A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
179 pág.
Condutas práticas em UTI

Pré-visualização | Página 30 de 50

(evitar pancurônio). 
 Os principais efeitos colaterais secundários à administração prolongada dos BNM são a 
atrofia com conseqüente fraqueza muscular, a dificuldade do desmame da ventilação 
mecânica e uma maior incidência de pneumonia nosocomial. 
 
Succinilcolina ou suxametônio 
 Apresentação: Quelicin pó liofilizado FA com 100 mg e 500 mg 
 Curta duração: meia-vida 2 a 4 minutos 
 Doses: 
 Para facilitar a intubação traqueal: 
 Preparo: diluir 01 FA com 100 mg em 10 mL de água destilada (10 mg/mL) 
 Administrar 1 a 2 mg/kg EV = 0,1 a 0,2 mL/kg 
 Efeitos adversos: Os efeitos colaterais limitam sua utilização às situações que exigem 
intubação rápida. 
 Fasciculação, mialgia, aumento da pressão intraocular, intracraniana e intragástrica, 
hipertermia maligna3; em queimados, lesões por esmagamento e situações 
associadas a atrofia muscular intensa (imobilização prolongada, paraplegia) pode 
determinar rabdomiólise com hiperpotassemia e arritmias cardíacas graves. 
 Não é indicado no trauma com esmagamento, em queimados, nos pacientes com 
insuficiência renal crônica, paralisias crônicas ou doenças neuromusculares crônicas 
pois pode acarretar grave hiperpotassemia. Outras contra-indicações: hipertensão 
intracraniana, glaucoma, história pessoal ou familiar de hipertermia maligna. 
 
 
 
3
 Síndrome de instalação súbita, com intensas contraturas, rigidez muscular, embotamento do sensório e febre 
> 41C. Resulta do influxo agudo de cálcio no citoplasma das células musculares a partir do retículo 
sarcoplásmico. Hipercalemia, hipofosfatemia, acidose metabólica, taquiarritmias, rabdomiólise, insuficiência 
renal, colapso vascular, choque e PCR podem estar presentes, assim como edema cerebral e hemorragia 
cerebral. O tratamento da hipertermia maligna é feito com dantrolene (DANTROLEN, frasco-ampola 20 mg) 1 a 
2,5 mg/kg a cada 5 a 10 minutos, não excedendo 10 mg/kg. O dantrolene é um derivado da hidantoína com 
propriedades de relaxamento muscular esquelético por inibição do fluxo de cálcio através do retículo 
sarcoplásmico. O resfriamento do paciente, com banhos frios e/ou soluções geladas por via gástrica, é uma 
medida coadjuvante também indicada. 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 97 
Pancurônio 
 Apresentação: Pavulon ampolas de 4 mg em 2 mL 
 Longa duração: meia-vida 60 a 120 minutos 
 Embora possa ser administrado em infusão contínua, o modo intermitente é o mais 
utilizado. 
 Dose de ataque: 0,1 mg/kg (0,25 mL/kg da solução decimal a 0,4mg/mL) EV em bolus 
 Dose intermitente: 0,1-0,2 mg/kg (0,25 a 0,5 mL/kg da solução decimal) EV em bolus 
a cada 1 a 3 horas 
 Infusão contínua: 
 Preparo da solução: 100 mg em 250 mL (concentração de 0,4 mg/mL; igual à da 
solução decimal) 
 0,5 a 2 g/kg/minuto (1,25 a 5 mL/kg/min) após a dose de ataque 
 Efeitos adversos: Taquicardia e hipertensão arterial (efeito vagolítico); a dose em bolus 
pode induzir flushing, taquicardia e broncoespasmo (liberação de histamina). 
 Contraindicado: Não usar em pacientes com insuficiência renal ou hepática ou 
apresentando instabilidade hemodinâmica. 
 
Atracúrio 
 Apresentação: Tracrium, Tracur ampolas de 2,5 mL e de 5 mL com 10mg/mL 
 BNM de ação-intermediária (20-25 minutos) 
 Mínimos efeitos cardiovasculares 
 Liberação de histamina nas doses mais elevadas (dose-dependente) 
 Metabolizado por colinesterases plasmáticas ou eliminação de Hoffmann, não havendo 
contraindicação a seu uso na insuficiência renal ou hepática 
 Dose de ataque: 0,5 mg/kg (0,5 mL/kg da solução decimal a 1 mg/mL) 
 Dose intermitente: 0,1-0,15 mg/kg (0,1 a 0,15 mL/kg da solução decimal) EV cada 3 
horas 
 Infusão contínua: 5 a 10 g/kg/minuto 
 Preparo: 20 mL em 80 mL de SF0,9% (2 mg/mL) 
 Velocidade de infusão inicial: 5 g/kg/min (0,15 mL/hora) 
 Ex: 70 kg = 0,15 mL x 70 kg = 10 mL/hora 
 Desprezar a infusão 24 horas após seu preparo 
 
 
Recomendações Gerais para Escolha do Bloqueador Neuromuscular 
 A maioria dos pacientes de UTI para os quais são prescritos BNMs podem ser 
eficazmente conduzidos com pancurônio. Para pacientes nos quais a vagólise é contra-
indicada (pacientes com doenças cardiovasculares descompensadas), utilizar atracúrio. 
 Devido a seu metabolismo único, o atracúrio é recomendado para pacientes com 
doença hepática ou renal significativa. 
 
 
REFERÊNCIAS 
 
1. American Society of Anesthesiologists Task Force on Sedation and Analgesia by Non-
Anesthesiologists. Practice guidelines for sedation and analgesia by 
nonanesthesiologists. Anesthesiology 2002;96:1004-17. 
2. Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Recomendações da AMIB sobre analgesia, 
sedação e bloqueio neuromuscular em terapia intensiva. AMIB, 1999. 
3. Jacobi J, Fraser GL, Coursin DB, et al. Clinical practice guidelines for the sustained use 
of sedatives and analgesics in the critically ill adult. Crit Care Med. 2002;30:119–141. 
4. Murray, MJ, Cowen, J, DeBlock, H, et al Clinical practice guidelines for sustained 
neuromuscular blockade in the adult critically ill patient. Crit Care Med 2002;30,142-
156. 
 
 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 98 
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA 
 
CAUSAS DE IRA 
 
Insuficiência Renal Aguda 
Pré-Renal 
Depleção volêmica 
Diuréticos 
Perda renal de sal 
Insuficiência adrenal 
Perdas gastrointestinais 
• Choque 
Cardiogênico 
Séptico 
Hemorrágico 
Insuficiência adrenal 
• ICC 
Cirrose 
Nefrose 
Perda para terceiro espaço 
Estenose da artéria renal 
 
Renal Pós-Renal 
Obstrução da bexiga 
CA de bexiga ou próstata 
Litíase 
Bexiga neurogênica 
Sonda vesical obstruida 
Obstrução ureteral BL 
Litíase 
Tumor 
Necrose papilar 
Coágulo 
Compressão extrínseca 
Fibrose retroperitoneal 
 
Vascular 
Embolo ou trombo arterial 
agudo 
Embolo de colesterol 
Poliarterite nodosa 
Síndrome por anticorpo 
antifosfolípide 
Púrpura trombocitopênica 
trombótica ou síndrome 
hemolítico-urêmica 
Eclâmpsia ou necrose 
cortical 
Hipertensão maligna 
Crise renal do 
escleroderma 
Túbulo-intersticial 
Lesão Renal Aguda 
Isquemia 
Nefrotoxicidade 
Contraste radiológico 
Nefrite intersticial aguda 
• Nefrite intersticial 
alérgica 
• Infecções 
• Sarcoidose 
• Síndrome TINU 
(tubulointerstitial 
nephritis and uveitis) 
Rim do mieloma 
Induzida por pigmento 
Cristalúria 
Síndrome da lise tumoral 
Glomerular 
Doença antimembrana 
basal glomerular 
Vasculite associada ao 
ANCA 
• Granulomatose de 
Wegener 
• Poliangiíte microscópica 
• Síndrome de Churg-
Strauss 
Glomerulonefrite por 
imunocomplexo 
• LES 
• Crioglobulinemia 
• Endocardite bacteriana 
subaguda 
• Glomerulonefrite pós-
estreptocócica 
• Glomerulonefrite 
membranoproliferativa 
• Nefropatia por IgA ou 
púrpura de Henoch-
Schonlein 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 99 
CRITÉRIO RIFLE 
Classificação Filtração glomerular Volume urinário 
RISK (Risco)  1,5x creatinina sérica ou  RFG > 25% < 0,5 mL/kg/h em 6h 
INJURY 
(Lesão) 
 2x creatinina sérica ou  RFG > 50% < 0,5 mL/kg/h em 12h 
FAILURE 
(Insuficiênci
a) 
 3x creatinina sérica ou creatinina sérica 
 4mg/dL com elevação aguda 
>0,5mg/dL ou  RFG > 75% 
< 0,3 mL/kg/h em 24h 
ou anúria por 12h 
LOSS (Perda da função) IRA persistente por mais de 4 semanas 
DRT – Doença Renal Terminal Insuficiência renal acima de 3 meses 
 
Critério AKIN (Acute Kindney Injury Network) 
 Redução abrupta (dentro de 48 horas) na função renal definida como