A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
06_-_Cinzas_ENN_e_valor_calorico

Pré-visualização | Página 1 de 2

Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Ciências Rurais
Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos
Curso de Graduação em Agronomia
Disciplina de Bromatologia Animal
Protocolo de Protocolo de 
CinzasCinzas
Professor: Renius Mello
by Prof. Renius Mello
1. Objetivo
‰ Determinar as cinzas (CZ) ou matéria mineral (MM) em
alimentos para animais.
2
by Prof. Renius Mello
2. Método
‰ Análise de cinzas (AOAC 942.05)( )
‰ Análise de cinzas (AOAC 900.02)
3
by Prof. Renius Mello
3. Escopo
‰ Este procedimento é aplicável para a determinação
das cinzas em todos os tipos de amostras de forragens
secas e moídas, bem como de alimentos para animais.secas e o das, be co o de a e tos pa a a a s
‰ Não é aplicável para a determinação das cinzas em
alimentos líquidos ou com alto teor de açúcar.
4
by Prof. Renius Mello
4. Princípio básico
‰ A amostra seca e moída é incinerada na mufla à
600°C para oxidar toda a matéria orgânica
A i é d t i d l d íd i â i‰ A cinza é determinada pela pesagem do resíduo inorgânico
resultante.
5
by Prof. Renius Mello
5. Equipamentos
‰ Cadinho de porcelana, forma baixa, 30/50 mL,p , , ,
numerado
M fl f d P l i é i à‰ Mufla ou forno de Pasteur com controle pirométrico à
600±15ºC
‰ Balança analítica com sensibilidade 0,1 mg
‰ Dessecador e pinça/tenaz
‰ Estufa de secagem por convecção à 105±2ºC
6
by Prof. Renius Mello
6. Reagentes
‰ Nenhum
OBS.: ácido nítrico (HNO3) [90%] e peróxido de
hidrogênio (H O ) 30 volumes são opcionaishidrogênio (H2O2) 30 volumes são opcionais.
7
by Prof. Renius Mello
7. Precauções de segurança
‰ Use os procedimentos padrão de quando se trabalhap p q
com equipamentos elétricos ou de vidro
C ifi d i lé i‰ Certifique-se que todos os equipamentos elétricos
estejam devidamente instalados e funcionandoj
adequadamente
8
by Prof. Renius Mello
8. 
Procedimento/marcha/roteiro
I. Remover os cadinhos pré-secos à 100°C por 2 hs da estufa
para o dessecador. Esfriar e registrar os peso dos cadinhos com
aproximação de 0,1 mg (P1).
II. Pesar 1,5 a 2,0 g de amostra no cadinho, registrar o peso do
cadinho mais amostra com aproximação de 0 1 mg (P2)cadinho mais amostra com aproximação de 0,1 mg (P2).
III. Incinerar à 600°C por 2 hs após atingir a temperatura.
IV. Deixar os cadinhos esfriarem na mufla até menos de 200°C e
transferir para o dessecador Esfriar e pesar o cadinho maistransferir para o dessecador. Esfriar e pesar o cadinho mais
cinzas com aproximação de 0,1 mg (P3).
9
by Prof. Renius Mello
9. 
Comentários/Considerações
‰ A temperatura e o tempo descritos devem ser
i dmonitorados
‰ As amostras devem ser colocadas na mufla e no‰ As amostras devem ser colocadas na mufla e no
dessecador de modo que o ar possa circular livremente.
O di h ã dOs cadinhos não devem tocar uns nos outros.
‰ Se determinar as cinzas após análise de fibra‰ Se determinar as cinzas após análise de fibra,
incinerar à 500°C até livre de carbono e cor cinza (3 a 5
h ) T t i b i t ihs). Temperaturas mais baixas requerem tempos mais
longos de incineração. 10
by Prof. Renius Mello
10. Cálculos
‰ Dados:
Cadinho + MPS = 15,5150 Cadinho + CZ = 13,2198
Cadinho vazio = 13 0495 Cadinho vazio = 13 0495Cadinho vazio = 13,0495 Cadinho vazio = 13,0495
MPS = 2,4655 CZ = 0,1703
11
by Prof. Renius Mello
10. Cálculos
‰ PI:
2,4655 g MPS 0,1703 g CZ
36 18 % MPS X36,18 % MPS X
X = 2,50% de CZ no PI
12
by Prof. Renius Mello
10. Cálculos
‰ MS:
34,40 % MS 2,50 % CZ
100,00 % MS X
X = 7,27% de CZ na MS,
13
by Prof. Renius Mello
10. Cálculos
‰ Percentagem de CZ em base seca:g
Onde:Onde:
P1 = peso da tara do cadinho em g
P2 = peso do cadinho mais amostra em gP2 = peso do cadinho mais amostra em g
P3 = peso do cadinho mais cinzas em g 14
by Prof. Renius Mello
13. Controle de qualidade
‰ Incluir uma ou mais amostras como controle de
qualidade (QC) em cada corrida. Incluir pelo menos
uma duplicata em cada corrida se determinações únicasuma duplicata em cada corrida se determinações únicas
estão sendo feitas.
‰ O desvio padrão médio aceitável entre as análises de
replicatas para CZ é ± 0,10, resultando em limite dereplicatas para CZ é ± 0,10, resultando em limite de
alerta (2s) de ± 0,20 e um limite de controle (3s) de ±
0 300,30.
15
by Prof. Renius Mello
13. Controle de qualidade
‰ Plotar os resultados da(s) amostra(s) em um gráfico( ) ( ) g
e examinar as tendências:
R lt d f d i t l d fi d 95% ( 2 ) id i‰ Resultados fora do intervalo de confiança de 95% (± 2s) evidenciam
possíveis problemas com o sistema analítico.
‰ Resultados fora dos limites de confiança de 99% (± 3s) indicam
perda de controle, e os resultados do teste devem ser descartados.
‰ A queda de duas análises consecutivas em um lado da média entre
os limites de alerta e de controle também indicam perda de controle.
16
by Prof. Renius Mello
Dúvidas?
17
Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Ciências Rurais
Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos
Curso de Graduação em Agronomia
Disciplina de Bromatologia Animal
Estimativa dos Extratos Estimativa dos Extratos 
ããNão Nitrogenados (ENN)Não Nitrogenados (ENN)
Professor: Renius Mello
by Prof. Renius Mello
1. Cálculos
‰ Fórmulas:
‰ ENN (%PI) = 100 – (Umidade+CZ+EE+FB+PB)
‰ ENN (%MS) = MS – (CZ+EE+FB+PB)
19
by Prof. Renius Mello
1. Cálculos
‰ PI:
‰ ENN (%PI) = 100 – (65,60+2,50+1,30+9,10+4,43)
‰ ENN (%PI) = 100 – 82,93
‰ ENN (%PI) = 17 07% de ENN no PI‰ ENN (%PI) = 17,07% de ENN no PI
20
by Prof. Renius Mello
1. Cálculos
‰ MS:
‰ ENN (%MS) = 100 – (7,27+3,79+26,45+12,88)
‰ ENN (%MS) = 100 – 50,38
‰ ENN (%MS) = 49 62% de ENN na MS ou‰ ENN (%MS) = 49,62% de ENN na MS ou
34 40 % MS 17 07 % ENN34,40 % MS 17,07 % ENN
100,00 % MS X
X 49 62% d ENN MSX = 49,62% de ENN na MS
21
by Prof. Renius Mello
Dúvidas?
22
Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Ciências Rurais
Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos
Curso de Graduação em Agronomia
Disciplina de Bromatologia Animal
Valor Calórico dos Valor Calórico dos 
AlimentosAlimentos
Professor: Renius Mello
by Prof. Renius Mello
1. Valor Calórico Bruto (VCB)
‰ Constantes calóricas (Rubner & Atwater)( )
‰ Carboidratos = 4,15 kcal/g
‰ Proteínas = 5,65 kcal/g
‰ Lipídios = 9 40 kcal/g‰ Lipídios = 9,40 kcal/g
24
by Prof. Renius Mello
2. Cálculos do VCB/EB
‰ PI:
Fração % no PI Cte (kcal/g) VCB ou EB (kcal)
Umidade 65,60 -
CZ 2,50 -
EE 1,30 9,40 12,22
FB 9,10 4,15 37,76
PB 4,43 5,65 25,03
ENN 17,07 4,15 70,84
TOTAL 100,00 145,85 kcal/100g de PI
25
1.458,5 kcal/kg de PI
by Prof. Renius Mello
2. Cálculos do VCB/EB
‰ MS:
34,40 % MS 145,85 kcal
100,00 % MS X
X = 423 98 kcal/100g MS ouX = 423,98 kcal/100g MS ou
4.239,8 kcal/kg de MS
26
by Prof. Renius Mello
3. Cálculos do Valor Calórico 
Digestível – VCD (ED)
‰ Supondo que os coeficientes de digestibilidade (CD)p q g ( )
médio sejam:
Fib 50%‰ Fibra= 50%
‰ ENN= 90%
‰ Proteínas= 75%
‰ Lipídios= 90%
k l di tí i (k l b t CD)/100‰ kcal digestíveis = (kcal brutas x CD)/100
27
by Prof. Renius Mello
3.1 Cálculos do VCD/ED em /
Ruminantes
‰ PI:
Fração % no PI
Cte
(k l/ )
VCB/EB
(k l b t )
CD
(%)
VCD/ED
(k l di t)
ç
(kcal/g) (kcal bruta) (%) (kcal digest)
EE 1,30 9,40 12,22 90 11,00
FB 9 10 4 15 37 76 50 18 88FB 9,10 4,15 37,76 50 18,88
PB 4,43 5,65 25,03 75 18,77
ENN 17 07 4 15 70 84 90 63 76ENN 17,07 4,15 70,84 90 63,76
112,41 kcal/100g de PI
1 124 1 kcal/kg de PI
28
1.124,1 kcal/kg de PI
by Prof. Renius Mello
3.1 Cálculos do VCD/ED em /
Ruminantes
‰ MS:
34,40 % MS 112,41 kcal
100,00 % MS X
X = 326 77 kcal/100g MS ouX = 326,77 kcal/100g MS ou
3.267,7 kcal/kg de MS
29
by Prof. Renius Mello
3.1 Cálculos do VCD/ED em /
Ruminantes
‰ Digestibilidade (% da EB):g ( )
145,85 kcal 100%
112,41 kcal X
X = 77 07% da EB foiX = 77,07% da EB foi 
aproveitada
30
by Prof. Renius Mello
3.2 Cálculos do VCD/ED em /
Monogástricos
‰ PI:
Fração % no PI
Cte
(kcal/g)
VCB/EB
(kcal bruta)
CD
(%)
VCD/ED
(kcal digest)(kcal/g)