PERGUNTAS COM RESPOSTAS DE COMÉRCIO EXTERIOR
8 pág.

PERGUNTAS COM RESPOSTAS DE COMÉRCIO EXTERIOR


DisciplinaFundamentos de Comércio Exterior3.739 materiais45.565 seguidores
Pré-visualização4 páginas
HABILITAÇÃO LEGAL
MICROEMPRESA (ME) OU EMPRESA DE PEQUENO PORTE (EPP) PODEM COMERCIALIZAR COM EMPRESAS ESTRANGEIRAS?
Quanto à exportação, não existe nenhuma restrição legal que impeça alguma empresa de exportar em função do porte ou regime de tributação. Já na importação, as empresas comerciais enquadradas na condição de ME (legislação estadual) ou optantes pelo SIMPLES não poderão importar produtos do estrangeiro para comercialização por imposição das próprias leis que criaram estes dois regimes especiais. Se realizarem uma importação, perderão o respectivo enquadramento. 
PARA IMPORTAR OU EXPORTAR, A EMPRESA NECESSITA DE ALGUM REGISTRO ESPECIAL?
Sim. A empresa deverá inscrever-se no REI (Registro de Exportadores e Importadores) da Secretaria de Comércio Exterior, condição preliminar para habilitar-se nas transações comerciais internacionais. A inscrição pode ser efetuada através do Banco do Brasil, nas suas agências que prestam serviços de comércio exterior. 
PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO REI, HÁ NECESSIDADE DE ALTERAR OS ATOS CONSTITUTIVOS DA EMPRESA?
A exigência básica é a inclusão da atividade de importação e/ou exportação nos seus atos constitutivos ( declaração de FI, contrato social, estatuto, etc.), mediante alteração devidamente registrada nos órgãos competentes. As empresas industriais que desejam exportar estão dispensadas desta obrigatoriedade. 
EXISTEM OUTRAS OBRIGAÇÕES?
Sim. Quando da inscrição no REI, a empresa deverá apresentar certidões negativas da Justiça Federal (impostos federais), Justiça Estadual (ICMS) e de títulos protestados e de falência. Para a empresa comercial que deseje inscrever-se como importadora, será exigido ainda a comprovação de um capital mínimo integralizado de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais).
PESSOAS FÍSICAS PODEM IMPORTAR?
Sim, mas desde que seja para uso próprio, ou seja, não caracterize finalidade comercial. A inscrição de pessoas físicas no REI é válida somente para uma única operação de importação. 
UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE OPTANTE PELO SIMPLES NECESSITA IMPORTAR UMA MÁQUINA PARA SEU PROCESSO DE PRODUÇÃO. JÁ QUE A EMPRESA NÃO DESEJA PERDER SEU ENQUADRAMENTO, QUAL SERIA A ALTERNATIVA VIÁVEL?
A empresa teria duas alternativas:
- importá-la como pessoa física em nome de um dos sócios e, posteriormente, incorporá-la ao patrimônio da empresa mediante subscrição de capital;
- utilizar os serviços de uma empresa comercial importadora ou uma Trading Company, o que normalmente onera o valor final da operação.
ASPECTOS ADMINISTRATIVOS
QUAIS SÃO OS ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELA ADMINISTRAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO?
Diversos órgãos oficiais contribuem direta ou indiretamente para a administração do comércio exterior no Brasil, porém três merecem especial destaque. São eles:
- Ministério das Relações Exteriores: formulação da política exterior do Brasil, manutenção das relações com governos estrangeiros e organizações internacionais e promoção e captação de oportunidades comerciais a partir das diversas embaixadas e consulados no exterior;
- Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio: através da sua Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) é responsável pela formulação, acompanhamento e execução das políticas de comércio exterior e de seus sistemas administrativos como emissão de licenças de importação e exportação nos casos exigidos por lei, elaboração de estatísticas, controle de preços, pesos, medidas e qualidade nas operações de importação, habilitação e controle dos registros de importadores e exportadores, etc.
- Ministério da Fazenda: tendo na sua alçada órgãos como Secretaria da Receita Federal e o Banco Central do Brasil, é responsável pela regulamentação da moeda, câmbio, política e administração tributária e aduaneira, arrecadação, fiscalização de bancos, crédito, instituições financeiras e de seguros privados, etc.
O QUE É SISCOMEX?
SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio Exterior é um sistema informatizado de registro, acompanhamento e controle de informações de comércio exterior, através do qual as empresas processam o licenciamento e/ou registro de suas operações de importação e exportação junto aos órgãos oficiais intervenientes (Receita Federal, SECEX, Banco Central, Ministério da Agricultura, etc.), via terminal de vídeo (Rede SERPRO). Foi implantado em 04/01/93, em substituição aos antigos controles manuais efetuados pela extinta CACEX. Utilizado inicialmente com exclusividade para as exportações, passou a operar também nas importações a partir de 01/01/97. 
SENDO ASSIM, UMA EMPRESA PODE PROCESSAR O LICENCIAMENTO DAS SUAS IMPORTAÇÕES E/OU EXPORTAÇÕES DO SEU PRÓPRIO ESTABELECIMENTO?
Sim, desde que a empresa tenha instalado o software e obtido a senha de acesso junto à Receita Federal. Para isso, a empresa precisa dispor, no mínimo, de um computador 486 DX2 66MHZ, 16 MB de memória, 540 MB de disco rígido, monitor SVGA, placa de vídeo de 1.024 Kbytes, drive 3 ½', mouse e teclado padrão windows, impressora e modem 14.400 bps para acesso discado.
E A EMPRESA QUE NÃO POSSUI ESTA CONFIGURAÇÃO?
A melhor alternativa é contratar um despachante aduaneiro. Na verdade, é extremamente aconselhável que a empresa iniciante no comércio exterior utilize os serviços destes profissionais pois, desta forma, acelerará o processo e evitará possíveis equívocos e esquecimentos que acabam onerando a operação. Caso a empresa já possua experiência no manuseio do SISCOMEX, ela poderá utilizar os terminais das salas de contribuintes da Receita Federal ou das agências do Banco de do Brasil que prestam serviços de comércio exterior.
IMPORTAÇÃO
QUAIS SÃO OS IMPOSTOS INCIDENTES NUMA IMPORTAÇÃO?
Basicamente incidem o II (Imposto de Importação), o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), além do recolhimento de determinadas taxas portuárias e alfandegárias. Para identificarmos as alíquotas destes impostos, que variam em função da mercadoria, devemos proceder a classificação tarifária das mesmas.
O QUE É CLASSIFICAÇÃO TARIFÁRIA DE PRODUTOS?
Como os diversos produtos representam diferentes graus de prioridade para a economia nacional, torna-se necessário que sejam classificadas segundo critérios previamente estabelecidos que possibilitem às autoridades fiscalizadoras reconhecer o seu código NCM/SH, as alíquotas dos impostos incidentes na sua importação, a sua correta descrição (nomenclatura) e o tratamento administrativo ao qual estão subordinadas. A classificação tarifária de um produto é efetuada mediante consulta a TEC (Tarifa Externa Comum).
O QUE É LICENCIAMENTO AUTOMÁTICO E NÃO-AUTOMÁTICO DE UM PRODUTO?
- licenciamento automático: ocorre quando o produto a ser importado não está sujeito ao cumprimento de condições especiais, ou seja, não há necessidade de solicitar autorização de importação previamente ao embarque do produto ;
- licenciamento não-automático: ocorre quando o produto está sujeito a análise prévia do órgão competente.
EXISTEM PRODUTOS PROIBIDOS DE SE IMPORTAR?
Sim. Podemos citar alguns exemplos como detergentes não biodegradáveis, determinados agrotóxicos e materiais usados em desacordo com a legislação.
É PERMITIDA A IMPORTAÇÃO DE MATERIAL USADO?
Segundo as normas administrativas da importação, é permitida a importação de máquinas, equipamentos, aparelhos, instrumentos, ferramentas, moldes e containeres na condição de usados, desde que não sejam produzidos no Brasil (similaridade) e tenham na data de registro do pedido de importação idade inferior ao limite de vida útil. 
EM NOME DE UMA PESSOA JURÍDICA, PODE-SE EFETUAR COMPRAS EM VIAGEM AO EXTERIOR E TRAZER MERCADORIAS COMO BAGAGEM ACOMPANHADA?
Não. A fase de negociação com os respectivos fornecedores pode ser realizada no exterior, porém os procedimentos de licenciamento da importação, desembaraço aduaneiro e cobertura cambial da operação devem ser todos efetuados no Brasil.
PODE SER EFETUADA IMPORTAÇÃO ATRAVÉS DO CORREIO?
Sim. É permitida a importação