A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
iFood

Pré-visualização | Página 2 de 7

aluno busca a 
inserção nas práticas gerenciais fundamentadas nos ensinamentos teóricos 
aprendidos nas disciplinas ministradas em cada bimestre letivo, através de 
levantamento das características e práticas de uma organização ou empresa. Neste 
PIM I, fizemos um diagnóstico organizacional da empresa iFood, objetivando 
identificar de forma crítica suas práticas e atividades no comércio virtual. 
 
2 A EMPRESA 
 
2.1 História 
 
Tudo começou com os sócios Patrick Sigrist, Eduardo Baer, Guilherme 
Bonifácio e Felipe Fioravante. Sigrist era proprietário da Disk Cook, que desde 1997 
oferecia toda a estrutura de delivery a restaurantes que não tinham o serviço. Uma 
central telefônica que gerenciava pedidos de entregas de refeições à domicílio para 
restaurantes de alto padrão. O empresário percebeu que seu modelo de negócio 
poderia funcionar muito melhor caso o telefone fosse substituído pela internet. Em 
15 de maio de 2011, ele e seus sócios resolveram criar em São Paulo o iFood, 
inicialmente um site que nascia com a ambição de se tornar uma grande praça de 
alimentação online. Com apenas seis meses de vida, o site já reunia o cardápio de 
650 restaurantes e contabilizava mais de 16 mil pedidos realizados pela web. Para 
que o delivery fosse bem sucedido na internet, o iFood demandou uma inovação 
tecnológica. 
O aplicativo de delivery de comida ganhou impulso em 2013 ao receber um 
aporte de US$ 5.25 milhões da Movile empresa líder em plataformas de comércio e 
conteúdo virtual na América Latina, que aumentaria sua participação ao longo do 
tempo. Com isso o serviço foi expandido para outras várias cidades brasileiras. Em 
seguida, o iFood acelerou seu crescimento por meio da fusão com diversos sites 
similares, como por exemplo, o Restaurante Web (controlado pela britânica Just 
Eat). Isso garantiu que o iFood consolidasse sua liderança no mercado brasileiro. 
8 
 
 
 
 
Em 2014, o iFood anunciou a compra da Central do Delivery, cuja aquisição 
ampliou sua atuação nas regiões norte e nordeste do país. Em 2016, um de seus 
maiores concorrentes Hellofood, passou a ser controlado pelo iFood. a Mais 
recentemente o iFood iniciou sua operação no México. Após levantar US$ 100 
milhões com investidores, a empresa adquiriu 49% do serviço mexicano de delivery 
de comida SinDelantal, dando o primeiro passo para o processo de 
internacionalização de seus negócios. A compra foi feita em parceria com a 
empresa britânica Just Eat uma das principais investidoras do iFood, ao lado da 
brasileira Movile, que detém 60% da empresa. Na prática, a operação do serviço no 
México ficará sob a responsabilidade da equipe do iFood que, por enquanto, não 
pretende lançar sua marca no novo mercado. O iFood também considera expandir a 
operação do serviço para outros países da América Latina nos próximos anos, e já 
iniciou operação na Argentina e Colômbia. 
 
2.2 Dados corporativos 
 
• Origem: Brasil 
• Fundação: 15 de maio de 2011 
• Fundador: Patrick Sigrist, Eduardo Baer, Guilherme Bonifácio e 
Felipe Fioravante 
• Sede mundial: São Paulo, Brasil 
• Proprietário da marca: iFood S.A. 
• Capital aberto: Não (subsidiária da Just Eat e Movile) 
• CEO: Carlos Eduardo Moyses 
• Faturamento: R$ 200 milhões (estimado) 
• Lucro: Não divulgado 
• Presença global: 4 países 
• Presença no Brasil: Sim 
• Funcionários: 1400 
• Segmento: Tecnologia 
• Principais produtos: Plataforma web e mobile de delivery de comida 
• Concorrentes diretos: Uber Eats, Rappi e 99 food 
• Slogan: Para qualquer fome. 
• Website: www.ifood.com.br 
http://www.ifood.com.br/
9 
 
 
 
 
3 FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO 
 
A administração dentro dos negócios hoje em dia é uma das partes 
essenciais, e não só o iFood como outras empresas, procuram expandir seu 
mercado com muita tecnologia e investimentos, e buscam soluções como novos 
meios de comunicação e conteúdos mais orgânicos e que, de fato, ofereçam algo 
útil. 
 
3.1 Processos 
 
Tanto no meio offline ou no universo digital ofereça conteúdo interessante, 
como informações, curiosidades, dicas e conteúdos como vídeos, isso irá chamar a 
atenção do cliente não importa a idade. 
 
3.2 Projetos 
 
• Expansão e contratação de mil novos funcionários. 
• Robôs autônomos para agilizar seu sistema de entregas de comida. 
• Uso de patinetes para as operações de delivery. 
 
3.3 Sociedade 
 
O iFood possui alguns projetos, como expandir sua área de atendimento de 
sua plataforma para outras modalidades, como também outras medidas para 
beneficiar seus entregadores, consumidores e parceiros: 
• Um milhão de suporte para os parceiros de entrega. 
• Benefícios como convênio médico e odontológico. 
• Oferecer pagamento direto pelo App e sem contato com o entregador. 
• R$ 50 milhões destinados a fundos de assistência a pequenos restaurantes. 
 
3.4 Liderança 
 
O iFood possui uma visão para o futuro que outras empresas não têm, eles 
estão constantemente se atualizando e se adaptando às novas exigências do 
10 
 
 
 
 
mercado, e seus líderes possuem uma visão objetiva e não pensam só no 
presente, mas resultados a curto, médio e longo prazo. Além de tudo a capacidade 
de se comunicar bem com os consumidores e parceiros. 
 
3.5 Cultura organizacional e como é tratada pela empresa 
 
O iFood para melhorar sua relação com os seus clientes e parceiros 
recorreu a salesforce, que é a empresa de CRM número um do mundo. E eles 
fizeram algumas implementações nas suas soluções de vendas e o atendimento ao 
cliente, tudo para melhorar o engajamento com eles. E existem algumas 
semelhanças e diferenças que podemos citar: 
Uma das diferenças do iFood é que o aplicativo da empresa está em 
primeiro lugar na categoria gastronomia e bebidas da Apple Store. 
Já as semelhança são que todos os aplicativos de pedidos de comida online, 
possuem os pedidos que podem ser feitos pelo celular e ambos possuem 
praticamente as mesmas funções. 
Só que o impacto é a relação com os clientes fazem o iFood se destacarem 
entre os aplicativos de comida. Mas como nem tudo é perfeito possuem seus 
pontos fracos e fortes. 
Ponto fraco: alguns parceiros não se preparam devidamente para usar o 
aplicativo e as novas ideias do iFood, assim perdendo cerca de 30% das suas 
vendas. 
Ponto forte: o iFood trabalha com uma equipe de pós-venda que tem como 
objetivo auxiliar o restaurante nessa jornada de preparação para saber como 
operar e como crescer vendas. 
 
4 ECONOMIA E MERCADO 
 
4.1 Setores da economia 
 
Em relação à população economicamente ativa, existe uma divisão segundo 
os setores de atividades, sendo que, cada trabalhador atua em um determinado 
setor da economia. Neste modo, essa população está distribuída em três setores da 
atividade econômica, sendo eles: setor primário, setor secundário e setor terciário. 
11 
 
 
 
 
4.1.1 Setor Primário 
 
No setor primário, caracteriza-se pela produção partindo dos recursos 
naturais para a exploração (agricultura, mineração, pesca, caça, etc.). Apesar de 
fundamental, é um setor considerado em outros países que não gera muitas 
riquezas, mas no Brasil, o agronegócio é fundamental, principalmente na balança 
comercial, as exportações, como a soja. 
 
4.1.2 Setor Secundário 
 
No setor secundário, é um estágio em que as matérias primas se transformam 
em produtos industrializados. É considerado um setor de riqueza, além de base para 
desenvolvimento para o país que usufruí-lo, mas também maior parte da poluição do 
planeta é de sua responsabilidade. Também traz maquinários e ferramentas 
industriais, por isso alimenta a si próprio e ao setor terciário. 
Indústrias da divisão automobilística, alimentício, naval, aeronáutica e etc. 
fazem parte desse setor. 
 
4.1.3 Setor Terciário 
 
O terciário é o campo que mais cresce na economia capitalista. Caracteriza-
se pela inclusão comercial, que não abrange