Astenia perda de peso e anemia
99 pág.

Astenia perda de peso e anemia


DisciplinaMedicina10.090 materiais32.089 seguidores
Pré-visualização29 páginas
hemolíticos para manter níveis adequados de hemoglobina.
Seu tratamento é de suporte e baseado na transfusão de concentrado de hemácias
leucorreduzidas.
 
 
TRATAMENTO NÃO-CONVENCIONAL
\u25cf Transplante de medula óssea
\u25cf Administração oral de hidroxiuréia, um agente indutor da síntese de hemoglobina fetal.
A hidroxiuréia um agente que induz depressão da medula óssea, atenção especial deve ser
tomada em relação ao número de granulócitos, plaquetas e reticulócitos que não devem ser inferiores
a 2 x 109/L, 100 x 109/ L e 50 x 109/L respectivamente.
A HU já teve seu papel comprovado na diminuição das CVO, da necessidade de transfusão, e dos
episódios de síndrome torácica aguda. Seu uso deve ser interrompido naqueles com possibilidade de
infecção, pelo risco de piora do quadro por supressão da resposta medular.
Outros agentes como butirato e derivados, ou outros ácidos orgânicos de cadeias curtas como
ácido valpróico também induzem ao aumento da HbF e encontram-se em estudo para eventual uso
nestes pacientes.
A associação de grandes doses de eritropoetina, hidroxiuréia e ferro também parece
aumentar substancialmente os níveis de HbF.
 
ANEMIA APLASTICA: É um distúrbio da hematopoese que se caracteriza por pancitopenia e
depleção/redução de células eritróides, granulocíticasme megacariocíticas na medula óssea.
As células hematopoiéticas (mieloides) são incapazes de proliferar, diferenciar-se ou dar
origem a novas células sanguíneas maduras e seus precursores.
ETIOLOGIA: Pode ocorrer de forma hereditárias ou fatores causais, como drogas, vírus,
compostos orgânicos e radiações.
Exemplos de drogas: quimioterápicos, antibióticos citotóxicos, alguns antiinflamatórios,
analgésicos, antitireoidianos.
Hepatite viral é a causa infecciosa mais comum, evoluindo para esse estágio 1-5% dos
pacientes. CMV e HIV podem causar.
 
FISIOPATOLOGIA: Estudos in vitro confirmaram que a pancitopenia na anemia aplástica
adquirida resulta de uma deficiência quantitativa das células progenitoras hematopoiéticas.
 
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Inicia-se com sintomas comuns das anemias, como: fraqueza
progressiva, fadiga, cefaléias, dispnéia de esforço, petéquias, equimoses, epistaxe, metrorragias e
sangramento gengival.
Mesmo na presença de neutropenia muito grave, infecção geralmente não é uma manifestação
comum.
Se a anemia for grave poderá haver taquicardia e sopros associado a altos estados de fluxo.
Hepatomegalia e esplenomegalia estão notadamente ausentes. Deve-se suspeitar de anemia
aplástica nos casos em que o paciente com pancitopenia apresente anemia normocítica e
normocrômica e arregenerativa; trombocitopenia com plaquetas de tamanho normal; neutropenia e
ausência de células anormais no diferencial dos leucócitos.
A confirmação diagnóstica se faz por meio de avaliação morfológica e citogenética de
medula óssea.
Diferencia-se de síndrome mielodisplásica hipocelular, pois as poucas células encontradas
na patologia citada contêm alterações displásicas (granulócitos imaturos, eritrócitos nucleados) e o
cariótipo da medula pode apresentar alteração clonal.
 
 
SÍNDROMES ANEMICAS
Sintomas
\u25cf Dispnéia aos esforços
\u25cf Taquicardia, palpitações
\u25cf Diminuição da tolerância aos esforços
\u25cf Astenia, fadiga
\u25cf Tontura postural
\u25cf Cefaléia
Sinais
\u25cf Palidez pele e mucosas
\u25cf Alopécia
\u25cf Glossite atrófica, queilose angular
\u25cf Unhas quebradiças
\u25cf Sopro sistólico, Cor anêmico
Podem ser classificadas quanto à proliferação (pelo índice de reticulócitos) e quanto à
morfologia ( pela ectoscopia da hemácia ou valores de VCM e HCM)
Diagnóstico diferencial
\u25cf Insuficiência Cardíaca
\u25cf Insuficiência Coronariana
\u25cf Doenças Pulmonares (DPOC)
ASTENIA E FADIGA
 Astenia é a sensação de fraqueza, quase sempre acompanhada de mal-estar indefinido
que só melhora com o repouso. Junto com a sensação de fraqueza, pode ocorrer cansaço ao realizar
as atividades habituais, o que caracteriza fadiga, ou seja, falta de energia ao realizar pequenos
esforços.
 Essa queixas não devem ser menosprezadas, pois os pacientes dão grande importância
a elas pela sensação desagradável e, principalmente, pela dificuldade em exercerem suas atividades
diárias, o que compromote a qualidade de vida do paciente.
 É importante estabelecer as situações do dia-a-dia em que aparecem os sintomas,
intensidade, duração, fatores de melhora ou piora, sintomas associados.
 Inúmeras são as causas de astenia e fadiga:
\u25cf Doenças infecciosas e parasitárias;
\u25cf Viroses;
\u25cf Anemia;
\u25cf Desequilíbrios eletrolíticos (perda especialmente de sódio e potássio, por vômitos, diarréia,
sudorese profunda, diurese intensa);
\u25cf Doenças crônicas \u2013 Artrite Reumatóide, Insuficiência Cardíaca, DPOC, Insuficiência Renal,
Insuficiência Supra-Renal, Hipotireoidismo, Hipertireoidismo, Hepatopatias.
\u25cf Hipoglicemia;
\u25cf Uso prolongado de medicamentos tranquilizantes e hipnóticos;
\u25cf Neoplasias (especialmente em estádio avançado, acompanhadas de perda de peso e
comprometimento do estado geral).
 
\u2022 Duracao:
Recente: < 1 mes
Prolongada: 1 \u2013 6 meses;
Cronica: > 6 meses;
\u2022 Apresentacao clinica heterogenea;
\u2022 Associacao etiologica/fisiopatogenica variada:
Diagnosticos somaticos ou psiquiátricos elucidam 2/3 das queixas, quando cronicas;
 
DIAGNOSTICO DIFERENCIAL DE ASTENIA
 
Etiologias:
Cardiovascular (ICC);
Respiratoria (pneumopatias cronicas);
Endocrinas (tireoide, adrenal...);
Hepaticas (insuficiencia);
TGI (sangramento cronico \u2013 anemia);
Renal (IRC \u2013 anemia);
Ginecologicas (sangramento via TGU, menopausa
horm. sexuais);
Nutricional (ferro, vitamina B12, folato anemia);
 
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL EDEMA E DOR ARTICULAR NA INFÂNCIA
1- Febre Reumática: acomete principalmente crianças e adolescentes na faixa etária de 5 a 15
anos.
2- Artrite reumatóide juvenil: pode iniciar-se em qualquer idade até 16 anos.
3- Artrite séptica: crianças menores de 2 anos parecem ser mais susceptíveis.
4- Artrite gonocócica: em adolescentes sexualmente ativos.
5- LES, Dermatomiosite : mais comum no sexo feminino.
6- Leucemia Linfocítica Aguda e Linfoma não-Hodgkin: incidem mais em meninos.
7- Doenças do tecido conjuntivo \u2013 dores de menor intensidade.
8- Anemia falciforme
Artrite de padrão simétrico - com duração de 1 a 3 semanas e muito dolorosa. Síndrome dolorosa
crônica.
Síndrome mão-pé \u2013 síndrome dolorosa aguda.
Cerca de metade dos casos de crise vasoclusiva e dor apresenta edema e aumento da
sensibilidade da região afetada, febre, taquipnéia, náuseas, vômitos. A dor pode durar poucas horas
ou até duas semanas. Ossos e articulações são os principais locais das crises vasoclusivas. Os
principais locais de dor são tórax, braços, pernas.
PANCITOPENIA, LINFADENOMEGALIA E HEPATOESPLENOMEGALIA
PANCITOPENIA: É a diminuição global de elementos celulares do sangue (produção insuficiente
das três séries mielóides)
\u25cf Glóbulos brancos
\u25cf Glóbulos vermelhos
\u25cf Plaquetas
 
CAUSAS
1. Doenças que afetam a medula óssea: Hematopoiese inefetiva com morte celular na própria
medula óssea. Formação de células defeituosas que são rapidamente removidas da
circulação
Ex: Mielofibrose, leucemia, anemia aplasica, e uma forma maligna de osteoporose.
2. Seqüestro e/ou destruição periférica: de todas as linhas de elementos sangüíneos pela ação
de anticorpos no hiperesplenismo (baço super-ativo)
3. Outras causas:
Quimioterapia para doenças malignas se a droga ou drogas utilzadas causarem supressão da
medula óssea.
HIV
Perda de sangue, ocasionado por acidentes
Brucelose (doença bacterina que acomete principalmente aqueles trabalhadores que mantém
contato frequente com animais ou seus produtos).
 
CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS
\u25cf Hemoglobina menor que 10
\u25cf