A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Cirurgia Pediátrica

Pré-visualização | Página 1 de 3

AULAS CIRURGIA PEDIÁTRICA
FIMOSE
Definição:
- A fimose é o estreitamento do
orifício prepucial que impede a
exposição total ou parcial da
glande.
Complicações:
- Balanopostite
- ITU: pensar em E. coli ou
proteus.
- Parafimose: É a complicação
aguda mais grave da fimose,
pois pode causar isquemia da
glande. Ocorre quando se tenta
exteriorização da glande na
presença do anel de constrição
fibrótica. Causa garroteamento
do pênis, que pode provocar
grande edema, por bloqueio
linfático e venoso.
Tratamento:
- A postectomia é o método mais
tradicional para correção da
fimose e é indicada para ser
realizada depois dos 2 anos.
- Pode ser utilizado um creme
com corticóide durante as
massagens.
HIPERTROFIA DO PREPÚCIO
Excesso de pele que pode ou
não estar associada a fimose.
Pode levar a dificuldade na
higiene, infecções repetidas,
manutenção de processos
inflamatórios.
A indicação cirúrgica está
indicada quando há de fato
dificuldades no processo de
higienização.
ACOLAMENTO BALANO
PREPUCIAL
A pele do prepúcio está aderida
a glande.
Entre a pele e a glande, no sulco
balanoprepucial há glândulas
sebáceas. Nessas situações de
acolamento, esse sebo produzido pode
se acumular levando a quadros de
balanopostites, por exemplo.
O tratamento é o descolamento
que pode ser forçado ou realizado pela
mãe da criança em casa, por meio de
massagens.
HIPOSPÁDIA
Definição:
- Abertura ventral do meato
uretral
- Encurvamento ventral do pênis
- Hipertrofia do prepúcio dorsal e
ausência do prepúcio ventral
Classificação:
Quanto mais proximal for a
abertura do meato, maior o
encurvamento do pênis.
Incidência:
- 1 caso em 300 RN do sexo
masculino.
- Pode existir no sexo feminino,
apesar de ser raro.
OBS: É importante observar se há
ausência dos testículos, pode se tratar
de casos de genitália ambígua. Além
disso, é importante investigar se há
malformações do trato urinário alto
(USG).
Desordem de desenvolvimento
sexual deve ser suspeitada diante de
criptorquidia bilateral. Deve-se solicitar
cariótipo para definição do sexo, já que
pode se tratar de uma menina com
hiperplasia adrenal com virilização
total.
Pode ocorrer estenose do meato
da uretra, e isso pode levar a um
aumento da pressão podendo causar
hidronefrose.
Tratamento:
- Ortofaloplastia (retificação do
pênis) neouretroplastia (nova
uretra).
EPISPÁDIA
A abertura do meato uretral
está nestes casos, na região ventral.
Costuma ser mais grave porque
pode estar associada a malformações
na inervação da bexiga (bexiga
neurogênica)
Incidência:
- 1 para 50.000 RN.
DISTOPIAS TESTICULARES
Incidência
- RN termo: 3,2%
○ 1° ano: 0,5%
- Prematuros: 26,5%
○ 1° ano: 5,4%
- Bilateralidade: 10%
Tratamento:
- A cirurgia para correção das
distopias deve ocorrer após 1
ano e 1,5 ano.
Classificações:
- Criptorquidia: não palpáveis
- Retidos: no trajeto de descida
- Ectópicos: fora do trajeto
- Retráteis
1. Criptorquidismo: classificação
após/ durante a cirurgia.
- Anorquidia: não tem testículo
- Intra-abdominal
- Hipotrofia
1. Retidos: preso no trajeto de
descida, podendo estar:
- Anel inguinal profundo
- Canal inguinal
- Anel inguinal superficial
- Raiz do escroto
2. Ectópicos: saíram do canal
inguinal
- inguinal superficial
- Crural
- Perineal
- Cruzado
Temperatura escrotal: 1,5° a
2,5°C abaixo da cavidade abdominal.
A esterilidade nos casos de
distopias testiculares é maior quando a
correção ocorre após 2° ano de vida.
Tratamento:
A cirurgia que promove a
descida e fixação do testículo na região
do escroto é denominada
orquidopexia.
Há maior chance de
degeneração maligna
- 10% dos tumores testiculares -
portadores de distopias
- 3,8 a 10% - chance de
malignização (3ª e 4ª década de
vida)
- 1,45 chance de malignização
contralateral
Exemplo: 2 indivíduos - 1 possui os 2
testículos mas 1 encontra-se na região
abdominal e o outro no escroto. O
segundo indivíduo nasceu com apenas
1 testículo. Qual dos 2 indivíduos é mais
fértil? R: O indivíduo com apenas um
testículo é mais fértil. Porque o testículo
do outro que encontra-se na região
abdominal sofre ação do calor e do
sistema imunológico que atrapalha
desenvolvimento e fertilidade do que
está no local correto.
HÉRNIAS INGUINAIS
Definição da Sociedade Brasileira
de hérnia e parede abdominal:
- Hérnia da parede abdominal
ocorre quando parte de um
órgão (normalmente alças do
ID) se desloca, através de um
orifício, chamado de anel
herniário, e invade um
espaço indevido (saco
herniário).
Epidemiologia:
- Incidência: 4% da população
- Prematuros: 30%
- Sexo: masculino 3:1 feminino
Distribuição etária:
- ⅓ das crianças com hérnia
tem menos que 6m de vida.
- Quando surgem no 1° ano de
vida, apresentam maior
chance de complicações
(encarceramento,
estrangulamento)
- É a patologia congênita mais
prevalente.
- Lateralidade:
- 60% do lado direito
- 30% do lado esquerdo
- 10% bilateral
Etiologia:
Quando o saco herniário
estiver localizado lateral aos vasos
epigástricos, tem-se uma hérnia
inguinal indireta, se for localizado
medial aos vasos epigástricos,
tem-se uma hérnia direta.
Sinal da “Seda”:
No menino: canal
espermático espessado. Na menina
é o ligamento redondo.
Complicações:
- Encarceramento: o conteúdo
do saco não pode ser
reduzido para a cavidade
abdominal.
- Estrangulamento: há
sofrimento vascular do
conteúdo herniado, podendo
haver necrose.
Classificação:
OBS: não se usa essa
classificação. Mas o tipo mais
encontrado em criança é a do tipo
I.
Tratamento:
- Nas cirurgias de hérnias em
crianças não se utilizam
telas, pois a parede
abdominal ainda não se
formou corretamente, após a
correção a parede se forma
corretamente.
- Hérnia inguinal
diagnosticada = hérnia
operada.
HIDROCELE
Classificação:
- Comunicante: processo
peritônio-vaginal patente
- Não comunicante: processo
peritônio-vaginal
parcialmente obliterado.
- Hidrocele vaginal
- Hidrocele do cordão
(cisto de cordão)
1. Hidrocele da vaginal
(não-comunicante):
- Maior incidência em bebês e
no início da infância
- Frequentemente bilateral
- Evita-se o tratamento
precoce pois na hidrocele da
vaginal frequentemente
ocorre reabsorção durante o
1° ano de vida, sem
necessidade de tratamento.
- Cirurgia está indicada
quando é muito grande e
estiver pressionando as
estruturas adjacentes.
2. Hidrocele comunicante:
- Há passagem de líquido da
cavidade abdominal para a
bolsa testicular
- Não se resolve
espontaneamente
- O tamanho da hidrocele
varia: aumenta durante o dia
e diminui à noite.
- Diagnóstico é clínico -
transiluminação.
HÉRNIAS UMBILICAIS
Incidência:
- 1 em 5 crianças (21%)
- Maior na raça negra
- 84% das com peso entre 1000
e 1500g
- Saco herniário: peritônio
aderido à pele.
Não deve-se colocar
esparadrapo, moeda. É uma
conduta proscrita.
As hérnias umbilicais
possuem uma chance grande de
desaparecimento espontâneo com
o crescimento.
Chance baixa de
encarceramento.
Porcentagem de crianças que
irá necessitar de operação
conforme o diâmetro do anel
umbilical:
- < 0,5cm — 42%;
- 0,5-1,5cm — 60%;
- > 1,5cm — 84%.
Quando operar?
- Defeito que não está
fechando
- Raça negra
- Tente a operar mais meninas
devido a gestação no futuro.
- aspecto do anel ao exame.
- Idade satisfatória para
operar → 3 anos.
HÉRNIAS SUPRA-UMBILICAIS
Defeito junto da cicatriz
umbilical (superior).
Orifício em fenda.
Nunca se fecha
espontaneamente
Corrigido cirurgicamente
como a hérnia umbilical
Indicação operatória: ao
diagnóstico. No entanto, a chance
de se complicar é baixa, então pode
estar até próximo dos 3 anos para
operar.
HÉRNIA EPIGÁSTRICA
Defeito da linha alba.
Pode ser única ou múltipla.
Pequena: orifício <0,5cm
Nunca se fecha
espontaneamente.
O epíplon abdominal pode
entrar nessa hérnia provocando
dores, geralmente após a
alimentação.
Indicação operatória: ao
diagnóstico.
ESCROTO AGUDO
1. TORÇÃO TESTICULAR
Maior chance de ocorrer
quando começa a puberdade. É
necessário ter uma malformação
para que a torção ocorra.
Classificação:
- Extravaginal: acomete na
vida uterina. Pico no Rn
- Intravaginal: