APRESENTAÇÃO FARMACOGENÉTICA

APRESENTAÇÃO FARMACOGENÉTICA


DisciplinaGenética Médica222 materiais3.652 seguidores
Pré-visualização2 páginas
*
*
Alunas:	 							 T: 4001
Emily Ghetti
Fernanda Queiroz
Marianna Bloise
Patrícia Lunardi
Disciplina: Genética Médica	Prof.: Maria do Carmo
UNESA \u2013 M2
*
*
O que é Farmacogenética?
\u201cÉ o estudo de diferenças na resposta a drogas decorrentes da variação alélica em genes que afetam seu metabolismo, sua eficácia e sua toxicidade.\u201d (Thompson & Thompson - Genética Médica. 7a. ed. \u2013 Cap. 18)
*
*
Qual a sua importância?
Permite aos médicos escolher um medicamento ou uma dose do medicamento de modo que o paciente não esteja sob o risco de um evento adverso.
Permite a decisão de uma dosagem que assegura uma terapia adequada e minimiza as complicações.
OBS.: Como ocorre com todos os outros aspectos da medicina personalizada, é preciso comprovar o custo-benefício de tal exame, caso o objetivo seja integra-lo à assistência médica existente.
*
*
Farmacocinética e Farmacodinâmica
Farmacocinética: 
Absorção
Transportação
Metabolização
Excreção das drogas ou de seus metabólitos
Farmacodinâmica:
Receptores
Enzimas
Vias metabólicas
*
*
Variação na Resposta Farmacocinética:
Variação na Fase I e II do Metabolismo de Drogas: Citocromo P450.
Variação na Resposta Farmacodinâmica:
Deficiência da Glicose-6-Fosfato Desidrogenase e Anemia Hemolítica
*
*
VARIAÇÃO NA RESPOSTA FARMACOCINÉTICA
*
*
Variação na Fase I do Metabolismo de Drogas: 
Citocromo P450
O Citocromo p450: 
Suas proteínas são uma família de 56 enzimas funcionais distintas;
Cada uma codificada por um gene CYP diferente;
São hemeproteínas do fígado;
Ação: Adicionar um grupo hidroxila à molécula \u2013 Fase I do Metabolismo de Drogas 
Hidroxilação Alifática
Hidroxilação aromática
N-hidroxilação
*
*
Variação na Fase I do Metabolismo de Drogas: 
Citocromo P450
São organizados em 20 famílias
CYP1
CYP2
CYP3
Em particular, 6 genes são especialmente importantes para a farmacogenética:
CYP1A1
CYP1A2
CYP2C9
CYP2C19
CYP2D16
CYP3A4
*
*
Variação na Fase I do Metabolismo de Drogas: 
Citocromo P450
*
*
26 alelos
Atividade Reduzida
Atividade Ausente
Atividade Aumentada
Sem sentido
Recomposição
Repetição
*Alelos selvagens
*
*
Variação na Fase I do Metabolismo de Drogas: 
Citocromo P450
*
*
Variação na Fase II do Metabolismo de Drogas: 
Genes que codificam enzimas da fase II são:
Funcionalmente polimórficos;
Contribuem com uma variabilidade adicional. 
*
*
Glicuronidação pela UDP-glicosil-transferase:
Importante via metabólica dessa fase;
Parte da via de excreção da bilirrubina.
Camptotecina:
Alcalóide vegetal;
Propriedades antitumorais.
Variação na Fase II do Metabolismo de Drogas: Polimorfismo da Glicuronidação e Toxicidade da Camptotecina
*
*
Camptotecina
Toxicidade grave
O Polimorfismo:
UGT1A1 glicuronato transferase 
 7-etil-10-hidroxicampotetina
 
 excretada na bile
*
*
Ocorre em um número variável de repetições no TATAA box dentro do promotor de UGT1A1:
Alelo normal (UGT1A1*1)
6 repetições TA
Alelo 28 (UGT1A1*28), uma variante comum
7 repetições TA \uf0e0 reduz a transcrição do gene e os níveis da enzima
Indivíduos homozigotos para UGT1A1*28 tratados com camptotecina:
Risco relativo 3 a 5 vezes maior à toxicidade grave
*
*
Isoniazida - Principal indutora de hepatoto-
 xicidade;
 - Metabolizada no fígado princi-
 palmente pela NAT2.
Variação na Fase II do Metabolismo de Drogas: Polimorfismo da N-Acetiltransferase e o Tratamento da Tuberculose com Isoniazida
*
*
O Polimorfismo:
Pacientes que inativam a droga mais lentamente:
Alta incidência de neuropatia periférica e supressão da medula óssea
Acetiladores rápidos:
Mais susceptíveis a desenvolver falência terapêutica
Acetiladores lentos:
Incidência maior de hepatotoxicidade do que os acetiladores rápidos 
*
*
Os fenótipos:
Inativadores lentos e rápidos ocorrem por diferenças alélicas em um gene da N-acetiltransferase (NAT2)
Os genótipos:
Acetiladores lentos:
Homozigotos recessivos
Inativadores rápidos:
Homozigotos dominantes
Heterozigotos
*
*
Variação na Fase II do Metabolismo de Drogas: 
Polimorfismo da Tiopurina Metiltransferase 
Gene TPMT \u2013 Codifica a enzima tiopurina metiltransferase
Alterações genéticas \u2013 deficiência da TPMT \u2013 concentrações plasmáticas de tiopurinas aumentadas a níveis tóxicos. 
 Tiopurinas 
(6-mercaptopurina, 6-tioguanina)
Metilação
*
*
Característica autossômica com codominância :
90% dos indivíduos apresentam alta atividade; 
10% apresentam atividade intermediária devido a heterozigose;
0,3% apresentam baixa ou nenhuma atividade devido a dois alelos não funcionais.
*
*
Variação na Fase II do Metabolismo de Drogas: 
Polimorfismo da Colinesterase
Gene BCHE \u2013 enzima butirilcolinesterase
Deficiência da colinesterase \u2013 homozigosidade para alelo A
Alelo usual (U) e alelo atípico (A)
Succinilcolina 
Relaxamento da musculatura esquelética
Enzima butirilcolinesterase
Hidrólise
*
*
VARIAÇÃO NA RESPOSTA FARMACODINÂMICA
*
*
Deficiência da Glicose-6-Fosfato Desidrogenase (G6DP)
G6DP - enzima que protege as hemácias dos efeitos da oxidação;
Gene localizado no cromossomo X; 
No homem: XY
Na mulher: XX (heterozigoto ou homozigoto)
 
Indivíduos com deficiência da G6PD:
Evitar determinados medicamentos, alimentos e substâncias \u2013 estresse oxidativo
Infecções bacterianas e virais \u2013 estresse oxidativo 
Estresse oxidativo \u2013 ruptura da hemácia (hemólise)
*
*
Anemia Hemolítica:
Hemólise das hemácias;
Diminuição das hemácias circulantes \u2013 diminuição da capacidade do organismo fornecer oxigênio para o corpo
Sintomas :
Fadiga
Palidez da pele
Icterícia
*
*
Hipertermia Maligna
Condição autossômica dominante, podendo haver resposta adversa à anestésicos de inalação (ex.Halotano) ou relaxantes musculares(ex.succinilcolina).
É devida a uma elevação do nível de cálcio ionizado no sarcoplasma do músculo;
Em relação aos adultos é 10 vezes mais elevada em crianças;
*
*
Rigidez muscular, elevação da temperatura e rabdomiólise; 
50% são devidas a mutações no gene RYR1 (crom.19) que codifica um canal de liberação de cálcio. 
Mutação do gene CACNL1A3, responsável por codificar a subunidade alfa 1 de um canal de cálcio sensível à diidropiridina.
*
*
Tratamento com Varfarina
Medicamento anticoagulante;
Alguns indivíduos apresentam reações adversas, apresentando hemorragia e coagulação indesejada.
*
*
Bloqueia 
Enzima complexo da vitamina K epóxido redutase
Codificada pelo gene VKORC 1
Reduz a vitamina K para que ela seja reciclada e utilizada na biossíntese do fator de coagulação
*
*
Fatores genéticos e ambientais dificultam o estabelecimento de uma dose terapêutica de varfarina;
Alguns medicamentos interferem na fase I do m etabolismo da varfarina e afetam a dose utilizada;
*
*
CYP2C9
O metabólito mais ativo da varfarina sofre destoxificação na fase I;
A frequência total de alelos que causam a deficiência de CYP2C9 é:
 20% em brancos
 3,5% em afro-descendentes
 2% em asiáticos
Os heterozigotos requerem uma dose 20% mais baixa de varfarina para manter o mesmo grau de anticoagulação; 
*
*
VKORC1
Outra variabilidade genética de resposta ao tratamento com varfarina esta relacionado com essa enzima;
Os alelos comuns dos polimorfismos de um único nucleotídeo não-codificador desse gene pode ser usado para definir duas famílias de haplótipos, A e B;
O haplótipo A, está presente em 33% dos brancos, 89% dos asiáticos e 14% dos afro-americanos;
*
*
Risco Genotípico de Consequências Adversas após Cirurgia Cardiotorácica
Hemorragia prolongada
Lesão do miocárdio
Falha no enxerto
Derrame
Complicações comuns
*
*
Risco Genotípico de Consequências Adversas após Cirurgia Cardiotorácica
Alelos polimórficos em 7 lócus
 Codificam glicoproteínas de membrana
	Agregação plaquetária e Cascata de coagulação
		
	 O risco de hemorragia