A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Resumo Imunologia - parte 12

Pré-visualização | Página 2 de 3

pela porção Fc do IgE, o 
alérgeno vai se ligar aos vários IgE ligados nos 
mastócitos fazendo ligação cruzada, resultando em 
desgranulação dos mastócitos 
As reações de hipersensibilidade imediata são 
dependentes de células TCD4. Assim, a resposta dos 
linfócitos B independentes de T praticamente não 
ocorrem, devido à incapacidade de reconhecer 
antígenos proteicos (apenas multivalentes) 
 
 
 
 
MEDIADORES LIBERADOS POR 
MASTÓCITOS E EOSINÓFILOS ATIVADOS 
A ativação dos mastócitos se dá pela interação de 
muitas moléculas do alérgeno com os anticorpos IgE de 
membrana, promovendo reações cruzadas. Os IgEs de 
indivíduos atópicos são muito específicos ao alérgeno, 
necessitando de quantidades baixas de alérgeno para 
iniciar a resposta 
Ao ativar mastócitos, três respostas são ativadas: 
secreção do conteúdo pré-formado, síntese e secreção 
dos mediadores lipídicos e síntese e secreção de 
citocinas 
MEDIADORES DERIVADOS DOS 
MASTÓCITOS/BASÓFILOS: 
I. Aminas biogênicas → histamina: contração das 
células endoteliais (aumento dos espaços 
interendoteliais e aumento da permeabilidade 
vascular) e estimula as células endoteliais para 
sintetizarem prostaciclina (PGl2) e o NO 
(relaxantes do musculo liso vascular; causa 
vasodilatação), sendo que essas duas reações 
são responsáveis pela formação do halo 
eritematoso e pápula. Ela também provoca 
constrição da musculatura lisa brônquica e 
intestinal (aumento da peristalse e do 
broncoespasmo) 
II. Enzimas e proteoglicanos dos grânulos: 
Proteases neutras de serina (triptase e 
quimase), as mais abundantes contribuem para 
o dano tecidual na Hipers tipo I (presença de 
triptase em fluidos biológicos humanos é um 
marcador da ativação de mastócitos). Triptase 
cliva o fibrinogênio e ativa a colagenase, 
provocando, assim, danos no tecido, enquanto 
a quimase pode converter a angiotensina I em 
angiotensina II, degradar as membranas basais 
epidérmicas e estimular a secreção de muco. 
Essas também estão presentes em basófilos 
IMUNOLOGIA (Abbas – capítulo 19 e 20) Gabriela Chioli Boer – T9 
Carboxipeptidase A 
Catepsina 
Proteoglicanos: heparina e o sulfato de 
condroitina que tem carga – e armazena as 
aminas, proteases e mediadores que são +, 
impedindo sua acessibilidade para o resto da 
célula. 
III. Mediadores lipídicos: 
PGD2: causa vasodilatação e broncoconstrição 
e quimiotaxia (inflamação) 
Leucotrienos (LTC4, LTD4, LTE4) liberados 
também atuam na broncoconstrição 
prolongada, mas principalmente no aumento 
da permeabilidade vascular (pápula) 
Fator de ativação plaquetária (PAF): 
broncoconstrição, vasodilatador, agregante 
plaquetário 
IV. Citocinas: as citocinas são produzidas 
principalmente por mastócitos, Th2 e basófilos. 
São elas TNF, IL-1, IL-4, IL-5, IL-6, IL-9, IL-13, 
CCL3, CCL4 e GM-CSF, e atuam induzindo o 
componente inflamatório da chamada reação 
de fase tardia, caracterizada pelo acúmulo de 
eosinófilos, neutrófilos, basófilos e células Th2 
IL-3 induz proliferação de mastócitos; TNF 
induz inflamação; IL-4 – secreção de IgE, IL-13 
– muco e IL-5 – ativação de eosinófilos 
Mediadores derivados dos eosinófilos → recrutados e 
ativados por IL-5 liberado da Th2 nos infiltrados 
inflamatórios de fase tardia 
Eosinófilos tem receptor para IgA, IgE e IgG 
Liberam proteínas granulares que são tóxicas para 
helmintos parasitários (básica principal, proteína 
catiônica eosinofílica e peroxidase) e podem ferir o 
tecido normal (peroxidase) 
Produzem e liberam mediadores lipídicos, incluindo o 
PAF, as prostaglandinas e os leucotrienos LTC4, LTD4 
e LTE4 
Produção de citocinas: IL-3, IL-5, GM-CSF (produção e 
ativação de eosinófilos); IL-8, IL-10, RANTES, MIP-1 e 
eotxin (quimiotaxia) 
 
EFEITOS BIOLÓGICOS DESENCADEADOS 
PELA LIBERAÇÃO DE HISTAMINA, 
MEDIADORES LIPÍDICOS E CITOCINAS NAS 
REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO I 
Histamina: aumenta a permeabilidade vascular e 
estimula a contração da célula muscular lisa 
Prostaglandina D2: vasodilatação, broncoconstrição e 
quimiotaxia de neutrófilos 
Leucotrienos: broncoconstrição prolongado, secreção de 
muco e aumento da permeabilidade vascular 
 
REAÇÃO DE FASE IMEDIATA E DE FASE 
TARDIA 
A reação imediata e vascular do musculo liso ao 
alérgeno desenvolve-se dentro de minutos após o 
desafio (a exposição a alérgenos em um indivíduo 
previamente sensibilizado), e a reação de fase tardia 
desenvolve-se 2 a 24 horas mais tarde 
 
FASE IMEDIATA: até 1 hora, mastócitos e IgE 
(mediadores lipídicos prontos na célula) 
O primeiro contato leva à produção de IgE específicos 
ao alérgeno, que vai se ligar ao mastócito (clinicamente 
pápula e eritema) 
Forma-se pápula (vazamento do plasma das vênulas) e 
halo eritematoso (vasodilatação nas margens da 
pápula) dentro de 5 a 10min e somem em menos de 1 
hora 
No segundo contato terá ligação cruzada dos anticorpos 
na membrana do mastócito, ativando os mastócitos 
ocorrendo desgranulação de histamina pré-formada 
 
FASE TARDIA: inicia 2 a 4 horas depois da fase 
imediata e vai até o máximo em 24 horas, consiste no 
acúmulo de leucócitos inflamatórios, incluindo 
neutrófilos, eosinófilos, basófilos e células T auxiliares 
(produção de citocinas e mediadores lipídicos) 
O TNF secretado pelos mastócitos aumenta a expressão 
de moléculas de adesão endotelial de leucócitos, tais 
como a E-selectina e a molécula de adesão intercelular ‘ 
(ICAM-1), e as quimiocinas que recrutam leucócitos 
sanguíneos 
Tanto eosinófilos quanto as células Th2 expressam 
CCR4 e CCR3, e as quimiocinas que se ligam a esses 
receptores são produzidas por muitos tipos de células 
nos locais das reações de hipersensibilidade imediata, 
incluindo as células epiteliais. 
Aumento do número de eosinófilo pelo aumento da 
secreção de IL-5 pelas Th2 
A reação de fase tardia pode ocorrer sem uma eação de 
hipersensibilidade imediata anterior detectável. Na 
IMUNOLOGIA (Abbas – capítulo 19 e 20) Gabriela Chioli Boer – T9 
asma brônquica ocorre repetidos episódios de 
inflamação com acúmulo de eosinófilos e das células 
Th2, sem as alterações vasculares que são características 
da resposta imediata. Nesses distúrbios, pode haver 
uma menor ativação dos mastócitos, e as citocinas que 
sustentam a reação de fase tardia podem ser produzidas 
principalmente pelas células T 
 
REAÇÃO DE PÁPULA E ERITEMA 
A reação de pápula (edema e vermelhidão no centro 
causado pelo vazamento de macromoléculas e 
hemácias) e do halo eritematoso (vermelhidão na borda 
causada por vasodilatação) resulta na sensibilização de 
mastócitos da derme pela IgE que se liga ao FcεRI, 
ligação cruzada de IgE pelo antígeno e ativação de 
mastócitos com liberação de histamina. A histamina 
liga-se a receptores de histamina nas células endoteliais 
venulares; as células endoteliais sintetizam e liberam 
PGl2, NO, e o PAF; e estes mediadores causam 
vasodilatação e vazamento vascular 
Essa reação aparece na fase imediata da 
hipersensibilidade 
 
RINITE ALÉRGICA (FEBRE DO FENO): 
Comum em 30% das pessoas, consequencias das 
reações de hipersensibilidade imediata aos alérgenos 
como pólen de plantas ou de ácaros da poeira 
doméstica, pelos de animais localizados no trato 
respiratório superior por inalação. 
Sintoma: edema de mucosa, infiltração de leucócitos 
com eosinófilos, secreção de muco, tosse, espirros e 
dificuldade para respirar. 
A conjuntivite alérgica com coceira nos olhos é 
comumente associada à rinite. As saliências focais da 
mucosa nasal (pólipos nasais), cheias de líquido de 
edema e eosinófilos podem se desenvolver em 
pacientes que sofrem frequentes ataques repetitivos de 
rinite alérgica 
TRATAMENTO: anti-histamínicos 
 
ALERGIA ALIMENTAR 
São reações de hipersensibilidade imediata aos 
alimentos ingeridos que levam à liberação dos 
mediadores a partir da mucosa e submucosa intestinal 
dos mastócitos do TGI,