A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Síndromes hipertensivas da gestação

Pré-visualização | Página 1 de 1

Síndromes hipertensivas da gestação
	Pré-eclâmpsia
	
	Qual a definição?
	PA maior ou igual 140X90 mmHg
 +
Proteinúria maior ou igual 300mg/dia
ou
Maior igual a 1+ na fita
ou
Proteína/creatinina urinária > 0,3
Apenas se surgirem após 20 semanas.
	Qual a fisiopatologia?
	Normal: onda de invasão trofoblástica ⬇PA
1ª trimestre (1ª)
Até 20ª semana (2ª)
As artérias espiraladas vão ter a camada média destruída para permitir maior aporte de sangue.
Se não houver 2ª onda ➡Diminuição de fluxo ➡Pré-eclâmpsia.
No endotélio também há lesão: agregação plaquetária com aumento de tromboxano e diminuição de prostaciclina. 
⬇ 
Vasoconstrição = Aumento da resistência vascular periférica. Podendo cursar com trombocitopenia.
No glomérulo há lesão do endotélio capilar = Edoteliose capilar glomerular (não é mais patognomônica de pré-eclâmpsia).
⬇
Proteinúria e edema
(pode ser critério de aparecimento tardio).
	Existe pré-eclâmpsia sem proteinúria?
	Sim: se hipertensão > 20 semanas 
+
Plaquetopenia (<100.000), 
Cr>1,1,
Edema agudo de pulmão,
⬆2X Transaminases,
Sintomas cerebrais ou visuais.
OBS: creatinina da gestante é ½ da normal.
	Quais os FRs?
	· Pré-ecâmpsia anterior (pessoal ou familiar), 
· Exposição à “placenta” pela primeira vez (primigesta) ou excessiva (gemelar, mola); 
· Vasculopatia (HAS, DM, dç renal).
Em azul: AAS como prevenção. 
Pode ser utilizado Ca2+ para pacientes de alto risco e baixa ingesta de Ca2+.
	Qual a classificação?
	Leve: PA ≥140x90mmHg, mas <160x110 e sem sinais de gravidade.
 
Grave: PAS ≥160 ou PAD ≥110, edema agudo de pulmão, oligúria, Cr>1,3 mg/dl. 
HELLP: LDH > 600, bilirrubina ≥ 1,2. 
AST ≥70,
Plaquetas <100.000.
Pode existir HELLP sem ter pré-eclâmpsia.
Iminência de eclampsia: cefaleia, escotomas, epigastralgia, ⬆ reflexo.
*proteinúria: excluída da gravidade por alguns. 
	Qual a conduta?
	Se grave: 
Interna e avalia a necessidade de anti-hipertensivo➡PA<16x11
Objetivo: manter PAS 140-155 e PAD 90-100.
CRISE
Hidralazina IV
Labetalol IV
Nifedipina VO
MANUTENÇÃO
Metildopa VO
Hidralazina VO
Pindolol VO
Evitar/Suspender: diurético, IECA e propranolol. 
	Como é prevenção da eclampsia?
	Em toda pré-eclâmpsia grave e eclampsia: 
Sulfato de Mg (Ataque e Manutenção). 
Prichard: 
A: 4g IV + 10g IM 
M: 5g IM 4/4h
Em locais sem bomba infusora
Zuspan:
A: 4g IV
M: 1-2g/h IV BI
Sibai:
A: 6g IV
M: 2-3g/h IV BI
Cuidado com a intoxicação!
	Como acompanhar intoxicação por sulfato de magnésio?
	RISCO
Reflexo patelar: tem que estar presente;
FR >14 -16;
Diurese>25ml/h
Oligúria ≤25 não é sinal de intoxicação ➡ só ajustar dose do sulfato de magnésio.
INTOXICAÇÃO
Reflexo patelar ausente ou FR<16. 
	Qual o antídoto?
	Em caso de intoxicação suspender Mg e aplicar gluconato de Ca. 
Deixar 10ml a 10% preparado.
	Quando fazer interrupção da gestação?
	LEVE: Expectante até o termo, conforme as condições maternas e fetais. 
GRAVE: Tratamento definitivo é o parto.
· < 35 semanas: 
· Avaliar bem estar para corticoide.
· PARTO se piorar.
· ≥ 34 semanas = PARTO.
	Qual a via do parto?
	Pode ser vaginal: 
Depende das condições maternas (gravidade, BISHOP) e fetais (sofrimento). 
Parto só após da estabilização. 
	Qual a definição de eclampsia?
	Pré-eclâmpsia + convulsão.
	HAS crônica?
	PA≥140x90mmHg antes de 20 semanas.
	Pré eclampsia sobreposta?
	HAS + pré-eclâmpsia.
	Hipertensão gestacional?
	PA≥140x90 após 20 semana sem critério p/ pré-eclâmpsia que melhora no puerpério.