Câncer de Tireóide - transcricao
4 pág.

Câncer de Tireóide - transcricao


DisciplinaOncologia1.437 materiais5.968 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Câncer de Tireóide
Epidemiologia
Mais comum da cabeça e pescoço
3 a 5 mulheres \u2013 1 homem
aumentando a incidência 
Etiologia
Radiação tem possibilidade de causar câncer. Quando se tem uma irradiação, a media é 10 anos para geração de um câncer
Hormônios femininos(não confirmado)
Alimentação baixa de iodo(não confirmado)
Obesidade(em estudo, mas tem sido bastante comentado atualmente)
Histologia
Bem diferenciados são cerca de 80%. O carcinoma papilífero é o principal dentre os bem diferenciados e tem tendência a formar metástase nos linfonodos cervicais. Os outros dois tipos são Folicular e Celular de hurthle.
O folicular é menos incidente e tem alto grau de diferenciação e é comum metástase a distancia, o pulmão é o sitio preferido.
Clínica
O motivo de ser detectado mais casos de tireoide em mulheres atualmente é pq os ginecologistas estão pedindo mais ultrassonografias. 
Atualmente os micro-nódulos estão ficando cada vez mais comuns por causa desse aumento das ultrassom. Isso é bom, pois esta se detectando a doença mais no inicio e a taxa de cura esta bem mais alto por causa disso.
50% da população tem nódulo na tireoide. Mas só 5% são câncer. 
Fatores de risco
Extremos de idade. Menos de 15 e mais de 60 anos.
Histórico familiar com 2 parentes de primeiro grau.
Pacientes que fazem radioterapia, principalmente na mama, pois pode incidir um pouco de radiação na tireoide e assim gerar um câncer. Só com maquinas de radioterapia antigas como a de cobalto, as mais modernas diminuem muito essa possibilidade.
Se por algum motivo o paciente fizer um PET e houver captação na tireoide, a chance de ser câncer é muito alta, por isso, ate que se prove o contrario, se trata de um câncer.
Fortes suspeitos para câncer
Paciente com um nódulo de crescimento rápido
Nódulo endurecido
Fixação as estruturas adjacentes
Historia familiar de câncer de tireoide 
Paralisia de cordas vocais. Atrás da tireoide tem o nervo larrigeo recorrente e se o câncer infiltrar ele, vai ter paralisia de corda vocal
Lifonodomegalia ipsilateral regional
Sintomas de invasão nas estruturas do pescoço 
Historia familiar de carcinoma medular
Histórico de síndromes metabólicas
Irradiação de cabeça e pescoço ou irradiação total na medula óssea
Exames Laboratoriais
TSH é o único exame que precisa ter no pré-operatório 
A cirurgia vai depender das características da tireoide e do nódulo. Paciente eutireoideo, vai definir cirurgia ou não com base nas características do nódulo e da pulsão. Se o paciente for hipotireóideo se retira a tireoide toda, pois não tem pq deixar se ela não esta funcionando. Se for hipertireóideo, tem que fazer a cintilografia para saber se é um nódulo único e hipersecretor ou se tem a doença de graves
Tireoglobulina é uma proteína produzida exclusivamente por células da tireoide. Ela vai servir como marcador no follow up, depois de fazer a cirurgia. Não influencia no prognostico ANTES da cirurgia. Mas apos a cirurgia, se essa proteína continuar a aumentar, é sinal de que em algum local esta tendo mitose de célula tireoideana
Calcitonina é produzida nas células foliculares e só será pedida se na pulsão vier possibilidade de carcinoma medular
Ultrasom. Vai indicar nódulos ou cisto na tireóidea, cisto tem baixíssima chance de ser câncer. O nódulo que tem maior possibilidade de ser câncer. Informações que precisam ter na ultrasom
Tamanho do nódulo
Se é hipo, iso ou hiperecoico
Saber se as bordas são regulares ou não
Se tem halo; se tem halo bem definido, se é halo ausente ou parcial
Se tem micro-calcificação
Se há vascularização central mais que periférica(sinal de malignidade)
Na grande maioria das vezes, os laudos fornecidos são bem simples e não tem informações suficientes para dar um diagnostico
Se tiver micro-calcificação especificidade 90%
Se for mais alto do que largo 91%
Margens irregulares 76%
Micro calcificação e bordas irregulares 95%
Micro calcificação hipercoico 96%
Muito solido e hipercoico 69%
PAAF(pulsão) não é realizada em pacientes com nódulos de menos de 5mm. De 5 a 10mm, fazer em pacientes dentro do grupo de risco com característica de malignidade. 10 a 15mm fazer em qualquer nódulo hipercoico. 15 a 20mm em diante se tiver nódulo sólido iso ou hiperecoico. Mais de 20mm em nódulos completos e ???. Se na cabeça de vocês colocar que acima de 1cm pulsionar está ótimo! 0,5 a 1 em caso de risco. A PAAF não é capaz de diferenciar o adenoma folicular do carcinoma folicular, por isso todos os tumores foliculares tem indicação cirúrgica, por não poder confirmar malignidade.
Citologia
Classe 1 \u2013amostra insatisfatória. Ou tem muito sangue ou menos de 8 folículos. Repetir a pulsão até 3x, se continuar na classe 1, fazer cirurgia só em caso de risco.
Classe 2 \u2013 nódulo benigno
Classe 3 \u2013 indeterminado 5 a 15% de ser maligno. Nesse caso repetir a pulsão em 3 meses, se der classe 2 é benigno, se continuar na 3 ou for para 4, fazer tireodectomia.
Classe 4 \u2013 anaplasia folicular com nódulo suspeito para neoplasia folicular 15 a 30%. Para saber se é adenoma ou carcinoma, analisar toda a amostra! Se tiver invasão de capsula ou extravasamento é carcinoma, senão é adenoma.
Classe 5 \u2013 Lesão suspeita 60 a 75%. Já opera como câncer.
Classe 6 \u2013 tumor maligno 97 a 99%.
Estadiamento
TODOS OS CANCERES SAO ESTADIADOS!!
T - Indica o tamanho do tumor primário e se disseminou para outras áreas.
N - Descreve se existe disseminação da doença para os linfonodos regionais ou se há evidência de metástases em trânsito.
M - Indica se existe presença de metástase em outras partes do corpo.
Categorias T para o Câncer de Tireoide Papilífero e Folicular
TX - O tumor não pode ser avaliado.
T0 - Não há evidência de câncer.
T1 - O tumor tem até 2 cm de diâmetro e está contido na tireoide.
T1a - O tumor tem até 1 cm de diâmetro e está contido na tireoide.
T1b - O tumor tem entre 1 e 2 cm de diâmetro e está contido na tireoide.
T2 - O tumor tem entre 2 e 4 cm de diâmetro e está contido na tireoide.
T3 - O tumor tem mais do que 4 cm de diâmetro e começa a se desenvolver fora da tireoide.
T4a - O tumor é de qualquer tamanho e cresceu além da glândula tireoide em tecidos próximos ao pescoço, como cordas vocais, traqueia, esôfago ou laringe. Também denominada doença moderadamente avançada.
T4b - O tumor é de qualquer tamanho e cresceu em direção à coluna vertebral ou nas proximidades dos grandes vasos sanguíneos. Também denominado doença avançada.
Categorias T para o Câncer de Tireoide Anaplásico
Todos os cânceres de tireoide anaplásico são considerados T4 no momento do diagnóstico.
T4a - O tumor ainda se encontra dentro da tireoide.
T4b - O tumor cresceu fora da tireoide.
Categorias N para o Câncer de Tireoide
NX - Os linfonodos regionais não podem ser avaliados.
N0 - Não há nenhuma evidência de câncer nos gânglios linfáticos.
N1 - O tumor se espalhou para os linfonodos próximos.
N1A - O tumor se espalhou para os linfonodos da tireoide no pescoço.
N1B - O tumor se espalhou para os linfonodos cervicais ou posteriores a garganta ou do mediastino superior.
Categorias M para o Câncer de Tireoide
MX - Metástase à distância não pode ser avaliada.
M0 \u2013 Ausência de metástases à distância.
M1 - O tumor se espalhou para outras partes do corpo, como linfonodos, órgãos internos e ossos.
Paciente com câncer de tireoide até 45 anos tem prognostico melhor que depois de 45 anos.
Tratamento
Cirurgia + radioiodoterapia + hormonioterapia
Classe 3 e 4 tirar parcial.
Classe 5 e 6 tirar total.
Só se esvazia linfonodo se tirar indícios de metástase.
Depois da cirurgia se faz a radioiodoterapia que é feita com iodo radioativo. O iodo só é absorvido por células da tireoide, então esse iodo vai queimar qualquer célula que tenha permanecido. 
Depois de 10 dias, se faz uma pesquisa de corpo inteiro para ver se tem metástase em alguma parte do corpo.
Hormoterapia é feita pelo levotiroxina. Durante o tratamento evitar tomar omeprazol, ingestão de soja e