A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Relatório individual de estágio supervisionado básico em Psicologia e Adolescência

Pré-visualização | Página 1 de 4

Universidade Brasil
Graduação de Psicologia
Abeni Carneiro Bastos Junior
Relatório de Estágio
Descalvado
2019
Abeni Carneiro Bastos Junior
Relatório individual de estágio supervisionado básico em Psicologia e Adolescência
Relatório individual de estágio supervisionado básico em Psicologia e Adolescência da Universidade Brasil, campus Descalvado, como parte das exigências de estágio.
Orientador: Profª Me Rean Soares Mendes Teixeira da Cunha
Descalvado
2019
Resumo
A adolescência é a transição no desenvolvimento entre a infância e a vida adulta, caracterizada por mudanças físicas, cognitivas e psicossociais, mudanças estas que se intensificam com o início da puberdade, processo pelo qual o indivíduo atinge a maturidade sexual e a capacidade de reproduzir.
Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Ministério da Saúde do Brasil e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a adolescência é um período biológico, psicológico e social que vai dos 10 e os 19 anos. Porém o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), reconhece o período da adolescência dos 12 aos 18 anos. O Brasil conta com aproximadamente 35 milhões de adolescentes, o que representa mais ou menos 20% da população de todo o planeta. 
Somados a todos os desafios e mudanças da fase em que estão vivendo, atualmente os adolescentes ainda contam com o fato de viverem em uma sociedade globalizada, onde um novo mundo tem sido aberto para eles, apresentando-lhes, diariamente, novas culturas, novos saberes e novas oportunidades. 
O desenvolvimento das tecnologias de comunicação virtual como mensagens instantâneas, e-mail e mensagens de texto, bem como os sites de redes sociais, como por exemplo Twitter e Facebook, vem mudando a forma como muitos adolescentes se comunicam e desenvolvem relacionamentos. Diariamente surgem novas tecnologias, que cada vez mais encantam esta geração, que navega com muita desenvoltura pela rede em alta velocidade. 
Na sociedade de um modo geral temos visto mudanças significativas nesta nova era digital. Inovações tecnológicas como smartphones, tablets, ipads, netbooks e etc., estão fazendo parte da rotina das famílias, as quais estão utilizando várias dessas tecnologias digitais com fácil acesso à internet, para se conectarem com o mundo. Áreas como ensino, o mercado de trabalho entre outras, estão cada vez mais fazendo uso de tais tecnologias.
Apesar da internet ter trazido tantos benefícios como por exemplo: facilitar a comunicação com amigos, familiares e pessoas que estão longe, fazer compras sem sair de casa, fazer transações bancárias, fazer pesquisas escolares, entre tantos outros, inclusive para os próprios adolescentes, que se sentem confortáveis ao lidarem com as ferramentas e novidades desse novo meio de comunicação, muito tem se falado sobre o uso excessivo da Internet por parte dos mesmos, o que pode acabar afetando-os também de forma negativa, tornando-se um fator de isolamento social, comprometendo a capacidade de socialização dos mesmos, podendo levá-los a um estado onde não consigam distinguir a realidade do mundo virtual. 
Além de abordar todos estes assuntos, o presente relatório também conta com a descrição das aulas de estágio supervisionado, nas quais fomos instruídos sobre a elaboração deste trabalho, e onde também tivemos uma palestra ministrada pelo psicólogo Bruno, sobre o tema: Fatores de Risco e Proteção na Adolescência. Consta também a entrevista realizada com uma adolescente de 12 anos, a qual nos ajuda a ver na prática como a internet tem sido presente na vida dos adolescentes, modificando o contexto social em que estão inseridos, reforçando alguns dos conceitos abordados ao longo deste trabalho.
	
Palavras-chave: Adolescência; tecnologia; internet; redes sociais
 
	
Introdução
A vida humana é composta por fases como infância, adolescência, adultez e velhice. A adolescência é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um período biológico, psicológico e social que vai dos 10 e os 19 anos. Esse critério cronológico também é adotado pelo Ministério da Saúde do Brasil e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), preconiza o período da adolescência dos 12 aos 18 anos. Levando-se em consideração que tais definições apenas estabelecem parâmetros numéricos específicos, pois o ciclo vital do ser humano está em constante processo de mudança, independentemente da idade que a pessoa tenha. O Brasil tem aproximadamente 35 milhões de adolescentes. Enquanto que no mundo, existe aproximadamente 1 bilhão de pessoas nessa faixa etária, representando mais ou menos 20% da população de todo o planeta (CERQUEIRA-SANTOS, MELO NETO e KOLLER, 2014). 
Cada cultura conta com os seus próprios rituais para marcar a maturidade de uma criança. As sociedades modernas, na sua grande maioria tem denominado essa passagem da infância para a fase adulta como adolescência, que é uma transição no desenvolvimento, acompanhada por grandes mudanças físicas, cognitivas e psicossociais, que variam de acordo com os contextos sociais, culturais e econômicos. Fisicamente esta fase tem uma mudança importante que é o início da puberdade, onde ocorrem alterações físicas dramáticas, levando à maturidade sexual, ou a capacidade de reprodução. Sendo a puberdade um complexo processo de maturação que se inicia antes do nascimento e tem implicações psicológicas que podem persistir até a vida adulta. Até bem pouco tempo acreditava-se que a adolescência e a puberdade começavam ao mesmo tempo por volta dos 13 anos de idade, mas atualmente isso tem sido discutido entre a classe médica, já que em alguns casos estas alterações puberais tem começado a surgir até antes dos 10 anos de idade (PAPALIA e FELMAN, 2013). 
Em meio a todos os desdobramentos que envolvem esta fase da vida, atualmente os adolescentes ainda contam com os desafios de uma sociedade globalizada, onde eles vivem interconectados e interdependentes, com informações, imagens eletrônicas, músicas e diversão, entre outras coisas, espalhando-se instantaneamente ao redor do planeta. A globalização e a modernização, tem provocado mudanças sociais em todos os segmentos da sociedade e isso também é percebido entre os adolescentes. Devido a rápida disseminação de tecnologias avançadas, que tornam o conhecimento um recurso valorizado, esses jovens passam a necessitar cada vez mais escolarização e habilidades, para ingressar no mercado de trabalho, resultando em uma fase de transição maior entre a infância e a idade adulta. A explosão das tecnologias de comunicação virtual como mensagens instantâneas, e-mail e mensagens de texto, bem como os sites de redes sociais como Twitter e Facebook, mudou a forma como muitos adolescentes se comunicam. Por outro lado, eles também experimentam mudanças no seu comportamento como consequência de estarem expostos a novas culturas, novos saberes e novas oportunidades (PAPALIA e FELDMAN, 2013).
Diariamente surgem novas tecnologias, algumas levando meses para serem aperfeiçoadas, ou outras “caindo na rede”, ou seja, no gosto dos adolescentes, que navegam com muita desenvoltura pela rede em alta velocidade. Desde que iniciou sua popularização no final dos anos 1990, a Internet, criou novos conceitos que foram introduzidos na sociedade, onde tem como maior parcela de usuários, os jovens que se sentem confortáveis ao lidarem com as ferramentas e novidades desse novo meio de comunicação (EISENSTEIN, 2013).
Em seu estudo bibliográfico SILVA e SILVA (2017), afirma que muito tem se falado sobre os impactos do uso excessivo das tecnologias digitais pelos adolescentes, apesar da tecnologia ser um meio facilitador na questão do ensino, onde professores podem utilizá-la para pesquisas, fontes ilustrativas, vídeos educativos etc., e também por que o mercado de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.