A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
TITULAÇÃO DE NEUTRALIZAÇAO   VINAGRE PRONTO

Pré-visualização | Página 1 de 2

TITULAÇÃO DE NEUTRALIZAÇAO - VINAGRE
Palmas – TO
2016/1
TITULAÇÃO DE NEUTRALIZAÇAO - VINAGRE
Relatório da aula prática apresentado como requisito parcial da disciplina de Análise Farmacêutica da turma 
Palmas – TO
2016/1
INTRODUÇÃO
 
As titulações de neutralização são largamente empregadas para determinar as quantidades de ácidos e bases. Além disso, podem ser utilizadas para monitorar o progresso das reações que produzem ou consomem íons hidrogênio. (SKOOG et al, 2002 ).
As soluções padrões utilizadas nas titulações de neutralização são ácidos ou bases fortes porque essa substancia reagem de forma mais completas com o analito do que suas correlatas mais fracas, portanto fornecem pontos finais mais nítidos. (SKOOG et al, 2002 ).
As titulações de neutralização são utilizadas para determinar inúmeras espécies inorgânicas, orgânicas e biológicas que possuem propriedades acidas ou básicas inerentes. Igualmente importantes, entretanto, são as muitas aplicações que envolvem a conversão de um analito em um acido ou em uma base por meio de tratamento químico adequado, seguido pela titulação com um padrão de ácido ou base forte (SKOOG et al, 2002 ), onde deve observar-se na titulação, o ponto estequiométrico e ponto final. Ponto estequiométrico é quando a reação se completa, quando o titulante reagiu com todo o titulado. Não é possível visualizar o ponto estequiométrico, mas logo após, o titulante reage com o indicador, mudando de cor, esse é chamado de ponto final.
O vinagre é o produto resultante da fermentação de certas bebidas alcoólico, principalmente do vinho. Nesta fermentação, microrganismos da espécie “Mycoderma aceti” transformam o álcool etílico em ácido acético, o que faz com que o vinho, após a fermentação, tenha cerca de 4 a 5% de ácido acético e seja considerado vinagre (vinho azedo) (BACCAN, et al, 2002). A quantidade indicada para consumo deve estar entre 4% e 6% de ácido acético de acordo com a legislação brasileira, pois quando ingerido em excesso este pode provocar algumas reações indesejáveis, por esse motivo torna-se necessário a sua quantificação nos produtos que o possuem como componente. 
O objetivo da titjulação de uma solução ácida com uma solução básica é a determinação da quantidade exata de base que é quimicamente equivalente à quantidade de ácido presente. O ponto em que isso ocorre é o ponto de equivalência. A solução resultante contém o sal correspondente. (VOGEL, Arthur I.,1992).
A aula teve como objetivo determinar a concentração existente de acido acético presente no vinagre por meio da titulação de neutralização e assim foi analisada a concentração de acido acético com intuito de saber se a concentração esta de acordo com o permitido, ou seja, esta dentro da legislação. 
 3
 
MATERIAIS E MÉTODOS
MATERIAIS
Equipamentos e Vidraria:
Béquer de 50 e 100 ml;
Conta gotas;
Bureta de 25 ml;
Proveta de 50 e 100 ml;
Balão Volumétrico de 250 ml;
Erlenmeyer de 250 ml;
Suporte para bureta;
Pisseta;
Pipeta volumétrica de 10 ml;
Pêra.
Reagentes:
Agua destilada;
Solução de Vinagre (750 ml Castelo®, lote 122 M3);
Solução de fenolftaleína a 1%; 
Solução de Hidróxido de Sódio (NaOH) Padronizada em aula 0,12 mol/L.
MÉTODOS 
4 4
Para realizar o doseamento do vinagre foi utilizada a solução de hidróxido de sódio (NaOH) já padronizada, fazendo a ambientação da bureta com a solução padrão e em seguida preencheu-se a bureta de 25 ml com a solução respectiva. 
Depois foi medido com auxílio de uma pipeta volumétrica de 10 ml, 25 ml de vinagre, que foi transferido para um balão volumétrico de 250 mL, sendo o volume completado com água destilada (diluição na proporção 1:10). Logo após, desta solução foram preparadas três alíquotas, onde foram transferidos com auxílio de pipeta volumétrica, 25 ml da solução de vinagre para um erlenmeyer e adicionou-se 40 ml de água destilada. Em seguida acrescentou-se 3 gotas da solução indicadora fenolftaleína. Foi observado o momento de viragem do indicador com o aparecimento de uma coloração rósea permanente por 30 segundos e anotou-se a quantidade da solução de NaOH consumida no procedimento. O processo foi realizado em triplicata.
Após a titulação concluída foi realizado a prova do branco, no qual a bureta foi preenchida com a solução padrão e o Erlenmeyer contendo agua destilada e a solução indicadora fenolftaleína.
Após realizou-se os cálculos estequiométricos, para encontrar o volume médio gasto de titulante, desvio padrão, e concentração de ácido acético no vinagre em g/100 ml, utilizando as seguintes fórmulas:
 Média= ∑ (Volume gasto1 + Volume gasto2 + Volume gasto3)
 				 N
 [ác. Acético]	 =>	N1 = n2
 M1 . V1 = M2 . V2
 
RESULTADOS E DISCUSSÃO 
Após ter realizado a titulação foi calculado o valor médio gasto da solução de hidróxido de sódio padronizada ou seja a solução titulante. 
 Média = 17,9 ml = 0,0179L
n1 = n2
M1 . V1 = M2 . V2
0,12 . 0,0179 = M2 . 0,025
0,002148 = M2 . 0,025
0,002148 = M2
 0,025
M2 = 0,08592 M
% = g/ 100 ml
 1 Mol ---------- 60 g de CH3COOH
 0,08592 Mol -------- X
 X = 5,15 g/L Teor de Acidez
5,15 g ------ 1000 ml
 X -------- 100 ml
X = 0,515 g/100 ml 
 Amostra representativa, a mesma teve um valor de diluição de 10X.
Fator de diluição = 250ml de H2O = 10
 25ml da amostra bruta
 0,515 x 10 = 5,15% 5% de acidez 
 
Sabe-se que o presente estudo teve como objetivo calcular o teor de ácido acético numa amostra de vinagre através de uma solução de hidróxido de sódio por volumetria de neutralização e verificou-se se o produto atende as especificações de qualidade, isto é, se atende à legislação brasileira.
De acordo com o teste realizado, o resultado do teor de ácido na amostra de vinagre mostrou um desvio padrão de 0,2 e um coeficiente de variação de 1,1%, portanto pode-se concluir que o método foi preciso e tambem exato apartir da obtenção de suas medidas foi calculado, obtendo sua concentração onde seu percentual foi de 5,15%, pela regra do o arredondamento esse valor obtido considerado 5%.
No rotulo do vinagre ao qual foi retirada a amostra, o grau de acidez volátil correspondia a 4%, nesse momento correspondendo às expectativas de qualidade. A amostra analisada teve um resultado de 5%, ou seja, um resultado diferente ao qual estava exposto na embalagem do vinagre. Alguns critérios poderiam responder a essa diferença de 1% como um erro na hora de determinar o ponto de equivalência na titulação; uma alteração do próprio fabricante do vinagre, nesse caso, contrariando a legislação brasileira de qualidade alimentícia, a qual implica um teor de acidez para o vinagre de 4%, e da própria oxidação do vinagre, já que ela é dada através de bactérias presentes no ar.
 
CONCLUSÃO
De acordo com os resultados obtidos conclui – se que a solução analisada do ácido acético presente no vinagre comercial possui um teor dentro dos padrões permitido pela legislação brasileira. Onde teor da substância analisada foi de 5,15% fazendo o arredondamento fica igual a 5% entretanto não foi igual ao valor do rótulo fornecido pelo fabricante do vinagre comercial que indicava 4% de acidez, por outro lado o valor fornecido no rótulo do vinagre indicava a consideração do teor máximo permitido, pois o ácido acético em vinagre deve ter um teor entre 4 a 5%, assim e estabelecido pela legislação brasileira. Pois com o consumo total de H + pelo o OH- a titulação de neutralização do ácido acético aconteceu com exatidão, onde o seu resultado foi preciso.
 
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
BACCAN, N. et al. Química