A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
APOL 1 - REGIME E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS

Pré-visualização | Página 5 de 5

Leia o trecho a seguir: 
“Seguindo os apontamentos de Barry Buzan e Lene Hansen (2012, p. 118-121) e de Paul Williams 
(2008, p. 3), destaca-se que, durante a Guerra Fria, prevaleceu na narrativa ortodoxa acerca da 
paz e da segurança internacionais um caráter estritamente militarista e estatocêntrico. Assim, de 
acordo com os autores, o paradigma de tensão bipolar vigente naquele período levou à priorização 
de temas relacionados à eclosão de conflitos interestatais e à corrida armamentista, com ênfase 
para os temas de dissuasão nuclear. No que diz respeito à paz, prevalecia uma noção baseada 
na manutenção do equilíbrio na balança de poder entre 
os Estados e no respeito à soberania de cada ator estatal (BELLAMY; WILLIAMS; GRIFFIN, 2010, 
p. 29)” (Guerra; Blanco, 2018). 
Fonte: Guerra, L., & Blanco, R. (2018). A Construção da Paz no Cenário Internacional: Do 
Peacekeeping Tradicional às Críticas ao Peacebuilding Liberal. Carta Internacional, 13(2). 
https://doi.org/10.21530/ci.v13n2.2018.775 
Considerando a contextualização acima e os conteúdos discutidos na Aula 5 da disciplina de 
Regimes e Organizações Internacionais, assinale a alternativa que apresente, corretamente, uma 
das definições filosóficas sobre o que é segurança, identificada por Williams: 
Nota: 0.0 
 A É um sistema político 
internacional. 
 B É um sinônimo de 
acumulação de poder pelo 
Estado, como poder 
militar. 
Ao perguntar “o que é 
segurança?”, Williams 
(2008, p. 6) identifica duas 
filosofias diferentes que 
podem emergir desse 
conceito. A primeira 
compreende a segurança 
https://doi.org/10.21530/ci.v13n2.2018.775
como um sinônimo de 
acumulação de poder. 
Assim, quanto mais poder 
um Estado consegue 
acumular, principalmente 
poder militar, mais seguro 
esse Estado seria. Por sua 
vez, a segunda filosofia 
desafia esses pressupostos. 
O segundo entendimento vê 
a segurança a partir da 
preocupação com a justiça e 
os princípios dos direitos 
humanos. Essa perspectiva 
parte do princípio de que a 
segurança é relativa, 
dependendo da relação que 
diferentes atores possuem 
entre si. Nesse sentido, mais 
armamentos não 
necessariamente 
garantiriam uma maior 
segurança para determinado 
ator (Williams, 2008). Um 
exemplo que pode ilustrar 
essas diferentes filosofias é 
a percepção de ameaça dos 
Estados Unidos em relação 
ao Reino Unido e ao Irã. O 
Reino Unido possui 215 
armas nucleares em seu 
arsenal. Em contrapartida, o 
Irã ainda não possui armas 
nucleares desenvolvidas, 
até o presente momento. 
Apesar dessa discrepância 
da quantidade de armas 
nucleares entre Reino Unido 
e Irã, os Estados Unidos 
percebem o Irã como uma 
ameaça à sua segurança. 
Esse exemplo demonstra 
que, de acordo com a 
segunda filosofia, “uma 
segurança verdadeira e 
estável não vem da 
habilidade de exercer poder 
sobre os outros, mas sim da 
cooperação para alcançar a 
segurança sem privar os 
demais atores dela” 
(Williams,2008, p. 6). 
Referência: Rota de 
Aprendizagem de Regimes 
e Organizações 
Internacionais. Aula 5. Tema 
1 “Segurança Internacional e 
o Poder dos Estados 
soberanos”. 
 C É um sinônimo de riqueza 
monetária, medida pelo 
valor do PIB de um país. 
 D É uma definição abstrata 
que não costuma ser 
aplicada em estudos nas 
Relações Internacionais. 
 E Pode ser definida como os 
deveres e direitos de cada 
indivíduo em uma 
sociedade, em que estes 
são responsáveis pela 
manutenção da paz.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.