A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
167 pág.
Resumão grifado(3)

Pré-visualização | Página 4 de 50

para defeitos 
estruturais. Tem excelente integridade 
estrutural 
- osso esponjoso: excelente osteocondução e 
quantidade de células osteogênicas. Boa 
osteoindução. 
 
 
 
AN. COLUNA VERTEBRAL 
(Thompson, Müller, Rockwood, Gray) 
 
 
ANATOMIA: 
Osteologia geral: a coluna vertebral é composta por 
33 vértebras, sendo 7 cervicais, 12 torácicas, 5 
lombares, 5 sacrais (fundidas) e 4 coccígenas. 
Geralmente (com exceção de C1 e C2) as vértebras 
são constituídas de: 
- corpo: tem cartilagem articular nas 
regiões superior e inferior 
- arco posterior: formado por 2 pedículos 
(que conectam o corpo à lâmina) e 
lâmina 
- processos: 
o espinhoso 
o transverso 
o costiforme 
o mamilar 
- forames: 
o vertebral: por onde corre a 
medula espinhal 
o intervertebral: é limitado 
pelos pedículos das vértebras 
adjacentes, pelo corpo e a 
massa lateral articulares 
o transverso: este presente nos 
processos transversos das 
vértebras cervicais até C6. 
Este forame contém a artéria 
vertebral. 
O pars interarticulares é uma conexão de 
estrutura cortical tubular, que fica na junção entre o 
pedículo com a lâmina. Contém medula óssea 
esponjosa, e separa os processos articulares 
superior e inferior. 
 
Osteologia da coluna cervical superior (CCS): 
compreende a base do crânio (côndilos occipitais), o 
atlas (C1) e o áxis (C2). 
 Os côndilos occipitais são recobertos por 
cartilagem hialina e assemelham-se à terça parte de 
um cilindro cortado tangencialmente. 
 O atlas (C1) consiste de um anel ósseo, com 
duas massas ósseas laterais contendo uma faceta 
articular superior e outra inferior (ambas com formas 
côncavas sagitalmente orientadas). Na parte lateral 
destas massas encontram-se os processos 
transversos, que contém o forame transverso. Os 
arcos anterior e posterior completam o anel. Não 
possui corpo vertebral ou processo espinhoso. 
 50% da flexão e extensão total do pescoço 
ocorre na articulação atlanto-occipital. 
 O áxis (C2) apresenta 2 características: uma 
grande protuberância óssea (processo odontóide, ou 
“dente” do áxis) e a pars interarticularis (ou parte 
interarticular). Os forames transversos (que ficam 
dentro dos processos transversos) estão localizados 
na face lateral das massas vertebrais. O forame 
vertebral tem variações de tamanho. 
 50% da rotação total do pescoço ocorre na 
articulação atanto-axial (diartrodial). 
 O processo odontóide é corticoesponjoso e 
mede de 2-3cm com colo e ponta mais espessa. Se 
encaixa em um recesso atrás do arco anterior do 
atlas e fica entre as duas massas ósseas do atlas. 
 
Osteologia da coluna cervical inferior (CCI): 
compreende as vértebras cervicais de C3 à C7. 
 O corpo é relativamente pequeno e os 
processos espinhosos são bífidos. Os forames 
intervertebrais são estreitos (propensos à 
compressão nervosa). 
 Seus processos transversos possuem foramens 
(C2 a C7), por onde corre a artéria vertebral (C1-
C6). 
 O diâmetro do canal espinhal é normalmente 
de 17mm e a medula se torna comprometida 
quando este diâmetro se reduz para 13mm. 
 
Osteologia da coluna torácica: o corpo da vértebra 
torácica é côncavo em todos os 4 lados e pedículo 
com formato tubular. 
 O que a diferencia das demais, é a presença de 
facetas costais (presente no corpo das 12 vértebras 
e no processo transverso de T1 a T9) e um forame 
vertebral circular. 
É a região mais rígida do esqueleto axial. 
 
Osteologia da coluna lombar: o corpo vertebral da 
vértebra lombar é maior e tem a superfície anterior 
e laterais côncavas. O pedículo é oval. O processo 
espinhoso é maior que no torácico e não segue o 
mesmo grau de projeção para baixo. O processo 
transverso é menor e na base existe uma pequena 
saliência conhecido como processo mamilar. 
 
Osteologia do sacro e cóccix: ver Bacia. 
 
Articulações e ligamentos: os ligamentos incluem o 
longitudinal anterior, longitudinal posterior, 
ligamento amarelo, o supra-espinhoso, inter-
espinhoso e ligamento inter-transverso. 
 Os corpos vertebrais são unidos pelo forte 
ligamento longitudinal anterior (LLA) e pelo 
mais fraco ligamento longitudinal posterior 
(LLP). 
O LLA é geralmente espesso no centro e afila 
nas laterais. o LLA resiste à hiperextensão. 
O LLP se estende desde o occípito (membrana 
tectorial) até o sacro posterior. Ele é separado do 
centro do corpo vertebral por um espaço que deixa 
passar ramos dorsais da artéria e veias espinhais. 
O ligamento amarelo é um ligamento forte e 
elástico que conecta a faces anteriores das lâminas 
dos arcos vertebrais, estando constantemente em 
tensão. A hipertrofia deste ligamento pode contribuir 
para compressão de raiz nervosa. 
 A artic atlanto-occipital é elipsóide e 
estabilizada pela membrana tectória (que é um 
prolongamento do ligamento longitudinal posterior e 
possui parte superficial e profunda) e pelas cápsulas 
anterior e posterior. 
 A artic atlanto-axial mediana é trocóide e 
está envolvida em movimentos de rotação. 
Estabiliza-se pelos ligamentos: 
- alar: conectam a superfície medial dos 
côndilos occipitais à ponta lateral do 
processo odontóide. Impede a rotação 
excessiva da cabeça. 
- transverso: liga as massas laterais do 
atlas (uma à outra) e ao dente do áxis. 
- apical: se estende do ápice do dente até 
o basion. 
- longitudinal superior (ou cruzado): fica 
entre a membrana tectorial e o lig apical. 
Une o basion ao corpo do áxis 
- longitudinal inferior: liga o dente ao 
corpo do áxis 
Posteriormente as estruturas não são bem 
desenvolvidas, como os ligamentos interespinhais e 
o ligamento amarelo. 
A CCI tem um complexo ligamentar posterior é 
formado pelas cápsulas das facetas, pelo ligamento 
nucal (interespinhal) e o ligamento supra-espinhal 
(que conecta a ponta dorsal dos grandes processos 
espinhosos da C7 até o occipício). 
As articulações dos processos (facetas) 
articulares (articulações zigoapofisiais) são 
planas e permite maior mobilidade à coluna 
vertebral e estabiliza-se pela cápsula articular. A 
orientação é diferente em cada região da coluna: 
 
Região Plano Sagital Plano Coronal 
Cervical 35o em C2 
aumentando para 
55o em C7 
neutro 
Torácica 60o aumentando 
para 70o 
20o posterior 
Lombar 137o graus em L1 
diminuindo para 
118o em L5 
45o anterior 
 
A artic costo-vertebral (Luschka) é 
estabilizada pela cápsula articular, pelo ligamento 
intra-articular da cabeça da costela e pelo ligamento 
radiado da cabeça da costela (reforçando a artic 
anteriormente). 
 
Disco intervertebral: é fibrocartilaginoso, circundado 
por ânulo fibroso composto por colágeno tipo I, e 
um centro mais macio, o núcleo pulposo composto 
por colágeno tipo II. O núcleo pulposo possui 
polissacarídeos e 88% de água. 
 Idade avançada resulta em perda de água e 
conversão para fibrocartilagem. Os discos contam 
por 25% da altura total da coluna. Eles são unidos 
aos corpos vertebrais por cartilagem hialina, que é 
responsável pelo crescimento vertical da coluna. 
 A pressão intradiscal é depende da posição: 
menor com o corpo em supino e maior, sentada e 
fletindo para frente com peso nas mãos. 
 
Medula espinhal: entre o corpo vertebral e a lâmina 
fica o canal vertebral (canal medular), que contém a 
medula espinhal. 
A medula ocupa aproximadamente 35% do 
canal medular no nível do atlas e aproximadamente 
50% nas demais regiões. Seu diâmetro é variável e 
se alarga nas regiões cervical e lombar. 
As raízes nervosas saem da medula, 
percorrendo o canal pelo forame vertebral e 
atravessa o forame intervertebral. 
Abaixo do nível do cone medular (que contêm 
os mielômeros sacrais e coccígeos), o canal medular 
é preenchido com raízes motoras e sensitivas, que 
saem caudalmente através