A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
APX2 Espaços Sociais de Formação Humana - 2020

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES
FACULDADE DE EDUCAÇÃO
FUNDAÇÃO CECIERJ /Consórcio CEDERJ / UAB
Curso de Licenciatura em Pedagogia – Modalidade EAD
Avaliação Presencial 2 (APX2) – 2020.2
PRAZO FINAL PARA POSTAGEM: 05/12, às 18h 
Disciplina: Espaços Sociais de Formação Humana
Coordenadora: Jaqueline Luzia da Silva
Aluno(a): 
1. De acordo com Sassi, Machado, Guimaraes, Jendreieck, Gualdezi, Ianke, Carneiro e Souza (2004, p. 47), “uma preocupação constante do Projeto de Extensão Pedagogia Hospitalar é o melhor preparo dos acadêmicos, pois todos conhecem o projeto, mas dizem que a universidade não as prepara para que atuem nos hospitais. Os acadêmicos sabem da importância deste atendimento para a criança hospitalizada, sendo necessária, talvez, uma modificação na grade curricular do curso, para que forme um profissional completo e capacitado para atender a demanda cada vez maior das classes hospitalares”. A partir dessa crítica, aponte alguns elementos essenciais que precisariam constar da formação da/o pedagoga/o para que, minimamente, ela/e consiga trabalhar de maneira mais qualificada neste e em outros espaços sociais.
(3,0)
Resposta: No que consiste o curso de Licenciatura em Pedagogia, podemos afirmar que a grade de disciplinas curriculares aplicadas durante os anos de formação é valiosa e rica em conteúdo. Porém, a falta de uma disciplina especifica voltada a pedagogia Hospitalar.
Uma disciplina voltada especificamente para o atendimento aos hospitais dentro do curso de pedagogia poderá acrescentar e alcançar ainda mais resultados positivos, complementando ainda mais a formação e desenvolvimento dos formandos e com certeza beneficiando cada vez mais os pacientes e o ambiente hospitalar. 
2. “Os profissionais do educativo que pesquisam, teorizam sobre cada movimento social em realidade estão pesquisando e elaborando uma teoria pedagógica que os ultrapassa desde que se situem nesse fundo comum que cada um revela, revive em cada situação e momento histórico. Pesquisar e analisar a relação entre Educação e Movimentos Sociais, Educação de Jovens e Adultos, Educação Popular, poderia ser captar, interpretar e explicitar essas permanências, de questões, de rituais, de linguagens e didáticas acumuladas ao longo de uma história tão permanente e tão atual. As questões humanas, sociais e culturais, os processos pedagógicos, as linguagens e rituais que cada movimento repõe para a teoria e ação pedagógica parecem nos dizer que nesse subsolo da formação humana o que vivenciaram outros movimentos em torno de direitos tão básicos negados tem o mesmo tamanho, o mesmo sentido hoje do que faz décadas e até séculos. Parece como se as questões pedagógicas estivessem todas no presente. Como se os seres humanos, os grupos excluídos, oprimidos repetissem a mesma ‘pedagogia do oprimido’ em cada presente” (ARROYO, 2003, p. 48). O autor, a partir do trecho acima, nos traz uma reflexão sobre os movimentos sociais e a educação. De acordo com o mesmo, discorra sobre um movimento social atual, citando os processos pedagógicos de formação humana que o envolvem e a relação com os processos históricos da sociedade.
Resposta: O movimento Sem Teto do Centro tem por objetivo a luta para uma habitação nas regiões do centro de São Paulo (SP). Tendo atualmente mais de duas mil pessoas, o movimento é composto por adultos, crianças e jovens que defende o direito à moradia garantido na Constituição. Não apenas se luta para o direito de moradia entendido como Casa, mais também o movimento abraça e luta pelo direito à segurança, família, saúde, educação, acesso a transportes e convivência comunitária. 
Carmem Lucia líder do movimento é uma das grandes mulheres que lutam por essa causa, assim como Janice, mas conhecida como Preta Ferreira. 
(3,5)
3. Segundo Cazelli, Costa e Mahomed (2010, p. 582), “os museus podem ser entendidos como espaços de educação, tendo em vista que as experiências neles vivenciadas, na maior parte das vezes, não estão restritas ao deleite e à diversão. Nesses espaços e nas demais instâncias educativas da sociedade são realizadas seleções de parte da cultura no intuito de torná-la acessível ao público, bem como são promovidos processos de recontextualização, buscando viabilizar a socialização do saber acumulado”. Partindo dessa reflexão trazida pelas autoras, aponte e discuta o que é necessário na formação da/o pedagoga/o para que ela/e venha a ser um/a profissional de educação em museus.
Resposta: É importante que os professores e coordenadores do curso de Licenciatura em Pedagogia aspirem em adicionar como elemento do corpo de formação aos futuros professores o estudo em museus. 
Pensando em como os novos educadores poderão acrescer a formação das crianças e adolescentes com toda cultura e história que o museu traz em sua essência, fazendo com que haja mais sentido o aprendizado de muitos conteúdos além de promover o espaço como acessível e de conhecimento ao público. 
(3,5)
Referências 
ARROYO, Miguel G. Pedagogias em movimento: o que temos a aprender dos Movimentos Sociais? Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, p. 28-49, Jan/Jun 2003. 
CAZELLI, Sibele; COSTA, Andréa Fernandes; MAHOMED, Carla. O que precisa ter um futuro professor em seu currículo de formação para vir a ser um profissional de educação em museus? Ensino Em-Revista, Uberlândia, v. 17, n. 2, p. 579-595, jul./dez. 2010. 
SASSI, Liliam Duarte da Silva; MACHADO, Bernadete; GUIMARÃES, Carolina Brandes; JENDREIECK, Ceres de Oliveira; GUALDEZI, Luciane Denise; IANKE, Marli; CARNEIRO, Viviane Nunes; SOUZA, Maria Antonia de. Pedagogia hospitalar o projeto desenvolvido pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa/UEPG, 12(2): 41-48, dez. 2004.
MSTC. Movimento Sem-Teto do Centro. Disponível em: <Movimento Sem-Teto do Centro | MSTC>. Acesso em: 03/12/2020. 
Plataforma Cederj: Curso: Espaços Sociais de Formação Humana (cederj.edu.br)