A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Transtorno do espectro do autismo

Pré-visualização | Página 1 de 2

Autismo 
História: 
As bases do Transtorno do Espectro Autista começaram lá em 1907, quando Theodor 
Heller descreveu uma espécie de demência em crianças que tinha características 
semelhantes ao que chamamos hoje de autismo. Em 1923, a Dra. Grunya Sukhareva 
descreveu um transtorno esquizoide da infância e, assim como Heller, priorizou a 
pedagogia e a escola para reabilitar as crianças que tinham esse problema de 
desenvolvimento. Outro médico muito importante para os estudos desse transtorno e 
muito presente na história da psiquiatria infantil foi Leo Kanner, o primeiro médico a 
transcrever uma doença caracterizada pelo retraimento emocional intenso com o nome de 
“Autismo”, em 1944. Além disso, ele se destacou muito nos EUA por lutar pela defesa 
das crianças e dos médicos judeus na época do Nazismo. Nesse mesmo ano, Asperger 
também descreveu um quadro muito parecido com o descrito por Kanner, dando origem 
à chamada Síndrome de Asperger: um tipo de autismo leve, com preservação intelectiva. 
Porém, o nome dessa síndrome é muito criticado, pois existem indícios que Asperger 
contribuiu com o nazismo. 
 
Quadro clínico: 
O autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento que começa na infância e se 
caracteriza pela presença de 3 sintomas: 
1) Déficit de interação social 
A criança costuma evitar o contato ocular, demonstrando pouco interesse na voz humana, 
com indiferença afetiva, e raramente emite uma resposta facial, sendo muito comum a 
suspeita de surdez pelos familiares. Ela não se antecipa quando é carregada, como se não 
se interessasse. Muitas vezes, a criança autista trata qualquer adulto de forma similar, 
então não sorri para a mãe, não segue os pais pela casa e não demonstram ansiedade de 
separação. Também evita o contato com outras crianças, possui dificuldade em brincar 
de faz de conta ou imitação e prefere atividades solitárias. Possuem ligação forte com 
objetos estranhos, como por exemplo, pequenos baldes, utensílios da casa, e fazem 
protestos e demonstram irritação quando separados desses objetos. 
O que se pode avançar com o tratamento: Desenvolver uma maior ligação com os pais, 
ficar mais amigável com os irmãos e pode se envolver passivamente em jogos com outras 
crianças. 
O que não consegue avançar com o tratamento: Continuam sem iniciar o contato 
(apesar de aceitá-lo), continuam com falta de interesse pelas outras pessoas e, na 
adolescência, faz ou diz coisas inapropriadas. 
 
2) Déficit na linguagem como meio de comunicação 
Comunicação não-verbal: crianças autistas comumente mostram suas necessidades 
gritando ou chorando e puxam o adulto pela mão em direção ao objeto que desejam. Não 
copiam as atividades dos pais (não calçam o sapato do pai, não usam a maquiagem da 
mãe...). Usam muito poucos gestos, apesar de entenderem, e possuem pouca ou nenhuma 
expressão facial comunicativa. 
Comunicação verbal: É muito comum o mutismo até os 5 anos, com ecolalia (repetição 
do que é dito), muitas vezes utilizando frases copiadas dos outros, utilizando respostas na 
terceira pessoa (já que é assim que ela escuta). Apresentam, muitas vezes, uma fala 
monótona (como se fosse uma frase de robô) ou uma voz cantada, com prolongamento 
estranho de sons, sílabas ou palavras. Podem também fazer afirmativas com a entonação 
de perguntas. Às vezes, repetem sons sem sentido social, fazem o uso idiossincrático de 
palavras ou frases, falam sem imaginação, ou com abstração, e a impressão que temos é 
que ele está falando para alguém, e não com alguém. 
Até onde se pode avançar com o tratamento: Em relação à comunicação verbal, as 
crianças com um retardo severo podem nunca chegar a ter um avanço na compreensão da 
linguagem verbal. Se o retardo for moderado ou leve, conseguem avançar ao ponto de 
seguir instruções simples. Se o retardo for muito leve, os problemas são comuns na 
compreensão abstrata. E se a criança tem uma inteligência normal ou elevada, 
provavelmente vai ter dificuldade com jogos de humor e podem se confundir com 
expressões idiomáticas. 
 
3) Foco de interesse restrito e rígido 
Na criança autista existe uma grande resistência à mudança. Ela gosta de alinhar 
brinquedos e objetos, e se estressam caso os mudem de posição, e possuem resistência 
em aprender novas atividades. Mudanças do ambiente familiar podem gerar explosões. 
Dessa maneira, muitas vezes as crianças possuem rotinas rígidas, comendo a mesma 
comida e fazendo os mesmos percursos durante o dia. Também podem apresentar 
movimentos repetitivos, batendo as mãos ou apresentando maneirismos nos dedos, ou 
apresentando preocupações persistentes, como memorizar informações meteorológicas, 
capitais, datas de nascimento de familiares, entre outros. 
 
Diagnóstico: 
Critério A: Quando existe um déficit persistente na comunicação social e na interação 
social identificado através pela presença dos seguintes 3 itens: 
1- Déficit na reciprocidade socio-emocional (que pode ir desde uma aproximação 
social anormal, até total falta de iniciativa de interação social). 
2- Déficit em comportamentos comunicativos não verbais usados para a interação 
social (que pode ir desde uma integração pobre entre comunicação verbal e não 
verbal, ou de um contato visual anormal, até total falta de expressão facial ou 
gestos). 
3- Déficit em desenvolver ou manter relacionamentos apropriados para o grau de 
desenvolvimento (para além daqueles com os cuidadores), que pode ir desde 
dificuldades em ajustar o comportamento para determinados contextos sociais, até 
a dificuldade de compartilhar jogos de imaginação, fazer amigos ou até uma 
ausência de interesse nas pessoas. 
Critério B: Quando existe um déficit persistente na comunicação social e na interação 
social identificado através pela presença dos seguintes 3 itens: 
1- Fala repetitiva ou estereotipada (podendo apresentar ecolalia e frases 
idiossincráticas), movimentos inadequados e uso repetitivo de objetos. 
2- Adesão excessiva a rotinas, com padrões ritualizados de comportamento, com 
resistência excessiva à mudança. 
3- Interesses fixos, altamente restritos que são anormais em intensidade ou foco, tais 
como ligação forte com algum objeto, preocupação excessiva com objetos não 
usuais ou interesses excessivamente circunscritos ou perseverativos. 
4- Hiper ou hiporreatividade sensorial, ou interesse não usual em aspectos sensoriais 
do ambiente, exemplo: crianças com respostas adversa a sons específicos ou 
textura, fascinação por luz ou objetos que giram, ou indiferença aparente à dor, 
calor ou frio. 
 
Especificadores: Observar se a criança possui ou não retardo, problemas de linguagem, 
condição médica ou genética associada, se existe outro transtorno do neuro-
desenvolvimento associado ou catatonia. 
 
Tratamento: 
Tem como objetivo maximizar a aquisição da linguagem e dos conteúdos cognitivos, 
melhorar sua interação social e expandir os seus interesses, reduzindo as repetições. Isso 
forma um ciclo, em que a melhora de um desses aspectos “alavanca” a melhora dos 
demais aspectos. 
A base do tratamento do autismo se dá através da intervenção educacional, juntamente 
com uma intervenção psicossocial. Isso se dá através de uma equipe multidisciplinar, 
composta por psicólogos, terapeutas, professores, pedagogos, fonoaudiólogos e também 
nutricionistas. 
Em relação à intervenção médica, podemos fazer uso também do tratamento 
farmacológico, que é composto por drogas que atuam nos sintomas centrais do autismo e 
por drogas que atuam em distúrbios do comportamento associados ao autismo. 
 
1) Drogas que atuam nos sintomas centrais (distúrbio de linguagem, 
comportamento repetitivo e déficit na interação social recíproca): 
• Bumetanida: Anti-hipertensivo que vem sendo estudado como uma droga que 
pode ajudar a melhorar os sintomas centrais, reduzindo a gravidade deles. Ele tem 
efeito de estabilização de descargas cerebrais. 
 
• Ocitocina: Apenas