Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
A importância da força muscular

Pré-visualização | Página 18 de 23

P, Minetti A, di Prampero P. Interacção entre as mudanças de força 
muscular, a área de secção transversal máxima e explosivo poder: teoria e 
fatos. Eur J Appl Physiol. 2002; 88 (3): 193-202.
19. MH pedra, O'Bryant H, J Garhammer, McMillan J, Rozenek R. Um modelo 
teórico da força de formação. Força condici J. 1982; 4 (4): 36-9.
20. Bompa TO, Haff G. Periodização: teoria e metodologia de treinamento. Champaign: 
Motricidade Humana; De 2009.
21. MH pedra, Pierce KC, Sands WA, pedra-ME. Halterofilismo: concepção do 
programa. Força Cond J. 2006; 28 (2): 10-7.
22. Campos GE, Luecke TJ, Wendeln HK, Toma K, Hagerman FC, Murray TF, et ai. 
adaptações musculares em resposta a três regimes de treinamento de resistência 
diferentes: especificidade do treinamento repetição máxima
zonas. EUR J Appl Physiol.
2002; 88 (1-2): 50-60.
23. Hakkinen K, Keskinen KL. Muscle transversal área e características de 
produção força de voluntários em força-e atletas e velocistas de elite 
treinamento de resistência. Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1989; 59 (3): 
215-20.
24. Narici MV, Roi GS, Landoni G, Minetti AE, Cerretelli P. Alterações em vigor, e 
área da activação neuronal em corte transversal durante o treino e força 
destreino dos quadríceps humanos. Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1989; 
59 (4): 310-9.
25. Kawakami Y, Abe t, Fukunaga T. músculo- ângulos fi bra pennation são maiores 
do que em hipertrofiado em músculos normais. J Appl Physiol. 1993; 74 (6): 
2740-4.
26. MH pedra, O'Bryant H, Garhammer J. Um modelo hipotético para a força de formação. 
J Sports Med Phys Fitness. 1981; 21 (4): 342-51.
27. Schoenfeld BJ, Ogborn D, Krieger JW. Relação dose-resposta entre o volume 
semanal formação resistência e aumento da massa muscular: uma revisão 
sistemática e meta-análise. J Sports Sci. 2017; 35 (11): 1073-1082.
28. Grgic J, Lazinica B, Mikulic P, Krieger JW, Schoenfeld BJ. Os efeitos de curto contra 
intervalos de descanso inter-set longos em treinamento de resistência em medidas de 
hipertrofia muscular: uma revisão sistemática. Eur J Desporto Sei. 2017; 17 (8): 983-93.
29. Schoenfeld BJ, Ogborn DI, vigotsky AD, Franchi MV, Krieger JW. efeitos 
hipertróficas de vs. ações musculares excêntricas concêntricas: uma revisão 
sistemática e meta-análise. J Força condici Res. 2017; 31 (9): 2599-608.
30. Schoenfeld BJ, Grgic J, Ogborn D, Krieger JW. Força e hipertrofia adaptações 
entre o treinamento de resistência baixo-versus-alta carga: uma revisão 
sistemática e meta-análise. J Força condici Res. 2017; 31: 3508-23.
31. Schoenfeld BJ, Ogborn D, Krieger JW. Efeitos da frequência de treinamento de 
resistência em medidas de hipertrofia muscular: uma sistemática
revisão e meta-análise. Med Sports.
2016; 46 (11): 1689-1697.
32. Wilson, GJ, Murphy AJ, Pryor JF. rigidez musculotendinosa: sua relação com o 
desempenho excêntrica, isométrica, e concêntrica. J Appl Physiol. 1994; 76 
(6): 2714-9.
33. Butler RJ, Crowell HP, Davis IM. Extremidade inferior rigidez: implicações para 
o desempenho e lesões. Clin Biomech. 2003; 18 (6): 511-7.
34. Bojsen-Moller J, Magnusson SP, Rasmussen LR, Kjaer H, o desempenho do 
músculo Aagaard P. durante contrações isométricas e dinâmica máxima é 
influenciada pela rigidez das estruturas tendinosos. J Appl Physiol. 2005; 99 
(3): 986-94.
35. Roberts TJ. Contribuição de tecidos elásticos para a mecânica e energética da 
função muscular durante o movimento. J Exp Biol. 2016; 219 (2): 266-75.
36. Maf fi uletti NA, Aagaard P, Blazevich AJ, Folland J, Tillin N, Duchateau J. 
Taxa de desenvolvimento de força: fisiológico e metodológico 
considerações. EUR J Appl Physiol.
2016; 116 (6): 1091-116.
37. Kubo K, Yata H, Kanehisa H, Fukunaga T. Efeitos de formação agachamento isométrica 
da rigidez do tendão e o desempenho do salto. Eur J Appl Physiol. 2006; 96 (3): 
305-14.
38. Powers K, K Nishikawa, Joumaa V, Herzog W. Diminuição realce força em 
sarcómeros do músculo esquelético com uma deleção em titina. J Exp Biol. 2016; 
219 (9): 1311-6.
39. Higuchi H, Yoshioka t, Maruyama K. Posicionamento de filamentos de actina e de geração 
de tensão no músculo pele fibras libertadas após estiramento além sobreposição dos 
filamentos de actina e miosina fi lamentos. J Res célula muscular Motil. 1988; 9 (6): 491-8.
40. Herzog W, Powers K, K Johnston, Duvall M. Um novo paradigma para a contracção 
muscular. Frente Physiol. 2015. https://doi.org/10. 3389 / fphys.2015.00174 .muscular. Frente Physiol. 2015. https://doi.org/10. 3389 / fphys.2015.00174 .muscular. Frente Physiol. 2015. https://doi.org/10. 3389 / fphys.2015.00174 .
41. Monroy JA, Powers KL, Gilmore LA, Uyeno TA, Lindstedt SL, Nishikawa KC. Qual 
é o papel da titina no músculo ativo? Exerc Rev. Esporte Sci 2012; 40 (2): 73-8.
A importância da força muscular: Considerações Formação
123
http://dx.doi.org/10.3389/fphys.2015.00174
http://dx.doi.org/10.3389/fphys.2015.00174
42. Henneman E, Somjen G, Carpenter DO. Excitabilidade e inhibitibility de neurónios 
motores de diferentes tamanhos. J Neurophysiol. 1965; 28 (3): 599-620.
43. Milner-Brown HS, Stein RB. A relação entre a superfície e electromiograma 
muscular força. J Physiol.
1975; 246 (3): 549-69.
44. Desmedt JE, contracções Godaux E. balísticos no homem: o recrutamento padrão 
característico de unidades motoras individuais do músculo tibial anterior. J Physiol. 
1977; 264 (3): 673-93.
45. Desmedt JE, contrações Godaux E. balísticos em músculos humanos rápidos ou lentos: 
padrões de descarga de unidades motoras individuais. J Physiol. 1978; 285 (1): 185-96.
46. ​​van Cutsem M, Duchateau J, Hainaut K. Mudanças no comportamento da unidade motor 
único contribuir para o aumento da velocidade de contração após o treinamento dinâmico 
em seres humanos. J Physiol.
1998; 513 (1): 295-305.
47. Venda DG. adaptação neural ao treinamento de resistência. Med Sci Sports Exerc. 
1988; 20 (5 Suppl): S135-45.
48. Duchateau J, Semmler JG, Enoka RM. Treinando adaptações no comportamento de 
unidades motoras humanos. J Appl Physiol. 2006; 101 (6): 1766-1775.
49. Duchateau J, Hainaut K. Mecanismos de unidade motora muscular e adaptação a 
formação potência explosiva. In: Paavov VK, editor. Força e poder no esporte. 2a 
ed. Oxford: Blackwell Science;
2003. p. 315-30.
50. Enoka RM. características morfológicas e padrões de ativação de unidades motoras. J 
Clin Neurophysiol. 1995; 12 (6): 538-59.
51. Leong B, Kamen L, Patten C, Burke JR. taxas máximas de descarga de unidades motoras nos 
músculos do quadríceps de levantadores de peso mais velhos. Med Sci Sports Exerc. 1999; 31 
(11): 1638-1644.
52. Saplinskas JS, Chobotas MA, Yashchaninas II. O tempo de atos motores concluídas e 
atividade impulso de unidades motoras individuais de acordo com o nível de formação 
e desporto especialização das pessoas testadas. Electromyogr Clin Neurophysiol. 
1980; 20 (6): 529-39.
53. Semmler JG. sincronização de unidade do motor e desempenho neuromuscular. 
Exerc Esporte Sci Rev. 2002; 30 (1): 8-14.
54. Milner-Brown HS, Lee RG. Sincronização das unidades motoras humanos: possível 
papel do exercício e supraespinhal re fl exes. Electroencephalogr Clin 
Neurophysiol. 1975; 38 (3): 245-54.
55. Semmler JG, Nordstrom MA. descarga de unidade motora e força tremor na 
habilidade e treinados em força indivíduos. Exp Brain Res. 1998; 119 (1): 27-38.
56. Aagaard P, Simonsen EB, Andersen JL, Magnusson SP, Halkjaer-Kristensen 
J, inibição Dyhre-Poulsen P. Neural durante máxima excêntrico e concêntrico 
quadríceps contracção: efeitos 
do resistência Treinamento. J Appl Physiol.
2000; 89 (6): 2249-57.
57. Semmler JG, Kutscher DV, Zhou S, Enoka RM. a sincronização de unidade 
motora é reforçada durante o encurtamento e alongamento lento contracções do 
primeiro músculo interósseo dorsal. Soe Neurosci Abstr. 2000; 26: 463.
58. Gabriel DA, Kamen G, adaptações Geada G. neurais para exercício resistido. Med 
Sports. 2006; 36 (2): 133-49.