A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Técnicas de sutura - resumo

Pré-visualização | Página 1 de 1

Liana Ribeiro 
Técnicas de sutura 
Justaposição tecidual: 
1. Aposição: ​união​ ​borda/borda - ​pele, nervos, músculo; 
2. Eversão: ​bordas para fora* - ​pele, fáscia, vasculares; 
3. Inversão: ​para dentro* - aumenta área de contato e segurança* - ​invaginante, útero, bexiga; 
a. órgãos ocos: isola face contaminada, menor deiscência de sutura; 
 
Pontos isolados X Pontos contínuos 
Isolados: ​+ seguros; 
● Mais lenta; 
● Não estreita calibre; 
● Maior segurança; 
● Maior reação tecidual; 
 
Contínuos: ​menor reação tecidual; 
● Mais rápido; 
● Menos seguro se houver soltura de um ponto; 
● Tendência de estreitar calibre; 
● Diminui comprimento; 
 
Aplicação correta dos pontos de sutura 
Transfixação das bordas: ​1 ou 2 tempos (+ precisão); 
● Direita para esquerda; 
● Justaposição camadas; 
● Coaptação bordas sem tensão excessiva: perfusão, cicatrização; 
● Quantidade de tecido transpassada igual em ambas as bordas; 
● Distância entre pontos; 
Secção do fio de sutura: 
● Próximo demais: ​desfaz nó; 
● Longo:​ reação CE; 
 
 
Nó com porta agulhas 
● Nó simples/quadrado; 
● Nó de cirurgião; 
● Nó comum; 
● Número ideal de nós: ​4 nós, depende do fio; 
 
Liana Ribeiro 
 
 
Pontos isolados 
 
1. 
● PIS: + ​utilizado;
 
● Pele, fáscias, músculos, parede de órgãos etc; 
● Evitar deixar sobre a linha de cicatrização / 
lateralizar; 
 
2. 
● COLCHOEIRO HORIZONTAL/WOLFF/U;
 
● = PIS; 
● Interfere menos no processo de cicatrização 
porque o fio NUNCA PASSA SOBRE AS 
BORDAS DA FERIDA; 
 
3. 
● SULTÃO OU X;
 
● Pele - único ponto em pequenos ferimentos ou 
pontos múltiplos em feridas maiores; 
● Parede abdominal; 
 
 
 
4. SWIFT: 
 
● Nó interno/lúmen; 
● SUBCUTÂNEO; 
 
5. COLCHOEIRO VERTICAL OU DONATTI: 
 
● Sutura cuticular; 
● Em áreas onde há possibilidade de se instalar 
edema ou cavidades que irá pressionar a parede 
abdominal suturada - timpanismo; 
 
6. HALSTED: 
 
● Modificação lembert contínuo; 
● PELE; 
● Reduz tensão da ferida; 
 
7. MAYO OU JAQUETÃO: 
 
● Larga faixa de aderência - melhor cicatrização; 
Liana Ribeiro 
● Fechamento de anel herniário / patela; 
 
 
1. PASSAGEM DA AGULHA - 1 OU 2 
TEMPOS; 
2. NÓ INICIAL COM PORTA AGULHA; 
3. PIS / Wolff / Sultan / Swift / Donatti / Halsted 
/ Jaquetão; 
 
 
Suturas contínuas 
● Órgãos ocos; 
● Contínua Simples; 
● Reverdin /Ancorada de Ford; 
● Lembert; 
● Cushing; 
● Connell; 
● Colchoeiro; 
● Schmieden; 
● Sero-serosas/musculares/mucosas; 
● Contaminantes e não contaminantes; 
 
Início e término de sutura contínua 
 
 
1. PONTO CONTÍNUO SIMPLES (CS): 
 
● Agulha perpendicular de um lado para outro; 
● APOSIÇÃO; 
● Segura - linha alba/SC; 
 
2. REVERDIN/ANCORAGEM DE FORD OU 
FESTONADA: 
 
● + seguro; 
● Melhor distribuição de tensão - pele; 
 
 
3. LEMBERT: 
Liana Ribeiro 
 
● Órgãos ocos; 
● INVERSOR - NÃO CONTAMINANTE; 
● Segura: ampla margem de contato serosa/serosa; 
● Agulha perpendicular ao eixo longo da ferida; 
 
4. CUSHING: 
 
● Órgãos ocos; 
● INVERSOR - NÃO CONTAMINANTE; 
● Rápida progressão; 
● Mais usadas; 
 
5. CONNELL: 
 
● Órgãos ocos; 
● INVERSOR - CONTAMINANTE; 
 
6. COLCHOEIRO: 
 
● Aposição; 
● CONTAMINANTE; 
● Aproximação das bordas sem interferir na 
cicatrização da ferida; 
 
7. SCHMIEDEN: 
 
● Aposição; 
● Órgãos ocos; 
● CONTAMINANTE; 
 
ESPECIAIS: 
1. Intradérmica: ​aposição; 
2. Captonadas:​ reduz tensão dos pontos; 
3. Parker - ker: ​invaginante - órgãos ocos; 
4. Bolsa de fumo: ​sutura circular - fixação de 
tubos/sondas e fechamento de orifícios 
circulares; 
5. Chinesa/bailarina: ​fixação de tubos / sondas 
com mais firmeza - resistência à tração;