A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Tarefa Dissertativa Teoria Geral da Admnistração ESAB

Pré-visualização | Página 1 de 1

A crítica aos diretores da Belíssima Confecções
Juliana Bastos é gerente da Belíssima Confecções, na qual é muito bem quista pelas costureiras da fábrica, pois a consideram amiga e atenciosa. Entretanto, vem recebendo críticas dos diretores da empresa, com as quais não concorda. Ela diz que os diretores da confecção:
·demonstram uma inadequada visualização dos problemas de relações industriais;
·manifestam uma visão ingênua e romântica dos operários;
·apresentam suas conclusões sempre parciais e limitadas;
·se referem apenas aos grupos informais;
·desenvolvem um enfoque manipulativo nas relações humanas.
O que Juliana pode fazer para minimizar suas divergências com seus diretores?
Antes de tentar ajudar Juliana, faça um breve relato sobre as principais críticas da Teoria das Relações Humanas. Depois, ainda de maneira dissertativa, tente buscar nos nossos estudos de motivação humana elementos que estão aparecendo nesta situação. Elabore um texto de 20 a 30 linhas.
Resposta:
	
	1-
 Inadequada visualização dos problemas de relações industriais: a teoria
 negou e falhou quanto ao reconhecimento do conflito entre os interesses
 da empresa e dos funcionários. Nas organizações sempre existem 
conflitos entre superiores e subordinados, e os estudiosos da época os 
negaram, pois acreditavam que o conflito era ruim e devia ser 
minimizado.
2- Concepção ingênua e romântica do operário: Os estudos de 
Hawthorne sugeriam que empregados felizes são empregados produtivos e 
integrados ao ambiente de trabalho. Essa relação entre felicidade e 
satisfação no trabalho é inadequada porque representa visão simplista da
 natureza humana, uma vez que funcionários infelizes podem produzir 
bastante.
3- Parcialidade das conclusões: enquanto a Teoria Clássica se 
restringiu à organização formal, abrangendo um pequeno número de 
variáveis para explicar seus pontos de vista, a Escola das Relações 
Humanas igualmente se mostrou parcialista, restringindo-se à organização
 informal e, portanto, sofrendo da mesma escassez de variáveis, uma vez 
que enfatiza os aspectos informais e renega os formais. Isto é, mesmo na
 abordagem dos fatores humanos em que a teoria mais se concentrou, as 
conclusões não vão ao ponto central do problema.
4- Ênfase nos grupos informais: a Teoria das Relações Humanas se 
concentra no estudo dos grupos primários como seu principal campo de 
atuação e supervaloriza a coesão grupal como condição de elevação da 
produtividade. A organização das pessoas em grupos informais representa 
apenas uma característica capaz de influenciar a produtividade. Por 
isso, a evidência da pesquisa sobre a superioridade da decisão de grupo é
 conflitante e inconclusiva. A teoria manteve a superioridade da decisão
 do grupo sobre a decisão individual, pois o indivíduo não quer perder 
sua identidade com o grupo que pertence.
5-Enfoque manipulativo das relações humanas: podemos até reconhecer 
que os autores da Escola das Relações Humanas tenham se preocupado com o
 bem-estar e a felicidade dos trabalhadores, no entanto, não podemos 
esquecer que essa preocupação não é a função principal da organização – 
que se deve preocupar em produzir e gerar lucros. Daí nasce essa 
crítica, uma vez que as pesquisas de Hawthorne foram patrocinadas pela 
Western Electric Co. Boatos críticos surgiram levantando a hipótese de 
que os experimentos e as suas conclusões eram sutis estratégias 
manipulativas (manipulação) que visavam enganar os trabalhadores para 
fazê-los trabalhar mais, exigindo menos. Visão corroborada por 
Chiavenato (2011), que nos ensina que essa estratégia manipulativa 
visava modificar o comportamento do empregado a favor dos objetivos da 
Administração.
O que foi apresentado no exercício, a gerente Juliana utiliza com 
propriedade as ferramentas descritas na Teoria das Relações humana, 
como: dinâmica de grupo, motivação, liderança, comunicação, organização 
informal. Além disso, a liderança da Gerente, apresenta traços de 
liderança democrática, na qual consulta aos níveis inferiores, 
permitindo delegações e participações restritas, com relações 
interpessoais com certa confiança nas pessoas e nas relações, 
incentivando à cooperação entre o grupo.Por outro lado, a gerente deve 
apresentar aos diretores, série histórica dos resultados da equipe, 
antes e após a liderança dela, com isso, conseguirá provar que, com 
essas constatações, a Escola das Relações Humanas juntamente com a 
motivacional contribui significativamente para o aumento e eficiência da
 produção.Com os argumentos apresentados, juntamente com os resultados, a
 Gerente irá conseguir minimizar as críticas ao modelo por ela adotada.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.