A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
RESUMO DE RITMO E DANÇA 2

Pré-visualização | Página 1 de 5

RESUMO DE RITMO E DANÇA
CONCEITO DE RITMO: Ritmo pode ser apresentado como a cadência em intervalos de tempos (de forma periódica). É possível relacioná-lo à música e à arte, e até mesmo pode ser usado para descrever a velocidade de algo.
DEFINIÇÃO DE RITMO: Tudo que tem vida, animal ou vegetal, possui ritmo. Está presente em aspectos biológicos, como no sono, no movimento e também na natureza, inclusive nas máquinas das indústrias! É um princípio vital que tem movimentos regulados e harmoniosos.
Através dos sentidos, também é possível perceber a presença do ritmo
• Audição. • Sentido cinestésico (ação corporal) • Tato • Visão • Senso de tempo.
• Rudolf Bode: o pai da ginástica moderna, que diz que o ritmo é o principal elemento de tudo que vive. Como a vida tem caráter contínuo, ele relata que o ritmo também o é. 
• Emile Jaques Dalcroze: educador e músico criador da rítmica (método de educação global através do rítmico corporal), que narra que o ritmo é um princípio vital e é movimento. 
• Jürgen Werneck: notório preparador físico alemão, que enuncia que o ritmo é a capacidade de se adaptar a um ritmo dado, interiorizá-lo e reproduzi-lo em movimento.
A origem da palavra ritmo tem origem indo-europeia (sreu), que significa fluir, e do grego rhytmos, que indica medida, movimento.
Em Educação Física, o ritmo constitui a integração funcional e a coordenação motora entre todas as forças que estruturam o movimento. Em qualquer prática de ginástica, o ritmo será fundamental.
O ritmo está associado não apenas à música propriamente dita, mas também ao desenvolvimento de esquemas corporais e temporais, que são importantes para o desenvolvimento do andar, do dançar, e também da fala, da leitura e da compreensão de processos como a duração (o rápido e o lento) e sucessão (o antes, o depois e o simultâneo).
OBJETIVOS EM SE DESENVOLVER RITMO CORPORAL: • desenvolver a capacidade física do educando; • procurar a descoberta do próprio corpo; • estimular o ritmo natural; • possibilitar o trabalho em grupo; • estimular a atividade do executante; • incentivar a economia do trabalho, retardando a fadiga e aumentando os resultados.
PRINCÍPIO BASICO DO RITMO: O ritmo tem como princípio básico o relaxamento. Podemos considerar o ritmo como um constante fluxo de movimentos corporais nos quais estão envolvidos contrações e relaxamentos musculares.
• Fases do movimento: 
— Ascensão: correspondente ao estímulo ou pré-impulso de um movimento – precedendo seu ponto culminante (disposição para a tensão); 
— Acento ou ponto culminante do movimento: máxima tensão ou descarga; 
— Descensão ou escoamento: é a fase de relaxamento. 
• exemplo: Salto em altura:
 — As passadas da corrida: refletem a etapa ascendente; 
— O salto propriamente dito (quando o atleta se desprega do chão): corresponde à fase ao acento;
 — O momento da queda: representa o escoamento.
IMPORTANCIA DO RITMO: os profissionais que trabalham com a educação corporal poderão atuar diretamente na formação básica e técnica do aluno, em sua criatividade e na educação do movimento.
• Formação básica do educando: quanto maior for o trabalho corporal dentro dessas ações nas fases iniciais do desenvolvimento humano, por exemplo, a fase infantil, maiores serão as informações registradas pelo praticante, aumentando seu acervo motor. Em nossa atual situação, podemos dizer que as pessoas, entre elas várias crianças, são verdadeiros “analfabetos motores”. 
• Formação técnica do educando: as atividades rítmicas corporais podem agir de forma significativa nas ações motoras específicas de qualquer rítmico técnico. Qualquer que seja a prática, o executante terá maior controle, elevando as possibilidades de acerto em um chute ou um arremesso, por exemplo. Trabalhar gestos motores diferentes dos gestos específicos da modalidade escolhida também é uma proposta bastante significativa, pois potencializará as ações motoras do esporte em questão. O ritmo técnico do movimento depende dos seguintes aspectos: do objetivo do exercício e do estímulo exigido, do quão equilibrada estão as qualidades físicas dos praticantes, da individualidade biológica e da capacidade de percepção de cada um. 
• Criatividade: em geral, os indivíduos não usam a imaginação para transformar o saber que têm em comportamentos criativos. Estimular o educando a desenvolver sua criatividade através das atividades rítmicas corporais promove a expansão de suas habilidades e sua autoconfiança. • Educação do movimento: seja em atividade recreativa, seja esportiva, os movimentos feitos com menor esforço adquirem maior qualidade e maior naturalidade.
Nas aulas de Educação Física, descobrir e trabalhar o ritmo colabora para a evolução da aprendizagem motora, pois auxilia a compreensão dos mecanismos dos movimentos e incentiva a economia do trabalho, tanto de ordem física quanto mental.
ESTRUTURAÇÃO DO RITMO:
• Ritmo individual: é o ritmo que cada um de nós possui, de acordo com nossas características próprias. Ex: ritmo de amadurecimento, de crescimento, de aprendizagem.
• Ritmo grupal: equivale à capacidade que o homem tem de adaptar e experenciar seu ritmo individual, igualando-se, portanto, ao movimento rítmico do grupo. Ex: pessoas de ritmos distintos (uma pessoa lenta, outra agitadíssima etc.) executando um mesmo tipo de movimento.
• Ritmo mecânico: assinalado por movimentos que são sempre uniformes. É característico nas máquinas. Exemplo: relógio, ventilador etc. 
• Ritmo disciplinado: é o condicionamento de um ritmo predeterminado. Ex: a marcha de soldados da infantaria (120 passos por minuto). 
• Ritmo natural: é o ritmo do crescimento, dos fenômenos de natureza animal, vegetal e universal (atômico e astronômico). Exemplo: o crescimento de uma planta.
 • Ritmo espontâneo: representa uma interferência externa que muda seu ritmo individual momentaneamente. Realiza-se de modo espontâneo. Ex: gritar e pular ao ouvir uma boa notícia. • Ritmo refletido: é a reflexão sobre a métrica, que significa medida do ritmo. Ex: quando um músico, ao tocar um instrumento, fica concentrado no andamento da música. 
ARRITMIA: A arritmia resulta da falta de coordenação entre o sistema nervoso central e o sistema muscular.
Indivíduo rítmico: é aquele que possui equilíbrio e permanente harmonia corporal. Para alcançarmos tal estágio, as experiências corporais são essenciais. 
Indivíduo arrítmico: não apresenta ritmo. As dificuldades encontradas pelo indivíduo arrítmico ao realizar um movimento estão ligadas à falta de capacidade do cérebro em emitir ordens rápidas ao músculo responsável por executá-lo ou à impossibilidade de fazê-lo.
Indivíduo não arrítmico: Diferentemente do indivíduo arrítmico, a coordenação do complexo neuromuscular do indivíduo não arrítmico é preservada. Suas disfunções provêm de outros fatores: 
• Falta de concentração
 • Falta de vontade
 • Falta de atenção
• Baixa autoestima
 • Falta de confiança em si
Você pode notar que os motivos externos elencados anteriormente podem, de forma momentânea, fazer com que um indivíduo rítmico se torne um indivíduo não arrítmico.
EURRITMIA: é um sistema de treinamento da sensibilidade musical baseado no movimento rítmico. Nele, os princípios que compõem a eurritmia vão se organizar na relação entre o corpo e o som.
Emile Jaques-Dalcroze: percebia que seus alunos acompanhavam e executavam o que viam na partitura de modo muito mecânico. Acreditava em um sistema de ensino no qual a educação auditiva deveria começar pelo senso rítmico, este composto pelo sistema muscular. Assim, com esse novo modelo, o corpo seria o instrumento principal para assimilar a música.
Para Dalcroze, os estudantes precisavam possuir maior coordenação entre olhar, escutar, a mente e o corpo. Concluiu que para tocar bem, o primeiro instrumento a ser treinado deveria ser o corpo. “Dalcroze quer que a música, passando pelo ouvido, chegue até a alma para abraçá-la e que a alma transforme o corpo em ressonância”.
ELEMENTOS DO RITMO
PULSO: é o primeiro

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.