A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Jurisdição voluntária, arbitragem

Pré-visualização | Página 2 de 2

MANDADO DE SEGURANÇA VISANDO 
À HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO (nova redação 
em decorrência do CPC de 2015) - Res. 217/2017 
- DEJT divulgado em 20, 24 e 25.04.2017 
A homologação de acordo constitui faculdade do juiz, inexistindo direito líquido e 
certo tutelável pela via do mandado de segurança. 
*Homologação de acordo constitui uma faculdade do juiz – a súmula 418 não se 
aplica na jurisdição voluntária, se aplica somente na jurisdição contenciosa. 
*Da extinção do contrato se tem dois anos para ajuizar a ação – quando ajuizada 
a ação somente pode ser cobrado o crédito dos últimos 05 anos. 
Ex.: Ana saiu da empresa, da extinção do contrato ela tem 02 anos para ajuizar a 
ação – Ana e a empresa fizeram um acordo extrajudicialmente – fizeram uma 
petição conjunta – a petição foi distribuída – o juiz ao fazer a análise não 
 
Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski 
 
homologou – quando do ajuizamento da ação o prazo ficou suspenso – quando o 
prazo voltar a correr na suspensão ele não volta por inteiro e sim pelo que faltava 
– o prazo volta a fluir a partir do primeiro dia útil depois do trânsito em julgado = 
PROCESSO DE JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA. 
3. Heterocomposição - terceiro vai solucionar o conflito 
*Poder Judiciário para solucionar o conflito e a via arbitral. 
*A reforma trabalhista trouxe a possibilidade de submeter a demanda a arbitragem – 
não são todos os dissídios individuais que poderão ser submetidos a arbitragem. 
Art. 507-A CLT. Nos contratos individuais de trabalho cuja remuneração seja 
superior a duas vezes o limite máximo estabelecido para os benefícios do Regime 
Geral de Previdência Social, poderá ser pactuada cláusula compromissória de 
arbitragem, desde que por iniciativa do empregado ou mediante a sua concordância 
expressa, nos termos previstos na Lei no 9.307, de 23 de setembro de 
1996. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017) (empregados que recebem mais de 
duas vezes o limite geral de previdência eles podem no contrato de trabalho 
colocar uma cláusula compromissória em que eles se comprometerão que se 
eventualmente tiver um litígio submeter essa demanda não na justiça do 
trabalho, mas na câmara de arbitragem) (a cláusula somente poderá estar no 
contrato se for iniciativa do empregado ou se tiver seu consentimento 
expresso) 
*OBS.: A ARBITRAGEM ANTES DA REFORMA TRABALHISTA SOMENTE 
PODERIA OCORRER NOS DISSÍDIOS COLETIVOS. 
*Dissídios individuais que podem ser submetidos a apreciação da arbitragem 
somente para empregados hiperssuficientes. 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9307.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9307.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13467.htm#art1