Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
observações relevantes Cheniaux

Pré-visualização | Página 1 de 13

SUMÚLA PSICOPATOLOGICA
APARÊNCIA
Remete aos cuidados higiênicos e estéticos relativos ao corpo (incluindo cabelo, barba, unhas e dentes), roupas, maquiagem e adereços.
ALTERAÇÕES
Ou está cuidada ou descuidada (desleixo). No 2° caso o pcte se apresentará com higiene comprometida (roupas sujas, desalinhadas, mau cheiro, cabelo despenteado...). Outra forma de descrever seria em adequada, bizarra (extravagante, excêntrica, destoante do usual para o ambiente, “insano”, qualitativamente diferente) e exibicionista (excessiva exposição do corpo, denota aumento da libido ou comportamento sedutor).
	Exemplos 
	Depressão) o desinteresse ou anergia gera desleixo, pode mesmo inviabilizar os cuidados pessoais. 
	Mania) varia entre o pcte descuidado (a agitação não permite que completem atividades, inclusive se arrumar), a uma aparência extravagente (colorido excessivo, decote, roupas muito curtas), excessos (maquiagem, perfume, acessórios...) etc. 
	Esquizofrenia) varia com o nível de desorganização do pensamento ou separação pensamento-afeto, os apáticos-abulicos podem ser apenas descuidados, hebefrênico podem ser bizarros, nas paranoides a aparência pode refletir o delírio (“medalhas” por condecorações no d. de grandeza…). 
	Demência) o descuido por apraxia pode ocorrer.
	Transtorno conversivo e trans. dissociativo) na antiga histeria a aparência exibicionista é comum. 
ATITUDE ou COMPORTAMENTO
Engloba a fala, gestos, mimicas, movimentos corporais... ou mais especificamente o modo como o pcte se coloca em relação ao entrevistador. 
ALTERAÇÕES 
Basicamente podem ser atitudes desejáveis (cooperante, amistosa, de confiança, interessada...) muito relacionadas a presença de insight, ou atitudes não desejáveis.
	Atitudes indesejáveis (não cooperantes)
	De oposição) negativista, o pcte se recusa a participar da entrevista
	Hostil) ofende, ameaça, agride...
	De fuga) reflete medo
	Suspicaz ou desconfiada) “há câmeras aqui?” “Você é mesmo médico?”.
	Querelante) ofende ou briga por se sentir prejudicado/ofendido 
	Reivindicativo) exige aquilo que crê ser seu direito, que está sendo negado
	Arrogante) o pcte sente-se superior, usa de desdém 
	Evasiva) evita responder certas perguntas sem se recusar explicitamente 
	Invasiva) deseja entrar na vida do médico, mexe sem pedir autorização em coisas
	Esquiva) não deseja contato 
	Inibida ou contida) não encara o examinador, demonstra estar pouco à vontade 
	Desinibida) nada o constrange, fala de qualquer coisa de seu passado, ou vida. Viola normas, pode assediar o entrevistador.
	Jocosa) faz piadas, brinca.
	Irônico) as piadas e tom de voz reflete arrogância e agressividade.
	Lamuriosa) queixa-se o tempo todo de seu sofrimento, autopiedade.
	Dramática) hiperemocionalidade.
	Teatral) parece estar fingindo ou exagerando, querendo chamar atenção.
	Sedutora) tenta agradar, elogiar, seduzir o medico 
	Pueril) faz pirraça, brinca, chama de tio, age como criança.
	Gliscroide ou grudento) é difícil encerrar a conversa
	Simuladora) simula doença ou sintoma
	Dissimuladora) oculta o sintoma existente visando alta
	Indiferente) não se sente incomodado pela entrevista ou presença do medico
	Manipuladora) tenta obrigar o médico a fazer o que ele quer, por vezes com ameaças, chantagem...
	Submissa) atende sem questionar ao examinador
	Expansiva) deseja intensamente o contato social, trata o médico como se fosse intimo 
	Amaneirada) caricatural, histriônica 
	Reação de último momento) após intenso negativismo, quando o médico está prestes a abandonar o pcte passa acooperar.
Algumas síndromes tem comportamento especifico, na mania (pode haver atitude expansiva, desinibida, jocosa, irônica, arrogante...), depressão (lamuriosa, desinteressada...), esquizofrenia (pode haver desde a indiferença, a oposição- na catatonia, reação de último momento, suspicaz, hostil, querelante, de fuga- na paranoide...), delirium/demência (indiferença por não compreensão), retardo mental (pueril), etc.
CONSCIÊNCIA OU VIGILÂNCIA 
A palavra consciência inclui a consciência moral, a psicológica e a vigilância. A psicológica é a síntese, integração de todos os processos mentais num determinado momento é uma vivencia interna, a distinção do eu/não eu, é um dar-se conta de suas vivencias internas e de seu mundo externo, é reflexiva.
A vigilância é um termo definido como capacidade fisiológica (do sistema nervos) que serve de suporte a uma atividade e adaptativa, qualquer que seja a modalidade desta. Um termo especial é a lucidez de consciência ou vigilância plena, que define uma função iluminadora quanto aos conteúdos mentais, refere a nitidez dos conteúdos mentais e sua identificação.
ALTERAÇÕES FISIOLOGICAS (qualitativas) 
Normalmente ocorrem pequenas oscilações na intensidade de sua consciência (geralmente as de atenção) como ao estar cansado, sonolento, relaxado ou repousando. O sono em suas distintas fases são sem dúvida as +comuns alterações fisiológicas da consciência.
ALTERAÇÕES QUALITATIVAS PATOLOGICAS 
Rebaixamento do nível de consciência)
Trata-se do limítrofe entre a lucidez e o coma, há uma perda da clareza da consciência: a percepção do externo se torna imprecisa (decorrente do processamento, não dos órgãos sensitivos), há um “aumento do limiar” de excitação para percepção, bem como uma dificuldade para introspecção (apreensão do próprio eu). 
Sempre possui etiologia orgânica (há déficit cognitivo global), a atenção é particularmente afetada, a orientação alopsíquica, pensamento, inteligência, sensopercepção, memoria, afeto e psicomotricidade. Podem ser divididos em obnubilação simples ou oniróide. Outros autores preferem termos como estupor, torpor ou obnubilação. 
a) Obnubilação simples
Ausência de sintomas psicóticos. Sonolência, hipoprosexia, desorientação, pensamento empobrecido e alentecido, dificuldades de compreensão/raciocínio, hipoestesia, hipomnésia de fixação e de evocação, apatia e inibição psicomotora. 
b) Obnubilação oniróide 
Presença de sintomas psicóticos, sobretudo ilusões, pseudoalucinações visuais e ideias deliroides. Há dificuldades de concentração (exacerbação da atenção espontânea), desorientação temporoespacial, desagregação do pensamento, amnesia de fixação e evocação, exaltação afetiva (ansiedade), perplexidade e agitação psicomotora. O delirium tremens é o gold standart desse processo. 
c) Coma 
Do grego “sono profundo”, é a abolição da consciência, o indivíduo não pode ser despertado nem sob estimulo doloroso (diferente do sono, do qual se desperta por estímulos sensoriais). Há perda de motricidade voluntária e da sensibilidade, a vida somática prossegue, mas a atividade mental desapareceu. 
ALTERAÇÕES QUALITATIVAS FISIOLOGICAS
Sonhos)
Vivencias subjetivas durante o sono.
ALTERAÇÕES QUALITATIVAS PATOLOGICAS 
Estreitamento do campo da consciência) 
O “campo da consciência” ou amplitude é a quantidade de conteúdos que a consciência abarca num determinado momento, sua dimensão horizontal. A consciência estreitada abarca um conteúdo menor do que o normal e fica restrita a determinadas vivências (ideias, afetos, imaginação, ações...), outras vivencias internas e estímulos externos tornam-se inacessíveis à consciência. Há uma interrupção da continuidade e unidade psíquica da personalidade e perde-se a capacidade de reflexão. 
	Delirium) ocorre por uma perturbação difusa no metabolismo cerebral, que pode ser causado por: intoxicação por drogas (álcool, anticolinérgicos), abstinência, encefalopatia metabólica (cetoacidose diabética, coma hepático), infecções, epilepsia, TCE, etc.
Por definição é um quadro agudo com prejuízo cognitivo global, com rebaixamento do nível de consciência (todas as demais alterações derivam dai), ao longo do dia há flutuação da consciência.
	Esquizofrenia, transtornos do humor e demência) ocorrem sob lucidez da consciência. 
	Alcoolismo) na intoxicação há um rebaixamento do nível da consciência (pode chegar ao coma). O delirium tremens é um excelente exemplo de obnubilação oniróide. 
ATENÇÃO 
Processo pelo qual
Página123456789...13