Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Bronquite infecciosa das galinhas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Bronquite infecciosa das galinhas
É uma doença viral, q atinge aves de 
todas as idades, tem distribuição mundial, atinge trato respiratório e urogenital, causa infecções respiratório causando queda de postura e danos renais importante. Tem grande impacto econômico, onde há uma queda de desempenho zootécnico, aumenta a morbidade no plantel devido as infecções respiratório, há queda na produção de ovos e queda de produção devido os danos renais.
Os efeitos negativos de uma 
infecção de BI pode ser prevenidas por vacinas e ao implementat princípios de biossegurança.
Microbiologia do vírus
É um vírus pleomorfico, envelopado 
c/ espículas na superfície, c/ ssRNA, pertencente a família do coronaviridae, um vírus frágil (efectividade facilmente perdida), é resistente a PH 2 – 12, é inativado após 15min a 56°c e após 90min a 45°c e sensível a desinfetantes comuns.
O vírus e a estrutura da proteína.
4 proteínas virais estruturais, designadas (S, M, E,N)
S - glicoproteína da espícula (spike) - 
epítopos de ligação e neutralização de vírus 
M - proteína de membrana – 
proteína integral de membrana 
E - proteína do envelope – 
importante para a montagem do vírus 
N - nucleoproteína - cerca e 
protege o genoma de RNA viral.
Epidemiologia
Distribuição mundial
Galinhas – hospedeiros 
naturais/todas idades – isolado a partir de: perus, faisões, codornas, perdizes.
Sinais clínicos mais graves:
Galinhas: queda nas seis semanas de 
vida
Aumento da morbidade dependendo 
da idade do animal infectado e presença de uma infecção secundaria por ESCHERICHIA COLI.
Disseminação
É um vírus altamente contagioso
Período de incubação de 18-36hrs
Propagação p/ o lote em 1-2dias
Formas de transmissão: 
Horizontal: aerossol 
(espirros), matéria orgânica (H2O e equipamentos)
Vertical: da galinha p/ sua 
progênie – contamina a superfície dos ovos (incubadoras/ instalações/ embalagem).
Patogenese
Perda do revestimento de cel 
protetoras dos seios nasais e da traquéia, q podem causar um viremia sistêmica.
Sinais clínicos
Apatia
Sinais respiratórios (dificuldade, 
tosse, estertor, descargas nasais)
Queda da produção de ovos
Aumento de ovos de baixa qual.
Queda de qual externa e interna do 
ovo
Taxa de eclosão dos ovos pode ser 
afetada
Rins afetados, q causa um aumento 
no consumo de H20 e suas excretas saem mais liquidas.
Lesões
Exsudato seroso, catarral ou 
caseoso na traquéia, passagem nasal aumento dos sinus nasais.
Sacos aéreos opacos c/ exsudato 
caseoso
Tampão caseoso traquéia
Pneumonia
Rins aumentados, pálidos, túbulos 
distendidos, ureteres c/ cristais de urato.
Material fluido de gema: abdomem
Degeneração do ovário/ aumento do 
oviduto.
Diagnostico se da através de:
Sinais clínicos: Respiratórios e 
Redução na produção de ovos e na qual de ovos.
Exames lab
Isolamento e identificação do agente (diagnostico definitivo)
Identificação de:
Genoma viral
Antígenos virais (proteínas)
Sorologia (anticorpos).
Isolamento viral através de detecção de antígenos.
ovos embrionados SPF (Specific 
Pathogen Free) (9-11 dias dias de incubação) 
Passagens cegas seriadas (lesões 
nos embriões)
lesões embriões (ocorrem 5-7 dias 
pós-inoculação)
enrolamento
encurvzamento
nanismo e petéquias
hemorragias.
Isolamento viral através de dectecção do genoma/sorologia
ISOLAMENTO 
RT-PCR : o genoma do vírus
(amostras de traquéia, ovos embrionados)
O RFLP, que reconhece o genoma 
do VBI, é utilizado para determinar o genotipo Ti 
SOROLOGIA 
Teste de Precipitação em Agar Gel 
(AGP)
Teste de Vírus Neutralização (VN)
ELISA