamina K 
▪ Fármacos que induzem P450 
▪ Fármacos que reduzem a absorção 
 
EFEITOS ADVERSOS DOS AC ORAIS 
✓ Hemorragia 
✓ Teratogênese 
✓ Hepatotoxicidade 
 
FÁRMACOS ANTIFIBRINOLÍTICOS E HOMEOSTÁTICOS 
 
Ácido Tranexâmico - (transamin) 
 Impede a quebra da fibrina – fibrinólise 
 Inibe a ativação do plasminogênio 
 Não é usado de forma sistêmica 
 Pode ser aplicado o ácido embebido com gaze na região de forma 
local por (odontologia) 
 
HEMOSPON – Esponja de fibrina 
o Colocado no alvéolo e suturado depois 
o Há limitação dependendo do local 
o Utilizado quando o INR está acima de 2,5 
o Deve ser pressionado com a gaze até a formação do tampão primário 
 
Formas não medicamentosas 
• Anestésico local com vasoconstrictor 
• Boa compressão com gaze no alvéolo 
• Excelente sutura 
• Pressiona novamente com gaze