A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Sistemas Adesivos

Pré-visualização | Página 1 de 2

Materiais Dentários
Sistemas Adesivos
~por Manuela Lopes
A maioria das Resinas Compostas precisam de uma aplicação prévia de um
agente de união para fazer sua adesão à estrutura dentária (colagem).
1 Conceito
Os sistemas adesivos promovem a união dos materiais restauradores resinosos
(resinas compostas ou cimentos) com a estrutura dental/materiais
cerâmicos/metais.
Adesão
É a propriedade da matéria pela qual se unem dois substratos, iguais ou
diferentes, desde que suas moléculas estejam em íntimo contato.
● Uma adesão eficiente depende do contato entre o adesivo e o substrato,
através de um bom molhamento.
2 Indicações
● Restaurações diretas em resina composta
● Colagem de brackets ortodônticos
● Cimentação de peças protéticas (cimento resinoso + estrutura dentária)
3 Funções
● Retenção - retém o material restaurador, impedindo que as ações de força
de deslocamento retire-o do local de confecção.
● Distribuição de tensões - age de maneira que torne a restauração um
corpo único, pois uma força aplicada restrita a um só local levaria a falha.
● Selamento - preenche e veda frestas deixadas entre o material restaurador
e estrutura dentária. Assim, impede a passagem de fluidos, pigmentos,
saliva e bactérias, prevenindo a ocorrência de cáries e sub infiltração.
Garante longa duração da restauração!
4 Fatores fundamentais para a adesão micromecânica
Molhamento
Viscosidade
Rugosidade
Limpeza
4.1 Molhamento / Escoamento
É a capacidade de um líquido escoar sob uma superfície sólida, isto é, a
capacidade que o adesivo apresenta de recobrir totalmente a superfície
(esmalte e dentina) sem incorporar bolhas de ar sobre ela.
Além de espalhar-se sobre a superfície, espera-se que o sistema adesivo penetre
em toda a sua profundidade.
A capacidade de molhamento se dá pelo ângulo de contato formado entre o
adesivo (líquido) e o substrato (sólido).
menor ângulo → maior capacidade de molhamento.
Fatores que influenciam no molhamento do adesivo
● Tensão superficial
É um fenômeno observado em todos os líquidos, capaz de gerar uma
espécie de membrana elástica na superfície de um líquido.
Se qualquer líquido não sofrer alguma ação de uma força externa, tem
tendência a formar uma esfera sobre a superfície, ou seja, tem uma alta
tensão superficial, o que implica em uma baixa molhabilidade (o que não
é desejável para um adesivo).
O adesivo com baixa tensão superficial, se espalha mais na superfície.
● Ângulo de contato
Depende das interações entre o líquido aplicado e a superfície do tecido
sob o qual foi depositado.
É o ângulo formado entre as superfícies do aderente e o adesivo (ângulo
de contato formado entre o sólido e o líquido).
Sendo definido pela relação entre a energia de superfície do aderente e a
tensão superficial do adesivo.
● Energia livre de superfície
Uma baixa energia livre de superfície significa uma superfície
antiaderente (alta tensão e baixa molhabilidade). Ou seja, não desejável.
OBS: A superfície do esmalte é alterada ao aplicar o ácido fosfórico, sofrendo a
desmineralização e fazendo com que a superfície fique irregular e isso aumenta
a energia livre de superfície do substrato.
Nos sistemas adesivos, espera-se que ele tenha uma baixa tensão superficial,
juntamente com uma alta energia de superfície do dente, resultando em um
menor ângulo de contato e, consequentemente, um maior molhamento.
4.2 Viscosidade
A viscosidade é proporcional ao ângulo de contato, ou seja, se o material tem
um ângulo de contato grande, terá uma alta viscosidade.
Um adesivo com baixa viscosidade é capaz de penetrar por todas as
irregularidades (picos e vales) da estrutura dentária.
OBS: Nos sistemas adesivos, espera-se um alto molhamento, baixa viscosidade
e alta rugosidade.
4.3 Rugosidade
Está mais relacionada à superfície.
Uma ampla área de interação (maior rugosidade) permite um maior número de
sítios para interação/ligação, ampliando o potencial de adesão do adesivo.
● Amplia o potencial para adesão.
● Aumenta a área resultando em mais sítios para reter o aderente.
● Aumenta a área da superfície, aumentando a penetração do adesivo.
Esmalte íntegro (não condicionado) x esmalte com ác. fosfórico (condicionado)
O ácido fosfórico cria um padrão de rugosidade uniforme e importante - crateras
e buracos que aumentam a área total dessa superfície, tendo uma área de
união maior que no esmalte íntegro (não condicionado). Por isso se aplica
substâncias que condicionam a estrutura dentária para aumentar a rugosidade.
4.4 Limpeza
O substrato (dente) precisa estar limpo para uma boa adesão. Assim, quanto mais
limpo este substrato, maior o contato entre ele e o adesivo.
5 Composição dos Sistemas Adesivos
A composição básica de qualquer sistema adesivo é:
1. Monômeros resinosos
2. Iniciadores da polimerização
3. Agentes condicionantes
4. Solventes
1. Monômeros resinosos
Pequena molécula que, ao quebrar a dupla ligação de carbono, forma radicais
livres capazes de se unir a outras, formando um polímero.
São de baixo peso molecular, logo apresentam maior fluidez, sendo melhor para
seu manuseio.
A polimerização é responsável pelo endurecimento/presa do material restaurador.
São os monômeros diluidores (fluidos).
➔ TEGDMA
➔ HEMA (+ utilizado em sistemas adesivos)
2. Iniciadores da polimerização
Moléculas que conferem energia para a quebra de duplas ligações entre os
carbonos do monômero, iniciando a polimerização.
➔ Canforoquinona → iniciador ativado por luz (foto).
➔ Peróxido de benzoíla → iniciador ativado quimicamente.
3. Agentes condicionantes
Atuam mecânica ou fisicamente sobre as superfícies (esmalte e dentina) a
serem aderidas, favorecendo a adesão entre elas.
Causam desmineralização superficial na estrutura dental a fim de criar
microporosidades (aumentando a rugosidade) para melhor infiltração e
retenção dos monômeros resinosos adesivos.
➔ Ácido fosfórico
➔ Monômeros ácidos (MDP)
Os agentes condicionantes são importantes pois criam a base para a adesão a
partir da criação de microporosidades e união micromecânica.
Condicionamento de superfícies
Dá-se pelo processo de hibridização, dado pela infiltração e polimerização “in situ”
de monômeros resinosos (adesivos) na estrutura dental condicionada
(dentina/esmalte com microporosidades). Gera uma camada híbrida
(dentina/esmalte + adesivo).
4. Solventes
Além de diluir outros componentes diminuindo a viscosidade dos sistemas
adesivos, tem por função retirar o líquido presente nos túbulos dentinários para
que o adesivo possa ocupar este local.
➔ Água 40%
➔ Acetona 80%
➔ Etanol 40%
OBS: A aplicação de um adesivo com baixa quantidade de solvente resultará
numa camada adesiva com alta concentração de monômeros, e o inverso
também ocorre.
Então, em adesivos bem diluídos, uma única camada de aplicação não é
suficiente, sendo necessário aplicar mais uma camada de adesivo sobre a
superfície.
6 Condicionamento com Ácido fosfórico (30 a 40%)
O ácido fosfórico aumenta a resistência de união, por ser capaz de causar
rápida desmineralização. É um ácido inorgânico com boa estabilidade química
e baixo custo, utilizado em frascos/seringas com pontas aplicadoras, em
consistência de gel, para garantir que ele fique restrito à área aplicada.
➔ Esmalte - 30s
➔ Dentina - 15s
Interação do ác. fosfórico com o esmalte
O esmalte, por ser muito mineral (97%), quando condicionado com ác. fosfórico,
sofre dissolução ao redor dos prismas, aumentando a energia livre de superfície,
formando microporos (maior rugosidade), aumentando a área de superfície para
adesão.
O esmalte fica com aspecto branco opaco por conta da desmineralização.
Interação do ác. fosfórico com a dentina
O ác. fosfórico remove o smear layer causando a limpeza da dentina, abrindo a luz
dos túbulos dentinários, expondo as fibrilas colágenas (material orgânico), devido
à desmineralização.
Na dentina, o ác. fosfórico diminui a energia de superfície por se tratar de um
meio úmido. Ao condicionar com esse ácido, a dentina se torna instável, pois
aumenta a água nos túbulos dentinários.