A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
PCA As implicações didático-pedagógicas

Pré-visualização | Página 3 de 5

capacidade de trabalhar 
habilmente a motricidade dos dedos como o uso integral do corpo. Segundo Antunes 
(2003) a localização desta inteligência situa-se no lado esquerdo do hemisferio cerebral. 
A inteligência sinestésica corporal deve ser estimulada através de jogos tradicionais e de 
esportes múltiplos, para que a criança possa através dos jogos desenvolverem-se 
cognitivamente e ter o controle do seu corpo. 
 
ANAIS 
2o Simpósio em Educação em Ciências na Amazônia 
VII Seminário de Ensino de Ciências na Amazônia 
ISSN 2237-146X 
17 a 21 de setembro de 2012 
Manaus—AM 
 
Inteligências Pessoais (Intrapessoal e Interpessoal) 
Algumas formas de inteligência são similares em diversas culturas, sendo resistentes à 
moldagem cultural. Mas no que se refere às inteligências pessoais, a cultura assume um 
papel importante, pois a aprendizagem e o uso do sistema simbólico da cultura fazem com 
que as inteligências pessoais assumam a sua característica. 
Gardner (2008) admite a existência de duas inteligências pessoais que são a “inteligência 
intrapessoal” e a “inteligência pessoal”. A inteligência intrapessoal pode ser descrita 
como uma habilidade para determinar humores, sentimentos e outros estados mentais em si 
mesmo, ou seja, esta inteligência é a habilidade para ter acesso aos próprios sentimentos, 
sonhos e idéias, para discriminá-los e lançar mãos deles na solução de problemas pessoais. 
É a capacidade de habilidades, necessidades desejos e inteligências próprias, é a 
capacidade para formular uma imagem de si própria, permite que detectemos e 
simbolizemos conjuntos de sentimentos altamente complexos e diferenciados. 
A inteligência pessoal, no entanto, pode ser descrita como uma habilidade para determinar 
humores, sentimentos e outros estados mentais em outras pessoas. Estas inteligências se 
destacam em psiquiatras, políticos, religiosos e líderes antropólogos. “Examinada em sua 
forma mais elementar, a interpessoal acarreta a capacidade da criança pequena de 
discriminar entre os indivíduos ao seu redor e detectar seus vários humores” (GARDNER, 
1994, p. 185). 
Segundo (Brennand e Vasconcelos, 2005, p. 32). “O autismo e a esquizofrenia 
exemplificam casos de indivíduos com esse tipo de inteligência intrapessoal prejudicada”, 
pois muitos das pessoas com esta deficiência não apresenta a capacidade de compreender o 
outro e nem se compreender. 
Nas inteligências intrapessoal e interpessoal os circuitos do sistema límbico começam a se 
conectar e se mostram muito sensíveis a estímulos provocados por outras pessoas. Segundo 
Antunes (2003), a estimulação da emoção é importante para o desenvolvimento dessas 
inteligências. 
 
Inteligência Naturalista 
Na sua obra as “Estruturas da mente: A teorias das inteligências múltiplas” não há nada 
sobre esta inteligência, mas em uma entrevista para o jornal da tarde no primeiro semestre 
de 1996 Gardner apresenta a oitava inteligência. “Eu agora, na verdade, falo sobre oito 
tipos de inteligência. A oitava inteligência tem a ver com o mundo natural: ser capaz de 
entender diferenças entre diversos tipos de plantas, de animais. Todos nós a temos em 
nosso cérebro” (GARDNER, 1996 apud ANTUNES, 2003, p. 61). 
Esta inteligência se refere a reconhecer e categorizar objetos naturais. Provavelmente a 
inteligência naturalista localiza-se no hemisfério direito do cérebro, e destacou-se em 
pessoas como Darwin, Mendel, Noel Nutels, os irmãos Vilas-Lobos, Burle Marx, e está 
presente em muitas pessoas que mal a percebem como singular e em naturalistas, 
botânicos, geógrafos, paisagistas e jardineiros. A inteligência naturalista causa no ser 
humano certo sentimento de êxtase diante do não construído pelo homem. 
 
ANAIS 
2o Simpósio em Educação em Ciências na Amazônia 
VII Seminário de Ensino de Ciências na Amazônia 
ISSN 2237-146X 
17 a 21 de setembro de 2012 
Manaus—AM 
Para Antunes (2003), os pais e professores devem estimular essa inteligência desde a 
infância com jogos e aventuras interativas. A associação entre o estímulo naturalista e o 
sinestésico corporal manifesta-se em atividades ciclísticas em áreas de proteção ambiental 
como os bosques, onde o professor e seu aluno podem fazer descobertas incríveis, na qual 
Antunes (2003, p. 63), nos diz, 
[...] Um passeio ao jardim botânico, ao zoológico, à praça pública ou ao bosque 
pode ricamente se transformar em descobertas de pegadas de animais. E um 
gravador [...] percebe-se por essas propostas que o estímulo da inteligência 
naturalista caminha ao lado do exercício sinestésico corporal e interage com a 
sensibilidade olfativa e aditiva e com o emprego de múltiplas habilidades 
operatórias. 
Desta forma, estas atividades extraclasse podem estimular a percepção naturalista, visto 
que há uma interação com a natureza, propiciando a expansão da inteligência naturalista do 
estudante. 
 
Inteligência Existencial ou Espiritual 
Algumas pessoas podem confundir a Inteligência Existencial ou Espiritual com 
Inteligência Emocional (IE) de Goleman que só vê o lado emocional positivo do sujeito 
que a possui. A inteligência espiritual ou existencial da teoria de Gardner não vê apenas o 
lado positivo do sujeito, mas também do lado negativo, pois se uma pessoa possui esta 
inteligência, como as demais, ela pode utilizá-la tanto para o bem como para o mal, como 
no caso de um psicopata, que calcula previamente o que faz. Esta inteligência se refere a 
aprender as questões fundamentais da existência. Ele se destaca em líderes espirituais, 
pensadores filósofos. 
Gardner (2008) considera que esta competência não seja uma inteligência completa, mas 
uma meia inteligência, pois ainda não foi encontrado com precisão o local em que esta se 
encontra no cérebro humano. 
 
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 
O procedimento metodológico que sustenta este ensaio toma os conhecimentos 
neurocientíficos e cognitivos como epistemologias estruturantes para uma educação em 
Ciências, tendo como abordagem de nível uma pesquisa de cunho qualitativo sob 
perspectiva hermenêutica que segundo Ghedin e Franco (2008, p. 72) “o processo de 
investigação implica numa interpretação do objeto, que não fala por si só, mas pela 
comunicação estabelecida entre o sujeito, o objeto e os conceitos que possibilitam sua 
comunicação com a realidade cognoscível”. 
Neste processo hermenêutico realizou-se a priori com a leitura, o fichamento e a síntese 
das obras para uma análise epistemológica do tema em questão, portanto o movimento 
metodológico utilizado para a reflexão e construção deste ensaio, parte da análise 
cognoscível de uma educação para a compreensão. 
 
ANAIS 
2o Simpósio em Educação em Ciências na Amazônia 
VII Seminário de Ensino de Ciências na Amazônia 
ISSN 2237-146X 
17 a 21 de setembro de 2012 
Manaus—AM 
O objetivo deste trabalho foi de vislumbrar a teoria das inteligências múltiplas e suas 
implicações didáticas no ensino de ciências, sendo este tema de grande relevância, pelo 
fato de tratar da subjetividade humana. 
 
Resultados e/ou discussão: As implicações das inteligências múltiplas nos processos de 
ensino aprendizagem em Educação em Ciências 
A educação em Ciências pode aproximar os jovens à carreira científica, isto é, ser 
cientificamente culto, o que implica em compreender atitudes, debater responsavelmente 
um ponto de vista, entender como ciência e tecnologia são usadas em situações sociais, 
culturais e econômicas. Porém, as tentativas educacionais ao perpassarem à verificação 
pela experiência e o comportamentalismo, transformam o estudante em um receptor 
passivo de informação e não um construtor crítico-reflexivo do conhecimento 
(CACHAPUZ, PRAIA E JORGE, 2004). 
Para que esta