A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
aula 1

Pré-visualização | Página 1 de 4

Aula 1
LINGUA PORTUGUESA
AVALIANDOS
	Segundo os PCNs, o principal objetivo do ensino de Língua Portuguesa deverá delinear-se no sentido da formação de "bons usuários da língua" ou, segundo BAGNO, de "motoristas" e não de "mecânicos da língua". Para tal, é necessário que os conteúdos selecionados direcionem-se para:
	
	
	que o aluno classifique as orações segundo seus tipos;
	
	que o aluno memorize definições de termos gramaticais;
	
	um esforço a fim de que o aluno saiba de cor as classes de palavras;
	 
	que o aluno desenvolva as habilidades de ler e escrever.
	
	que o aluno saiba identificar todos os termos da oração;
	
	
	 
	"Parece muito produtivo, para a educação nacional, que a escola participe, por meio do Programa Nacional do Livro Didático - PNLD do debate e do esforço conjunto no sentido de estabelecer e de pôr à disposição de ensino público obras e padrões adequados de livro didático-LD."
(Rangel, Egon de Oliveira. A escolha do livro didático de português: caderno do professor. Belo Horizonte: Ceale, 2006 p. 16)
Nesse sentido, considera-se que a escolha do livro didático na escola, por meio do PNLD, pode se tornar um rico recurso para o docente. Sobre esse processo de escolha do livro didático e a oportunidade de aprendizagem por meio desta escolha, todas as alternativas abaixo estão corretas EXCETO:
	
	 
	Ao escolherem o livro didático este deve conduzir de forma rígida e sistemática todos os conteúdos que devem ser trabalhados durante o ano letivo.
	
	As redes de ensino tem a oportunidade de escolherem da forma mais qualificada possível os "seus" livros didáticos.
	
	Os docentes devem articular o uso do livro didático com todos os demis materiais disponíveis para a consecução dos objetivos de ensino-aprendizagem estabelecidos pelo projeto político-pedagógico da escola.
	
	O livro didático de português pode oferecer um rico material de cultura escrita para os alunos, por meio da exploração de diferentes gêneros textuais.
	
	Os professores podem utilizar os livros didáticos criticamente em sala de aula, ou seja, como apoio didático, e não como substituto do planejamento pedagógico e do trabalho docente.
	
	
	 
	Os autores Fávero, Andrade e Aquino sinalizam para o fato de que tanto a fala como a escrita podem abarcar um nível mais informal ou mais formal, passando por graus intermediários, e demonstram essa variação em dependência com as condições de produção do texto.
Esta afirmação quer dizer que:
	
	
	A fala é uma modalidade da língua que não sofre variações.
	
	A escrita apresenta um nível mais formal de linguagem.
	
	A escrita apresenta variações de acordo com o contexto de uso.
	 
	A fala e a escrita apresentam níveis de variação conforme o uso.
	
	A fala sempre vai conservar um nível de informalidade.
	
	 
	No livro da disciplina "Conteúdo e Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa", Capítulo I, temos a seguinte afirmativa das auloras Letícia FONSECA e Marília SCORZONI; "A língua, então, é a linguagem que utiliza a palavra (escrita ou falada) como sinal de comunicação próprio de uma comunidade/grupo social. Sendo, então, pertencente a um grupo de indivíduos de uma comunidade, a língua é um fenômeno em constante transformação." Tendo por base a afirmativa acima, assinale a opção INCORRETA a respeito da concepção de LÍNGUA e LINGUAGEM.
	
	 
	O momento social e histórico - apesar de demandar uma percepção de língua, de mundo, de sujeito, demonstrando o caráter dinâmico da linguagem no meio social em que atua - não é tão importante quando nos referimos ao ensino da língua materna na escola.
	
	Durante muito tempo prevaleceu a ideia de que a língua é um código estático e acabado, desconsiderando a dimensão interativa que a língua oferece, desconsiderando a dimensão dinâmica que envolvem os conceitos de língua e linguagem, que sofrem interferências culturais, sociais, geográficas etc.
	
	A norma padrão deve prevalecer no âmbito escolar, sem desconsiderar as demais variações, que podem e devem ser discutidas com alunos, tendo por objetivo maior o desenvolvimento da proficiência linguística discente.
	
	Língua e Linguagem sofreram muitas transformações ao longo do tempo. Estas modificações precisam ser consideradas para trabalho junto ao alunado, que deve ser foco de uma ação didática em prol da proficiência linguística discente.
	
	As variações linguísticas não podem ser consideradas apenas como forma de discutir o "certo" e o "errado"; o "adequado" e o "inadequado". O professor deve respeitar a bagagem linguística de seus alunos para planejar suas ações que tenham como foco o desenvolvimento da competência comunicativa do aluno.
	
	
	
	 
	A única afirmação que NÃO corresponde ao processo de aquisição da escrita é:
	
	 
	Os erros não fazem parte do sistema de apropriação da escrita, não sendo realizados por todo iniciante no processo de aquisição da escrita.
	
	A aprendizagem da escrita pode ter início na vida da criança muito antes de que qualquer tentativa formal de ensino seja proposta.
	 
	Quanto mais os profissionais se aprofundam nos estudos sobre o processo de aquisição da escrita, mais eles identificam possíveis dificuldades.
	
	É importante e necessário que todo profissional que trabalhe com a escrita conheça o processo de aquisição normal da mesma, para que só então possa diferenciar o que é normal e o que está alterado.
	
	Nos estudos sobre a aquisição da linguagem escrita existem diferentes modelos teóricos que descrevem esse processo.
	
	 
	No ensino de língua portuguesa é fundamental distinguir três tipos de atividades ligadas respectivamente:
	
	
	Gramática-leitura-decorar
	
	Texto-gramática-fonética
	
	escrita-ortografia-gramática
	
	Leitura-releitutra-escrita
	 
	Fala-escrita-leitura
	
	
	
	 
	A função primordial do processo de avaliação "tanto em relação à leitura quanto em relação à escrita" é:
	
	
	favorecer ao professor o discernimento sobre que notas e conceitos atribuir aos alunos.
	
	permitir o uso de instrumentos de medida mais exatos quanto à eficácia do ensino.
	
	assegurar o controle sobre as condições de estudo dos alunos frente aos conteúdos vistos.
	 
	possibilitar um conhecimento mais global acerca do processo de ensino/aprendizagem.
	
	permitir o acompanhamento sistemático, pela gestão escolar, do progresso dos alunos.
	
	 
	A Revista Nova Escola, nº 225, do mês de setembro de 2009, trouxe uma reportagem especial sobre "o Ensino Fundamental de 9 anos" na página 58, ressaltando que os objetivos do 1º ano, na disciplina de Língua Portuguesa é:
A) Escutar ativamente uma exposição;
B) Comunicar-se por meio da fala, ouvindo com atenção e adequando a linguagem a situação;
C) Conversar num grupo, expressar sentimentos, idéias e opiniões;
D) Relatar acontecimentos e expor o que se sabe sobre os temas estudados.
Está(ão) correta(s ) apenas a(s ) afirmativa(s):
	
	
	Apenas a letra A
	
	Apenas a letra C
	
	Letras A, B e D
	 
	Todas as letras
	
	Somente as letras A e D
	A aquisição da escrita, para muitas crianças brasileiras, ¿inicia-se muito antes da educação formal e, mesmo durante a fase escolar, pode-se detectar indícios de autoaprendizagem ao lado de progressos devidos à condição de aprendizagem¿ (KATO, 2002, p.7). I - A busca da coesão e da coerência na escrita infantil pode ser visualizada desde o início, em que a criança tem a concepção do que seja o texto, de sua unidade formal e conceptual. Torna-se necessário, no entanto, encontrar estratégias de segmentação do texto em unidades menores, sem romper a coesão ou a coerência. II - Pode-se considerar que o desenvolvimento da escrita adquirida pela criança