A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Propedêutica clínica

Pré-visualização | Página 1 de 2

@gabiviieira 
 
@gabiviieira 
à Sintoma: é uma sensação 
subjetiva anormal percebida pelo 
paciente e não observada pelo 
examinador (inspeção, palpação, 
percussão e ausculta). 
à Sinal: é um dado objetivo 
notado pelo paciente e observado 
pelo examinador através do 
método clínico ou de exames 
complementares. 
à Síndrome: é um conjunto de 
sintomas e/ou sinais que ocorrem 
associadamente e que podem ter 
diferentes causas. 
 
Exame físico no obeso 
• Obesidade: doença crônica 
que é caracterizada pelo 
acúmulo/excesso de gordura 
corporal. 
• Pode ser causada por 
alimentação inadequada, 
fatores genéticos, psicológicos, 
hormonais e sedentarismo. 
• Sinais e sintomas: 
o Acúmulo de gordura 
o Apneia do sono, roncos 
o Dificuldade para se 
movimentar, dores no corpo 
o Infertilidade e impotência- 
déficit de fluxo sanguíneo 
o Varizes e ulceras – alteração 
na circulação sanguínea 
o Falta de condicionamento 
físico 
• Fatores de risco: câncer, HÁ, 
doenças cardiovasculares, 
doenças cerebrovasculares, 
apneia do sono, osteoartrite e 
DM II. 
 
 
Ø Anamnese 
• O diagnóstico da obesidade é 
clínico, baseado na história 
nutricional e clínica, no exame 
físico detalhado (em busca de 
sinais relacionados a distúrbios 
nutricionais e em dados 
antropométricos). 
• Idade de inicio, relação com 
fatores desencadeantes, 
tentativas anteriores de 
tratamento, percepção da 
família sobre o problema. 
• Antecedentes pessoais: alto ou 
baixo peso ao nascer, ganho de 
peso acentuado no primeiro 
ano de vida, uso de 
medicamentos, de drogas, 
álcool e tabaco. 
• Antecedentes familiares: 
informações sobre familiares 
obesos, com doenças 
associadas como HÁ, 
dislipidemia, diabetes, 
tabagismo, etilismo e doenças 
cardiovasculares. 
• Antecedentes alimentares: 
tempo de aleitamento materno 
(quando maior o tempo, menos 
chance de obesidade), 
introdução alimentar 
complementar e seus aspectos 
qualitativos e quantitativos. 
• Hábitos alimentares: informação 
sobre o dia alimentar habitual, 
frequência de consumo dos 
alimentos. Dinâmica da 
refeição. 
• Comportamento e estilo de vida: 
como é o comportamento com 
familiares, colegas, como o 
paciente vai para a escola, a 
periodicidade e a duração das 
@gabiviieira 
atividades físicas curriculares e 
extras, tempo de telas, investigas 
bullying. 
• ISDA: Valorizar dados 
relacionados a: respiração oral 
(roncos, sibilos), parada 
respiratória noturna, sono 
agitado, fadiga de esforço, 
lesões de pede, dor (abdominal 
ou articular) ou edema em 
articulações, alteração 
menstrual ou comportamental. 
• Exame físico (medidas 
antropométricas): peso 
(aumento de +1 kg em 24, 
sugerir retenção hídrica, + 5/10% 
síndrome consumptiva), altura 
(distancia planta-vértice, plantar 
envergadura), circunferência 
abdominal (homem: até 94 cm e 
mulher até 80 cm), IMC (maior 
que 25 relacionar com risco 
maior de aparecimento de 
doenças cardiovasculares e 
DM), circunferência do braço, 
pregas cutâneas tricipital e 
subescapular (é executada 
obliquamente em relação ao 
eixo longitudinal, seguindo a 
orientação dos arcos costais, 
sendo localizada a dois 
centímetros abaixo do ângulo 
inferior da escápula). 
 
 
• Quadril: 
- RCQ > 0,8: obesidade androide 
- RCQ < 0,8: obesidade 
ginecoide 
 
 
 
 
 
 
@gabiviieira 
Síndrome consumptiva 
• É o emagrecimento involuntário 
de mais de 5/10% de peso em 6 
a 12 meses. 
• Pode simbolizar o primeiro 
sintoma de malignidade ou 
manifestações de doenças 
psiquiátricas. 
• Cerca de 25% dos pacientes 
que apresentam a perda de 
peso involuntária morrem em um 
ano. 
• Perda de peso com aumento do 
apetite: DM descompensada, 
hipertireoidismo, síndrome de 
má absorção, atividade física 
intensa e Fecromocitoma. 
• Perda de peso involuntário com 
redução do apetite: 
malignidade (câncer), 
endocrinopatias, doenças 
crônicas, infecciosas, doença 
do TGI, psiquiátricas, uso de 
drogas lícitas e ilícitas, 
isolamento social. 
 
Ø Diagnóstico clínico diferencial: 
• Investigar a perda ou não do 
apetite, atividade física, padrão 
da perda de peso, duração, 
voluntário ou não. 
9 “D”s: 
- Dentição: alteração na 
cavidade oral 
- Disfagia 
- Distúrbio do paladar (disgeusia) 
- Diarreia 
- Doenças crônicas 
- Demência - Disfunção (física, 
cognitiva e 
psicossocial) ou dependência 
- Drogas 
• Quantificar a medida de 
independência funcional (MIF) 
dos pacientes no intuito de 
avaliar o grau de dependência 
nas atividades de vida diária. Ele 
avalia 18 categorias pontuais de 
um a sete e classificadas quanto 
ao grau de dependência para a 
realização da tarefa. 
 
Ø Exame físico 
• Geral, sinais de desnutrição, 
avaliação da tireoide 
• Cavidade oral 
• IMC: peso em kg/a altura ao 
quadrado – baixo peso < 18,5 
• Pele e anexos 
• ACV (BRNF em 2Ts) e AR (MVBD 
sem ARA – Som claro pulmonar 
à percussão) 
• Linfonodos 
• Exame neurológico 
• Fazer também exames 
complementares. 
 
@gabiviieira 
Síndrome febril 
• Elevação anormal da 
temperatura corporal 
• Início súbito, intensidade (febre 
leve ou febrícula, moderada ou 
alta), duração é prolongada, 
modo de evolução (contínua, 
irregular, remitente, 
intermitente), sintomas 
associados (calafrios nos 
primeiros momentos de 
hipertermia) e o termino (crise 
ou lise) 
• Temp. axilar: 35,5ºC a 37ºC 
• Temp. bucal: 36 ºC a 37,4º C 
• Temp. retal: 36ºC a 37,5º C 
 
• Antes de medir a temperatura é 
recomendado esperar no 
mínimo uma hora após a 
realização de exercícios 
intensos, banhos quentes, 
tabagismo, etilismo e refeições. 
 
à Modo de evolução da febre (na 
síndrome) 
o Febre contínua: hipertermia 
contínua e variações de 
temperatura de até 1ºC. Ex: 
endocardite. 
o Febre irregular: picos muito 
altos intercalados por 
temperaturas baixar ou 
períodos de apirexia. Não é 
cíclica. Ex: sepse. 
o Febre remitente: hipertermia 
contínua e variações de 
temperatura acima de 1º C. 
Ex: pneumonia. 
o Febre intermitente: a febre é 
ciclicamente interrompida por 
períodos de apirexia. 
 
à Diagnóstico etiológico: história 
clínica, epidemiologia, 
antecedentes pessoais e familiares, 
culturas clínicas, testes sorológicos 
e exames de imagem. 
 
Ø FEBRE 
• A perda de calor pode ocorrer 
por convecção, irradiação, 
condução e evaporação. 
• Regulação depende de: 
isolante térmico, termostato no 
hipotálamo e glândula 
sudorípara. 
• Elevação da temperatura por: 
vasoconstrição da pele, 
piloereção e calafrios. 
• Para cada grau de temperatura, 
a FC aumenta para ajudar o 
sangue a circular mais rápido e 
retirar as impurezas. 
 
 
 
Síndrome ictérica 
• Aumento da bilirrubina no 
organismo por causa da 
diminuição ou interrupção da 
excreção de bile por obstrução 
do fluxo através da árvore biliar 
intra ou extra-hepática ou por 
@gabiviieira 
alteração funcional do 
hepatócito. 
• A icterícia vem do acúmulo de 
bilirrubina indireta no organismo 
que é depositado 
principalmente em escleróticas 
e embaixo da língua. 
• Ocorre com bilirrubinas acima 
de 2 mg por 100 ml. 
• Locais de avaliação: conjuntiva 
ocular; sublingual e freio da 
língua; pele. 
• É avaliada em cruzes 
• Diferenciar das pseudoicterícias 
causadas por betacaroteno 
• Renal crônico: pigmentos 
amarronzados depositados. 
 
 
Síndrome edemigenica 
• Acúmulo de líquido no espaço 
intersticial; 
• Equilíbrio de starling 
• Pode ter causa: renal, cardíaca, 
hepática, nutricional e vascular 
• Albumina baixa, tem pressão 
oncótica baixa; líquido 
extravasa à Se manifestando 
como edema. 
• Semiologia baseada na história 
clínica e no exame físico 
• Edema localizado ou 
generalizado 
• Aumento de 4-5 do peso 
corpóreo 
• Anasarca: edema generalizado 
 
Ø Exame físico 
• Localização e distribuição 
o Edema localizado (um 
segmento do corpo) x Edema 
generalizado (todos os 
demais segmentos do corpo). 
o MMII principal local de 
edema, porém sacral e peri-
orbitaria devem ser 
sistematicamente avaliadas. 
• Intensidade 
o

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.