Doença Inflamatória Intestinal
3 pág.

Doença Inflamatória Intestinal


DisciplinaMaterno Infantil1.564 materiais3.070 seguidores
Pré-visualização1 página
Doença Inflamatória Intestinal na Infância 
 
Inflamação crônica de origem 
multifatorial. As doenças intestinais são as 
mais comuns e com maior impacto na 
gastroenterologia pediátrica. 
Sistemas que interagem entre si: Genoma, 
microbioma, imunoma, expossoma e 
outros-oma, juntos podem desencadear a 
doença inflamatória intestinal. 
Microbiota alterada, presença de diarreias, 
é todo um conjunto que pode gerar um 
processo crônico. 
A DII é mais grave em crianças do que em 
adultos. 
A Colite é mais comum que a doença de 
crohn entre os pré-escolares. 
 
Diagnóstico 
\u2665 Anamnese e exame físico 
\u2665 Exames laboratoriais 
\u2665 Exames endoscópicos altos e baixos 
\u2665 Biopsias múltiplas do trato GI 
\u2665 Exames Radiológicos 
Se atentar na: 
\u2665 Forma de apresentação da doença 
(inflamatória, estenosante, penetrante) 
\u2665 Extensão da doença 
\u2665 Atividade da doença 
\u2665 Gravidade da doença (leve, moderada ou 
grave) 
\u2665 Verificar as complicações 
 
Exames Laboratoriais 
\u2665 Coprocultura, hemograma (ver anemia 
e plaquetose), PCR, VHS, Albumina, 
transminases, GGT, ASCA, Calprotectina 
fecal e lactoferrina (observar 
inflamação na mucosa intestinal) 
 
Sintomas 
\u2665 Dor abdominal e pode ser piorada com 
a alimentação 
\u2665 Urgência fecal e diarreia (diarreia 
muito frequência) 
\u2665 A depender do grau da inflamação 
pode ter sangramento 
\u2665 Pode ter caso de constipação também. 
Doença de Crohn 
\u2665 Qualquer seguimento do tubo digestivo 
(pode ocorrer) 
\u2665Ulceras aftoides ou trasmutais (da 
parede da mucosa até a serosa) 
\u2665 Pode atingir o íleo terminal e ileocecal 
\u2665 Tem situações (leve, moderada e 
grave) 
\u2665 Pode ter febre, sangue nas fezes, 
diarreia, cólica, urgência fecal etc. 
\u2665 Pode ocorrer um processo de má 
absorção, quando a inflamação atinge o 
intestino delgado alto (o que pode gerar 
deficiência de micronutrientes) pode ter 
falta de ganho de peso, anorexia e 
desnutrição. 
Fistulas: estendendo-se a outros 
segmentos do trato digestório. 
 
Colite Ulcerativa 
\u2665 Limitada ao cólon 
\u2665 Inflamação da mucosa da parede e 
submucosa 
\u2665 Procrite: Quando atinge o reto e colite 
esquerda 
\u2665 Diarreia com sangue, tenesmo, dor 
abdominal, pode ocorrer febre, perda de 
peso (caso mais grave) 
 
Avaliação Nutricional 
\u2665 Monitorar o crescimento da criança, 
verificando peso, altura, etc. 
\u2665 Registro de diário alimentar 
\u2665 Maturação Sexual 
\u2665 TMB e Necessidades Energéticas 
 
Conduta Nutricional 
\u2665 Nutrição enteral como terapia de 
primeira linha para indução de remissão 
em doença com doença de crohn (DC) 
luminal ativa. 
\u2665 Suplementar ferro, cálcio e vitamina 
D (oral) na fase de remissão. 
\u2665 Em caso de escolha de fórmula: 
Fórmula polimérica. 
\u2665 Em casos de anemia severa 
(suplementação intravenosa) 
\u2665 Exclusão temporária de lactose ou 
glúten 
\u2665 Processo de modulação da integridade 
intestinal -> Peptídeo do leite (TgF-b12) 
(ainda está em conformação científica) 
mas na prática clínica, as crianças tiveram 
uma resposta bem positiva com o uso 
(principalmente melhora do ganho de 
peso). 
\u2665 Probiótico- não usa na Doença de crohn. 
Na fase de remissão da colite (algumas 
cepas são recomendadas) 
OBS: Fase de remissão -> Período onde 
não há mais sinais de atividade da doença. 
\u2665 Em alguns casos a suplementação de vit 
B12 em pacientes com doença de crohn 
em ressecções >20cm de íleo distal. 
\u2665 Suplementação de vitamina B9 em 
pacientes com DII tratados com 
sulfassalazina ou metotrexato. 
\u2665 Dietas com baixo teor de fibras e 
resíduos são apenas recomendadas para 
os pacientes com DII em momentos de 
fezes diarreicas ou para prevenir a 
obstrução intestinal em paciente com DC 
estenosante. 
\u2665 Carboidrato segue normalmente. 
\u2665 Se a criança não estiver em fase ativa, 
continua o consumo de frutas e verduras 
padrão e gorduras poli-insaturadas, com 
uma alimentação saudável e equilibrada 
\u2665 Requerimento energético: não vai ter 
uma necessidade aumentada de energia, a 
não ser que ela esteja com desvio 
nutricional (baixo peso, desnutrição etc). 
\u2665 A quantidade de proteína vai estar 
aumentada por conta da perca proteica (o 
processo inflamatório causa uma redução 
da massa muscular e aumento de tecido 
adiposo). 
\u2665 As deficiências nutricionais têm que ser 
avaliadas individualmente. 
\u2665 Lembrar de priorizar a fórmula 
polimérica. 
\u2665 Em fase de remissão a dieta é normal 
e sem restrição. 
\u2665 Na remissão não é necessário exceder 
fibra (a não ser que haja um caso de 
diarreia aguda). 
 
Fase de Manutenção: 
\u2665 Suplementação via oral preferencial. 
\u2665 Não é recomendado substratos isolados 
de glutamina, ácidos graxos em nutrição 
enteral ou parenteral. 
\u2665 TgF-b12 \u2013 peptídeo do leite -> ajuda na 
modulação da integridade intestinal (em 
conformação científica). 
- Tem alguns estudos que colocam ele 
como benéfico para doença inflamatória 
intestinal. 
- Na prática clínica os resultados para 
crianças que sofrem de DII foram 
positivos. 
- Para adultos não é tão interessante 
assim (talvez não traga tantos benefícios 
como para crianças). 
\u2665 Pode ser indicada a exclusão temporária 
de lactose ou glúten. 
 
 
 
 
Anotações Extras