A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Insuficiência adrenal

Pré-visualização | Página 3 de 3

zinco e mercúrio, podem 
pigmentar a margem gengival, mas não causam pigmentação 
bucal. 
Anorexia e perda de peso podem simular quadros de anorexia 
nervosa 
Secundária 
Etiologia 
Causa mais comum → uso crônico de glicocorticoides em 
doses supra fisiológicas → inibem diretamente tanto a 
secreção de ACTH como a de CRH 
• Sintomas surgem após: 
o Suspensão indevida ou brusca dos glicocorticoides 
o Falta de ajuste adequado da dose do 
medicamento em situações de estresse 
Pode resultar também de: 
• Traumatismo craniano 
• Necrose hipofisária pós-parto (síndrome de Sheehan) 
• Apoplexia hipofisária 
• Cirurgia 
• Radioterapia 
• Anorexia nervosa 
• Tumores do terceiro ventrículo 
• Qualquer doença tumoral, infecciosa ou infiltrativa que 
envolva a hipófise ou o hipotálamo 
Deficiência de ACTH geralmente se associa à de outros 
hormônios hipofisários 
Deficiência isolada de ACTH também pode acontecer, 
podendo ser idiopática ou induzida por medicamentos 
Terapia com GH recombinante pode desmascarar uma IA 
secundária previamente não diagnosticada 
• Deficiência de GH → maior conversão da cortisona 
(inativa) em cortisol 
Mutações dos fatores de transcrição envolvidos nos estágios 
iniciais do desenvolvimento hipofisário 
• Deficiência congênita isolada de ACTH 
• Pan-hipopituitarismo congênito (mutação no gene da 
POMC) 
• Associada à síndrome de Prader-Willi 
Manifestações clínicas 
Diferem em dois aspectos principais das observadas na DA: 
• Não há hiperpigmentação cutaneomucosa → níveis de 
ACTH e outros peptídeos da POMC encontram-se 
baixos ou normais 
• Estão geralmente ausentes a depleção de volume e a 
desidratação, assim como a hipercalemia (devido à 
preservação da secreção de mineralocorticoides) 
Sintomas gastrointestinais e crises adrenais são menos 
comuns 
Tratamento 
Objetivo principal → mimetizar a produção endógena de 
glicocorticoides: 
• Reposição de glicocorticoides 
• Reposição de mineralocorticoides 
• Reposição de DHEA 
Diagnóstico 
Abordagem diagnóstica para suspeita de insuficiência adrenal 
Determinação da etiologia 
Confirmação do diagnóstico clínico de insuficiência adrenal é 
um processo de três estágios: 
• Demonstrando secreção de cortisol inadequadamente 
baixa 
• Determinar se a deficiência de cortisol é dependente ou 
independente da deficiência de corticotropina (ACTH) e 
avaliar a secreção de mineralocorticoide em pacientes 
sem deficiência de ACTH 
• Buscar uma causa tratável para o distúrbio primário (por 
ex., processo infiltrativo envolvendo as glândulas 
suprarrenais ou um adenoma hipofisário 
comprometendo a função normal da hipófise) 
A causa mais comum de insuficiência adrenal primária, a 
adrenalite autoimune, é um processo que geralmente piora ao 
longo de muitos meses ou anos → quando o paciente 
desenvolve baixas concentrações de cortisol sérico, a 
destruição adrenal está essencialmente completa. 
Teste da Cortrosina 
Amostras para dosagens de cortisol sérico são coletadas antes 
e após administração de 250 mg via IV ou IM de ACTH 
exógeno, nos tempos 0, 30 ou 60 minutos. 
Valores de pico de cortisol: 
• ≥ 18 mg/dL → função adrenal normal 
• < 18 mg/dL → insuficiência adrenal (discriminado se é 
primária ou secundária) 
Não exclui a presença de insuficiência adrenal secundária 
parcial ou baixa reserva de ACTH → teste de tolerância à 
insulina deve ser realizado se não houver contraindicações 
clínicas, tais como pacientes com idade avançada, portadores 
de doença cardiovascular ou epilepsia. 
Teste de tolerância à insulina 
Padrão-ouro para o diagnóstico de insuficiência adrenal 
secundária de início recente (teste da Cortrosina pode 
apresentar resposta normal) 
O teste baseia-se no fato de que a hipoglicemia é um potente 
estimulador do eixo HHSR 
Administração de 0,1 unidade/Kg/IV de insulina regular e 
dosagens de cortisol nos tempos basal, 60 e 90 minutos 
A glicemia deve atingir o valor de 40 mg/dL ou menos para 
o teste ser considerado efetivo 
Considera-se a resposta normal do cortisol um pico maior ou 
igual a 18 mg/dL. 
 
Outros exames 
DHEAS: Baixo 
Aldosterona baixa e renina elevada → insuficiência suprarrenal 
primária 
Investigar doenças autoimunes → TSH, T4L, Vitamina B12, 
Hemograma, Glicemia, Hb glicada 
Anticorpo anti-21OH → positivo em 85% dos casos de 
adrenalite autoimune 
Dosagem de ácidos graxos de cadeia longa → investigar 
adrenoleudistrofia