A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
LEPTOSPIROSE

Pré-visualização | Página 1 de 1

LEPTOSPIROSE
· CONCEITO 
· Família: leptospiraceae; Genero: leptospira, leptonema e turneria
· 6 espécies patogênicas; 23 sorogrupos e 202 sorovares. 
· 5 espécies saprófitas; 06 sorogrupos e 38 sorovares. 
· Gênero Leptospira:
· Microrganismo helicoidal
· Móvel
· Aerobiose
· Sensíveis à luz solar e desinfetantes comuns 
· Multiplicação ótima em pH entre 7,2 e 7,4
· Crescimento exigente (demoram)
· São gram-negativa. 
· Sempre se aloja nos rins 
· Hospedeiro acidental (sempre se manifesta mais clinica, mais agressiva) e hospedeiro de manutenção. 
· Notificação obrigatória 
Produção animal 
· Prejuízos econômicos 
· Problemas reprodutivos 
· Morte de animais 
· Condenação de carcaças (formação de abscesso, necrose...)
· Redução produção de carne e leite 
· Leite pode estar contaminado 
· Saúde pública
Fatores condicionantes 
· Densidade populacional (animais eliminam muito por urina, secreções)
· Abundancia de diferentes espécies animais (sorogrupo tem especificidade por espécies, mas não são exclusivos. Um pode acometer outra espécie de animal de modo acidental). 
· Contato com regiões alagadas, lagoas (por causa do pH pode manter lep viável. Acumulo de lixo há predisposição maior. Cinequanom) 
· Contato com roedores: região urbana (rato busca alimento e marca território até o local até o alimento através da urina.)
· Condições climáticas: clima quente, alta umidade, pH próximo de 7,0)
· Sazonalidade (época de chuva maior frequência).
· Atividade profissional 
Hospedeiro 
Manutenção: 
· Adaptação hospedeiro-parasita 
· Sinais clínicos menos evidentes 
· Leptospirúria prolongada
Acidental:
· Infecção por sorovar mantida por outra espécie 
· Infecção mais severa 
· Leptospirúria menos prolongada 
· Sorovar de um cão pode infectar outros animais, indo de acidental para manutenção em outro animal. 
Fontes de infecção:
Animais domésticos 
Bovinos, suínos, quinos, ovinos, caprinos, caninos. 
Felinos já têm relatos de sinais clínicos. Em geral, não desenvolve sinais clínicos e nem doença. Resistente às bactérias gram-negativas. Apresenta proteína no sangue que neutraliza bactérias gram-negativas. Não são todas. 
Animais silvestres 
Roedores 
Leptospirúria prolongada 
Dissemina por todo ambiente. 
Porta de entrada
Pele lesada
Pele integra (tempo de exposição)
Mucosas: conjuntiva, oral, nasal, genital
Vias de eliminação
Urina 
Sêmen
Descarga vaginal pós-abortamento 
Fetos abortados
Placenta 
Saliva 
Leite 
Transmissão 
· Contato direto 
Contato oronasal com animais infectados
Via genital
Via intra-uterina 
· Contato indireto 
Alimentos, água, solo contaminados 
Inseminação artificial com material contaminado, como sêmen 
· Resposta Imune 
MNO (LPS na parede bacteriana) TNF (mediadores da resposta inflamatória em particular em bacterias gram-negativas, estimula febre na fase aguda) induz a febre na fase aguda persistência do TNF leva supressão do apetite causando caquexia 
A indução da liberação da TNF – alfa pode explicar a lesão de células endoteliais e a consequente hemorragia observada na lep grave 
Patogenia 
Duas fases: 
Sinais clínicos dependentes de
Espécie animal infectada
Faixa etária do hospedeiro 
Sorovar infectante
Humanos 
· Dores de cabeça e no corpo 
· Icterícia 
· Febre 
· Dor na panturilha (um dos sinais importantes) 
· Lesões na mucosa devido a toxina 
Diagnostico 
· Diagnostico clinico 
· D. epidemiológico 
· D. laboratorial 
Creatinina alta?
Doença compulsória ?
Urina ativa: depende do sorogrupo, do sorovar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.