A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Tomografia crânio

Pré-visualização | Página 1 de 2

Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
Tomografia de Crânio 
A Tomografia de crânio é um exame extremamente útil e recorrente principalmente na 
terapia intensiva. É amplamente disponível, oposto da RM. permite a identificação de 
focos hemorrágicos ou isquêmicos, que necessitam de tratamento imediato (“tempo é 
cérebro”). Os cortes normalmente são axiais, com certo grau de inclinação de forma a 
captar o maior número possível de estruturas. 
As indicações são as mais diversas: alterações na escala Glasgow, estado confusional 
agudo, aparecimento súbito de cefaleia intensa, trauma crânio encefálico grave, 
sonolência persistente, estado epilético, pós-epilético com diminuição do nível de 
consciência ou com déficit focal lesão hipóxia cerebral. 
 
 
Nota: Ao analisar o Tc são hipodensos o ar e o líquor (pretos/cinza-escuros), ao passo 
que ossos e sangue são hiperdensos (brancos). 
Nota: edema se ver pelo apagamento de sulcos e giros. 
 
Num corte axial, do bulbo para a medula, temos: 
 
 
 
 
 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
 Subindo para o nível do bulbo 
 
 
 
 
 
 
 Cisterna magna cerebelo 
NOTA: O osso petroso por ser bastante denso, ele dá muito artefato, na imagem ver 
uma linha preta outra branca, e isso atrapalha muito a interpretação de lesões. 
 
 
art. basilar 
 
 plexo coroide do 4 vent. calcificado 
 ponte 
 quarto ventrículo porção lobo temporal 
Legenda: = nervo óptico 
Agora na porção mais superior, na transição ponte para mesencéfalo, já não tem tanto 
artefato: 
 
 
 
 
 
4 ventrículo 
 cerebelo 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
Agora já no cerebelo 
fossa posterior, 
pareando com uma 
peça anatômica: 
 
 
 
 
Osso mastoide bulbo 
 
 
 
Subindo temos, não consigo ver as estruturas porque é fossa posterior: 
 
 
 
art. 
basi 
 
 
 
 
 
 4 ventrículo ponte 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
Subindo na 
altura do 
mesencéfalo, já 
na fossa mais 
superior 
 
 
Fossa 
interpeduncu. 
 
Arqued. cereb 
 mesencéfalo (escuro por conta do líquor) subts. negra lobo temp. 
 
 
Subindo mais vemos: 
 
 insula 
 
sulco de sylvius 
 
 
 
Calcificações 
fisiológicas calc. da glnd. Pineal calc. Fisiológ. 
 
 
Subindo mais um pouco vamos ver: 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
calcif do plexo coroid. Ventrículos laterais núcleos basais 
 
NOTA: plexo coroide, localizado dentro do ventrículo e tem função de produzir o 
líquido cefalorraquidiano. A não absorção desse liquor pode fazer com que o vent. 
Lateral fique dilatado. 
 
Subindo mais, conseguimos ver sulcos e giros preenchidos pelo LCR 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
Subindo mais ainda: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Linha mediana 
 
Importante também conhecer a vascularização cerebral: 
Artéria Cerebral Média irriga uma grande porção do cérebro, sendo, portanto, um 
importante foco de quadros isquemia. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Distribuição dos vasos e meninges: 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
 
 As meninges são responsáveis por conter o LCR, promovendo sua recirculação, 
e por proteger o cérebro, dividindo-se em 3 regiões (dura-máter, aracnoide e 
pia-máter). As interações entre elas criam espaços reais (normalmente 
preenchidos por líquor) ou virtuais (geralmente vazios, são preenchidos por 
sangue no trauma). 
 Num TCE, os principais comprometimentos são hemorragias epidurais, que 
preenchem de sangue o espaço entre o crânio e a dura-máter, hemorragias 
subdurais, acometendo o espaço entre a aracnoide e a dura máter, e 
hemorragias subaracnóideas (HSA), que preenchem a região imediatamente 
superior ao cérebro. 
 A HSA preenche os espaços dos sulcos, obstruindo-os e se dissipando de forma 
ampla e disforme. As hemorragias intraparenquimatosas, por sua vez, se 
referem a sangramentos na massa cerebral, mantendo um formato 
circunscrito, com amplo risco de formação de AVC hemorrágico. 
. 
Em Traumas diversos ao encéfalo. Nota-se que edemas indicam lesões expansivas, 
hemorrágicas. 
 
 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Os “5 S” para a interpretação de uma tomografia de crânio: 
• Sulcos e giros livres; 
• Situação da linha média; 
• Sistema ventricular; 
• Vale de Sylvius; 
• (S)Cisterna da base livre. 
• 
Desvendando as TC... 
Na tc vejo calcificação fisiológica do ventrículo esquerdo. 
Na fase aguda do evento vascular cerebral, pode ter uma Tc 
normal ou sinais de edema no parênquima cerebral. Na fase 
tardia, quando o cérebro sofreu, aquela região morre e fica 
escura, perdeu massa, então nesse Tc sofreu uma isquemia 
subaguda (na região circulada) da arterial cerebral posterior, 
num evento vascular cerebral. 
 
Nota: Na fase crônica não vejo sangue (parte branca), isso porque ocorre reabsorção 
das células da Hb (hemodegradação e hemoabsorção) 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
 
Na Tc vejo, mostra um Avc isquêmico da arterial cerebral média 
do ramo inferior, na fase crônica. (na região circulada). 
Vejo uma proeminência no osso temporal, do lado direito o sulco 
Sylvio está grande e no esquerdo não, isso porque o edema 
cresceu, e ele está secundária a lesão, perdeu a substância 
cinzenta 
Sobre a região frontal, tem seios frontais e maxilares que são 
espaços preenchidos por ar. 
 Tem calcificação do plexo coróide. 
 
 
Na Tc vejo material hiper denso que está cobrindo todos 
os sulcos e giros, principalmente lobo frontal, e na 
cisterna de base também tá preenchendo, que 
provavelmente é sangue, se está preenchendo o espaço 
subaracnóideo, então é uma hemorragia subaracnóidea. 
 
 
 
Vejo na Tc sulcos e giros apagados, acúmulo de uma substância 
hiper densa de forma longitudinal, o que sugere ser um 
hematoma subdural em fase aguda, que apagou sulcos e giros 
provocando um edema, que está desviando a linha média, e o 
ventrículo está apagado. 
 
 
 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
 
Vejo no Tc um Hematoma epidural. 
 
 
 
 
 
Vejo no Tc um Avc hemorrágico, por conta da hiper densidade, que está causando 
também apagamento de ventrículo. 
 
 
 
 
 
 
 
Vejo no Tc um Hematoma 
epidural que evolui, 
provocando na 1ª figura um 
apagamento de cisterna da 
base, na 2ª um desvio da linha 
média e um apagamento de 
ventrículo. Sendo as 1 e 2ª 
parenquimatosa e a 3ª uma 
janela óssea. 
 
Habilidade Médicas V 
 
Anne Caroline Maltez 
 
Nessa Tc vejo 
uma 
Hidrocefalia, 
pois os 
ventrículos