ok Clin peq 02.02.11
28 pág.

ok Clin peq 02.02.11


DisciplinaClínica Médica de Mamíferos de Pequeno Porte14 materiais51 seguidores
Pré-visualização7 páginas
CLÍNICA MÉDICA DE MAMÍFEROS DE PEQUENO PORTE 
Rio, 02/02/2011
Alexandra Woods
AV1
- Neurologia (ouvido)
- Endocrinologia
AV2
- Dermatologia (ouvido)
- Oftalmologia
AV1: 9 pontos, sendo 1 ponto: 0,5 pt de 20 horas de estagio + 1,5 pt de teste artigos = 2,0/2 =1
Sites: IVIS.org ; VIN.com
 
O animal com uma neuropatia qualquer pode apresentar ataxia, paralisia, desvio de cabeca, cegueira cortical, fraqueza motora (paresia), convulsão, quedas, rolamentos, tremores de cabeca, tremores no corpo, que agente chama de tremores de intenção. 
Temos varias manifestacoes clinicas que o paciente com neuropatia pode apresentar. Algumas dessa ai, tem diagnostico diferencial com outros sistemas. O animal pode ter uma alteracao na deangulação, na caminhada por um problema neurologico assim como pode apresentar isso por um traumatismo na área ortopédica. Tem muitas coisas que temos que tirar aqui como doencas diferenciais principalmente ortopédicas.
 Agora lembrar que eu como clinico geral preciso como primeiro objetivo olhar pra essa queixas principais, esses sintomas e estabelecer a localizacao da lesao. 
Eu posso colocar como principais objetivos da neurologia do estudo do sistema nervoso a localizacao da lesao desse sistema nervoso.
Pode acontecer da lesao estar localizada. E pode acontecer de uma mesma lesao ser disseminada pelo SN. Agente chama que algumas lesoes podem ser focais ou multifocais. 
Outro objetivo: tentar estabelecer o prognostico de acordo com a causa. Que quando agente localiza a lesao, agente vai tambem comecar a tecer o prognostico. 
Mediante o estabelecimento da etiologia. Temos que estabelecer qual a etiologia, qual agente está levando aquilo, se é um agente infeccioso, neoplasico, qual o fator que está desencadeando a doenca neurológica, se é um vírus, bactéria, etc.
- 1º objetivo da neurologia: localizar a lesão.
- Prognostico: definir o prognostico, definir a etiologia, o agente etiologico.
- Muitos podem confundir com doencas ortopédicas, então agente pode estabelecer diagnóstico diferencial ou seja, descartar outras doencas não neurológicas.
- As vezes o animal tem a doenca neurológica e tem outras doenças associadas, multissistemica. Ou aquele agente etiologico levou a desencadear uma neuropatia mas tambem uma lesao pneumonica, uma lesao gastrointestinal, temos que ver isso, porque no SN, SNC, SNP, SNA, agente precisa localizar e identificar se está disseminada a lesao e se tem outros sistemas acometidos. É muito comum o sistema oftalmologico estar tambem debilitada, é outro sentido que agente percebe com a alteracao concomitante a uma doenca, ex. doenca fungica, criptococos, ele pode atingir causando lesoes na mucosa nasal alem de lesoes oftalmologicas e SN.
Existem muito mais manifestacoes alem dessa.
Pra um paciente estar normal, ele tem que estar caminhando com atividade motora normal, com consiencia, equilíbrio, então pra isso ser normalidade, eu preciso que esse paciente tenha forca muscular, um correto aprume e posicionamento. Então o paciente está indo bem.
Isso já comeca na inspecao. Se ele tiver uma paralisia ele vai ter que ser carregado pro consultório. E se ele tiver paresia ele vem se \u201carrastando\u201d
Paralisia: perda definitiva do movimento da atividade motora.
Paresia: fraqueza.
Nós como clinicos, podemos definir:
Ex. paresia no apendice torácico direito: 
Monoparesia: Agente fala: uma monoparesia torácica direita. Um único apendice locomotor envolvido com a fraqueza.
Paraparesia: Se agente fala paraparesia, são os apendices pélvicos. Para = apendices pélvicos. Se ele tiver uma paraparesia ele tem uma fraqueza dos apendices pelvicos.
Hemiplegia: plegia = paralesia. Então uma hemiplegia, um lado do antímero direito do animal: Hemiplegia direita: antimero direito ficou sem movimento.
Mono, hemi e tem tetra. O tetra significa os 4 apendices acometidos.
Paralesia ou plegia: é a perda definitiva da atividade motora. Implica num prognostico desfavorável.
Paresia: fraqueza motora, ou perda transitoria da atividade motora. Coibidno a causa, ajustando a medicação esse animal volta a deangular (a andar)
Mono, tetra ou hemi.
Agente como tem que localizar, agente tem que definir quem é quem aqui. 
SNC: sistema nervoso central: como é o sistema vital, ele tem que ter todo um revestimento, um arcabouco ósseo e tambem a presenca de meninges pra evitar processo de impacto como queda, que venha agravar. O encéfalo está na calota craniana, vc precisa desse arcabouco.
Depois tem as meninges, espessas e finas: paquimeninge, leptomeninge, duramater, e a aracnoide e a piamater. Passando do espaco subaracnóide vc tem o liquor que é importantissimo pra exame diagnostico.
	O SNC é composto do encefalo (que tem a subdivisao: cerebro, cerebelo que é caudal ao cérebro, tronco encefalico que é o encefalo medio ponte e bulbo) e temos a medula espinhal passando o canal vertebral que é um arcabouco osseo tambem que protegem essa medula espinhal.
Quem está veinculado direto pra permitir consiencia, alerta, caminhada, deangulacao, integridade e consciencia do movimento, precisa estar associado ao SNP. Os nervos espinhais diretamente ligados a medula espinhal e os nervos cranianos diretamente inseridos no encéfalo (que são 12 pares).
Temos segmentos medulares: que são os nervos espinhais que estao compondo o segmento medular, cervical, cervico toracico, toraco lombar e lombo sacral.
Ganglios e terminacoes nervosas: essas terminacoes nervosas vao chegar perto pra gente se ligar: conduto auditivo, n.óptico dando condicao pra retina funcionar. Temos os dermatomos que são as terminacoes nervosas na pele. É altamente dolorosa. Animal sente dor porque agente tem corpusculos na pele (corpusculos de pressao, tato, calor), então quando tem um abscesso na pele as terminacoes ficam irritadas. Por isso que o animal muda o comportamento, por causa da dor.
Temos cérebro, cerebelo, encéfalo medio, ponte e depois o bulbo. 
Pra ca vem as inervacoes da medula espinhal e os segmentos medulares que são divididos pra diagnostico. Ex. vc tem animais que tem lesao só na toracolombar, e tem outros animais que tem a lesao em toda a medula espinhal, por processos degenerativos, comeca na lombosacral e vai caminhando cranialmente. Isso é importante que agente reconheca porque é o primeiro objetivo da neurologia que é localizar a lesão. 
Mesmo agente não sendo neurologistas, vamos falar até onde o clinico pode ir. Isso vai favorecer o diagnostico rápido já que é um sistema vital, por isso precisa de um diagnostico rapido pra não ter sofrimento do nosso paciente e tambem chegar no neurologista ele ficar feliz porque os exames foram realizados.
Um animal em estaçao: temos os hemisferios cerebrais direito e esquerdo. 
O desvio de cabeca pode ser tanto cerebelar quanto vestibular. 
Queda, rolamento, ataxia, pode estar restrito ao cerebelo. Mas muitas das causas são multifocais, então o animal vai tendo outras perdas, outros débitos, principalmente ao nivel de nervo craniano. 
Onde estão os nervos cranianos:
1ºolfatório e 2º óptico: par: estao a nivel de cerebro.
Encéfalo medio, ponte e bulbo fazem parte do tronco cerebral. Então quando a lesao chega em tronco cerebral, o prognostico é mais reservado. Porque: é onde estão o 3º ao 12º par de nervos cranianos. Então é facil localizar se vc souber fazer os testes dor nervos cranianos.
Vc vai vendo onde está tendo deficit. Ex. deficit de degluticao, etc. fratura de mandibula, lingua protusa, 9º par de nevo, vago, hipoglosso acometido, e acessorio também.
10 \u2013 12º par: lesoa em tronco cerebral.
Sistema vestibular periférico localizado proximo ao conduto auditivo. Temos o 8º par de nervo, relacionado ao sistema vestibular. 
Ex. animal chega com o conduto estenosado, tem calcificacao de cartilagem, tem uma imagem de calcificacao de bula timpanica, otite grave, media, chegando a interna, vc tem o envolvimento de sistema vestibular periférico. 
Então aquilo ali, antes de vc pensar num tumor ou alguma coisa, vc pensa numa simples otite. As vezes pode ter tumor no canal