A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Prova 2 OSTEOARTRITE

Pré-visualização | Página 1 de 1

OSTEOARTRITE
Epidemiologia
Pouco comum abaixo dos 40 anos
Mais freqüente após os 60 anos
Aos 75 anos 85% das pessoas tem evidência clínica ou radiológica da doença
Corresponde a 30-40% das consultas em ambulatório de reumatologia
Classificação
Osteoartrose primária: ocorre devido o avançar da idade (envelhecimento natural da cartilagem); hereditariedade
Osteoartrose secundária: identificamos uma causa subjacente: gota, condrocalcinose, AR, trauma, necrose avascular, Paget, displasias, etc. (alguma lesão que predispõe ao aparecimento da artrose)
Fisiopatologia
Idade
 Sexo: artrose de mãos e joelhos predominam em mulheres; coxartrose predomina em homens
 Fatores genéticos
Fatores metabólicos: depósitos articulares de cristais (pacientes com causa secundaria)
Fatores mecânicos: traumas, obesidade (sobrecarga na articulação com o peso do corpo)
Mecanismo bioquímico
Enzimas da cartilagem: os condrócitos liberam metaloproteinases que degradam a matriz extracelular (proteoglicanos e colágeno tipo II)
Interleucinas: IL-1, IL-6 e TNF- alfa são secretados pelos condrócitos e sinoviócitos e atuam diminuindo a síntese de colágeno tipo II, estimulam a produção de metaloproteinases, e estimulam mecanismos pró-inflamatórios
Radicais livres: condrócitos produzem óxido nítrico que exerce efeitos deletérios sobre a cartilagem.
Fisiologicamente o fêmur não a tíbia, há um espaço preenchido por liquido sinovial. A cartilagem recobre o osso e é composta por condrocitos que estão mergulhados na matriz extracelular composta por proteoglicanos e colágeno tipo II. Na artrose, os condrocitos produzem enzinas q vão degradar a matriz, tb há liberação de IL e TNF que estimulam o processo inflamatório e por ultimo liberam radicais livres que tem efeito deletério sobre a cartilagem. Então essas três substancias são produzidas pelos condrocitos e degeneram a cartilagem
A cartilagem é avascular e aneural assim sua nutrição é feita por osmose do liquido sinovial. O osso subcondral esta em contato intimo com a cartilagem e é muito vascularizado e inervado então quando há a artrose que é a degeneração da cartilagem, desgantando-a e aproximando-se do osso há presença de dor. 
Assim toda vez que nosso organismo é lesado, este tenta se reconstituir induzindo a deposição de tecido ósseo de forma desorganizada formando osteocito (neoformação óssea) no lugar da cartilagem
Rx: redução do espaço articular, esclerose subcondral, osteofito (pontas osseas)
Quadro clinico
São geralmente mono ou oligoarticulares
Localizações mais freqüentes: coluna cervical e lombar, joelhos, mãos, coxofemurais e pés.
Quando em localização atípica devemos suspeitar de artrose secundária.
Sinais e sintomas: dor, rigidez pós-repouso de curta duração, creptação palpável, espasmo e atrofia da musculatura satélite, limitação da amplitude de movimento, mal alinhamento articular e defeitos posturais.
Os sinais de inflamação quando presentes são discretos.
AO de joelhos (gonartrose)
É a localização periférica mais comum
Predomina entre 50-60 anos
Predomina no sexo feminino
Relação com obesidade
Pode atingir os compartimentos femuro-tibial e femuro-patelar
Diminuição do espaço articular
Esclerose óssea subcondral
Osteofitos
AO de mãos
Mais comum nas mulheres 
Inicia-se a partir da 5ª década
Nódulos de Heberden: nodulações nas interfalangeanas distais ( lembra AR mas esta raramente acomete interfalangianas distais)
Nódulos de Bouchard: nodulações nas interfalangeanas proximais
Rizartrose: artrose da 1ª articulação carpo-metacárpica (quem faz trabalhos manuais)
AO coxofmoaris (coxartrose)
Mais freqüente nos homens
Caracteriza-se por dor, limitação funcional pode ser importante com prejuízo da marcha
A dor pode irradiar-se para a face anterior da coxa até os joelhos
Articulação profunda e difícil avaliar. No exame físico apresenta limitação de movimento e pode alterar macha
AO de coluna cervical e lombar
Os segmentos mais acometidos são C5-C6-C7 na cervical
Os segmentos mais acometidos são L4-L5-S1 na lombar
Pode levar a sintomas de compressão radicular (cervicobraquealgias e lombociatalgias)
Artrose e hérnia de disco gostam de segmentos mais baixos. Podem ser assintomática ou apresentar dor- se osteofitos saírem na parte posterior pode comprimir raiz nervosa e dar sintomas semelhantes da hérnia de disco- compressão de raiz nervosa
Diagnostico diferencial
Artrose erosiva de mãos x artrite reumatoide ( ambas causam deformidades na mãos-nodulos)
Artrose de coxofemural x bursite troncantérica
Artrose cervical x pontos dolorosos da FM (tenders points da FM- coluna e trapézio)
Na artrose os exames laboratoriais são normais. (não tem provas inflamatórias positivas- naõ altera pq não é processo inflamatório sistêmico, diferente da artrite que apresenta provas inflamatórias positivas)
 Análise do líquido sinovial é tipo I (liquido normal com aumento do numero de células)
A radiologia simples é exame complementar mais importante para o diagnóstico (rx suficiente na maioria dos casos)
Eventualmente poderá ser necessário TC ou RNM ( na suspeita de compressão radicular)
Tratamento não medicamentoso
Perda de peso
Repouso por 12 a 24h na fase aguda (Não é recomendado repouso, somente em fase de processo inflamatório intenso –fase aguda. A pessoa acha q pelo fato da articulação ta desgastado deve fazer repouso para evitar ainda mais seu desgaste mas não é isso q acontece pois o exercício na verdade irá desenvolver a musculatura, então o exercício é recomentado pq além de artrose se tiver atrofia muscular é pior)
Massagens: tem efeito relaxante e sedativo e podem ser feitas na musculatura satélite (não na articulação)
Gelo: aplicações locais por 20-30min.nas fases agudas
Calor: contra-indicado na fase aguda. É benéfico quando há contratura muscular
Tens- estimulação elétrica transcutanea que podem produzir bom efeito analgésico
Exercícios para fortalecimento da musculatura satélite
Tratamento medicamentoso
Analgésicos: paracetamol
AINH
Medicações tópicas: AINH tópicos; capsaicina tópica 0,025 a 0,075% (a absorção do AINH pela pele não é muito intensa, assim indicado apenas para artrose leves) Usado muito para joelho, fácil acesso- indicado para paciente que não pode usar medicação oral
Medicações intra-articulares: corticóides (no máximo 3 infiltrações por ano) viscosuplementação com injeções semanais de ácido hialurônico (num total de 3-5 injeções)-ac hialuronico sintético é como se tivesse injetando liquido sinovial-retardando a progressão da artrose
Antiartrósicos de ação lenta
Medicação que impede a liberação de enzinas que degrada a cartilagem e retarda o processo da artrose. O q já degradou não consegue recuperar mas pode impedir sua evolução
Cloroquina: Inibe IL-1. Indicada quando há componente inflamatório persistente, nas artroses erosivas de mãos e na OA generalizada
ASU (extrato insaponificável de óleo de abacate e soja) Piascledine®: inibe IL-1 e estimula a síntese do colágeno.Dose única 300mg/dia
Sulfato de glucosamina: estimula a síntese de proteoglicanos. Dinaflex® na dose 1,5g/dia
Sulfato de condroitina: atividade anti-inflamatória, estimula a síntese de hialuronato e proteoglicanos, inibe a atividade das enzimas degradadoras da cartilagem. Dose:1,2g/dia (Isolado ou associado, muito utilizado) capsulas ou saches
Tratamento cirúrgico
Indicado na falha do tratamento conservador
Dor refratária
Deformidades 
Perda da função articular
Podem ser realizadas osteotomias, artrodeses ou próteses
Artrose de joelho-protese- boa resposta