A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
prova de Pesquisa (ação supervisora)

Pré-visualização | Página 1 de 2

Ação Supervisora
Aluno (a): Camila Freitas Duarte
Data: 28/10 /2020
Atividade de Pesquisa 
NOTA:
ORIENTAÇÕES:
· Ler atentamente as instruções contidas no documento é de fundamental importância na realização da avaliação.
· Para esta atividade o aluno poderá utilizar-se das ferramentas de pesquisas como: internet, artigos científicos, manuais técnicos, livros e literaturas disponibilizadas em nossa biblioteca.
· Preencha todos os dados referente a sua identificação como: nome completo, data de entrega.
· As respostas poderão ser de escritas forma manual e/ou digitadas abaixo de cada pergunta. 
· Ao terminar a avaliação o arquivo deverá ser salvo com o nome: "Avaliação de Pesquisa" (nome do aluno).
· Envie o arquivo pelo sistema em formato digital em pdf ou word.
Bons Estudos!
1. Construa uma linha de tempo, indicando, cronologicamente, os principais momentos históricos da supervisão educacional no Brasil.
	 O curso de pedagogia surgiu no Brasil como consequência da preocupação coma formação de professores para a escola secundária, seu aparecimento foi concomitante ao das licenciaturas  ao ser criada a faculdade nacional e filosofia da universidade do Brasil. Essa faculdade formava licenciados em várias áreas inclusive pedagogia.
	 O modelo de curso acima durou até 1969. No mesmo ano determinava que a formação de professores para o ensino normal e de especialistas para a atividade e orientação, administração, supervisão, inspeção fosse feita no curso de graduação em pedagogia de que resultava o grau de licenciado.
	Na década de 1970 surgiram as associações de supervisão educacional no Brasil, e o supervisor passou a ter diversas denominações: supervisor escolar, supervisor pedagógico, supervisor de ensino, supervisor de educação e supervisor educacional.
 Medina (2002) apresenta a evolução da supervisão educacional em cinco momentos.
Para a autora, as marcas evolutivas a supervisão educacional são os que seguem:
1° ação supervisora voltada para o ensino primário. Possuía competência de inspeção, sendo encarregando de fiscalizar o prédio escolar e a frequência dos alunos e professores.
2°- ação supervisora industrial trazendo referencias da primeira fase da revolução industrial esse segundo momento surge com o crescimento da população, que indica a necessidade de mais professores.
3°- ação supervisora como forma de treinamento e orientação, surgem novas literaturas que ainda hoje são utilizadas pelos supervisores quando se referem ao desenvolvimento de suas ações.
4°- ação supervisora como questionamento, surgem indagações a respeito do papel a escola como um todo e da ação de seu especialista, principalmente do supervisor-profissional criticado por alguns professores, que delegam a ele as ações de impedimento e de fiscalização do seu trabalho;
5°- Ação supervisora e conceito repensado de escola, muitos autores enfatizam a escola como local de trabalho. Em que o sucesso do aluno não depende exclusivamente do conhecimento de conteúdo, métodos e técnicas. A escola torna-se um espaço em que todos aprendem e ensinam cada um ocupando sua posição, e onde o supervisor tem uma contribuição especifica e importante para dar no processo de ensino e aprendizagem.
2c
[...] não é fiscal do professor; não é quem entrega os professores para a direção ou mantenedora (dedo-duro), não é pombo-correio (que leva recado da direção para os professores e vice-versa), não é coringa/tarefeiro/quebra-galho/salva-vidas (ajudante de direção, auxiliar de secretaria, enfermeiro, assistente social etc.), não é tapa-buraco (que fica “toureando” os alunos em sala de aula no caso de falta de professor), não é burocrata (que fica às voltas com relatórios e mais relatórios, gráficos, estatísticas sem sentido, mandando um monte de papéis para os professores preencherem – escola de “papel”), não é gabinete (que está longe da prática e dos desafios efetivos dos educadores), não é diário (que tem dicas e soluções para todos os problemas, uma espécie de fonte inesgotável de técnicas, receitas), não é generalista (que entende quase nada de quase tudo).
Agora, escolha uma área de atuação entre as três que foram vistas no triângulo planejamento – acompanhamento – avaliação e escreva um pouco sobre ela: descreva como, na sua opinião, o supervisor educacional pode desempenhar bem o seu papel em prol do desenvolvimento institucional da escola.
O supervisor pedagógico deve ter plena consciência de que os professores precisam de apoio e orientação amigável e compreensiva, buscando conhecer e apoiar nas necessidades do dia-a-dia na escola. Tal fato implica observar a prática e interferir criticamente, possibilitando ao professor tornar-se corresponsável dos seus atos.
É indispensável que o supervisor auxilie os educadores no desenvolvimento das suas próprias potencialidades, pois o alicerce para se construir boas relações humanas, é acreditar nos “valores” das pessoas, como também, no seu próprio valor. Uma virtude a ser desenvolvida e praticada sempre no trabalho de supervisão, é a autoconfiança, fundamental para o equilíbrio pessoal e que transmite tranquilidade e segurança a todos da equipe. Enfim, o supervisor deve incentivar e oportunizar, que todos os envolvidos no processo educativo expressem autoconfiança e segurança no que fazem, levando ao reconhecimento do seu valor pessoal e profissional. Quando se fala em supervisor escolar temos a ideia de que seja um profissional contratado para supervisionar o trabalho de outras pessoas, subordinado a outro profissional, formando assim uma hierarquização organizacional, uma cadeia que se sustenta com o poder exercido por quem está no topo, no caso o gestor escolar. Entretanto, o supervisor escolar ou coordenador pedagógico é o profissional da educação que atua no espaço escolar como um agente mediador e facilitador do processo ensino-aprendizagem. Está diretamente ligado aos professores subsidiando suas ações e contribuindo para a evolução de todo o processo que envolve a aprendizagem, devendo ser dinâmico e competente em no exercício de suas funções.
3. Na minha escola, há duas supervisoras educacionais. A que trabalha mais próxima de mim, porque atende às séries iniciais do Ensino Fundamental, é sempre muito séria e exigente. Muito preocupada com a disciplina, toma conta dos alunos. De vez em quando, assiste às nossas aulas e até pede para examinar os cadernos de planos de aula.
Tendência pedagógica:
Tecnicista – Skinner foi o expoente principal dessa corrente psicológica, também conhecida como behaviorista. Neste método de ensino o aluno é visto como depositário passivo dos conhecimentos, que devem ser acumulados na mente através de associações. O professor é quem deposita os conhecimentos, pois ele é visto como um especialista na aplicação de manuais; sendo sua prática extremamente controlada. 
4. Faça um quadro e procure listar os seus interesses, necessidades e expectativas quando escolheu
a sua profissão.
	Quem EU SOU?
	O primeiro passo é saber quem você é. Pode parecer banal e simples, mas não paramos com frequência para refletir sobre quem somos, quais os nossos objetivos e o que esperamos para nossas vidas. Reflita sobre seus valores.
	Minhas habilidades
	Construir e planejar dispositivos e sequências didáticas.
- Envolver pessoas em atividades de pesquisa, em projetos de conhecimento.
Habilidades manuais.
	Comunicação
	Ouvir, me expressar e interpretar o que o outro está dizendo é necessário para quem ensina e para quem aprende. Assim, como a sala de aula é um ambiente que gera troca de informações variadas, fica clara a importância da boa comunicação.
	Criatividade
	Consigo trabalhar ideias em diversas etapas (elaboração, refinamento, análise e avaliação) tem tudo para estimular a turma a fazer melhor uso da imaginação. 
5. Uma de ações rotineiras e a outra de ações inovadoras. Selecione algumas ações supervisoras entre as que foram discutidas na disciplina e coloque-as na coluna adequada. Não basta apenas colocar o nome da ação, é preciso escrever

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.